Pular para o conteúdo principal

Professor do século 21 (Artigo)




Cleide Medrado ao Amaral
Pós-graduada em Formação Sócioeconômica do Brasil, professora de geografia e diretora de uma escola pública do DF
Com a rapidez das mudanças nos dias de hoje é preciso descobrir como lidar com o acúmulo de conhecimento. O contexto midiatizado do século 21 impõe desafios aos educadores e é preciso estar atento para estender e reinventar a prática educativa, compreendendo o cruzamento e a aproximação de três vetores: tempo, espaço e velocidade.
O educador deve ser flexível e se adaptar às novas regras para garantir uma boa formação dos seus alunos. Neste contexto, enxergar a educação como um processo de desenvolvimento do ser humano e lembrar constantemente que ela não é estática porque acompanha a evolução do mundo é fundamental. Paulo Freire dizia que "ensinar não é transmitir conhecimentos, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção".
Acredito que o professor do século 21 deve funcionar como um facilitador no acesso às informações. Deve funcionar como um bom amigo que auxilia a criança ou jovem a conhecer o mundo e seus problemas, seus fatos, suas injustiças e suas solidariedades, de forma que o aluno possa caminhar com liberdade de expressão e, consequentemente, de ação. Em contrapartida, o aluno deve respeitar o espaço escolar e valorizar o professor, sabendo aproveitar a magia do momento, o encantamento do aprender-ensinar-aprender.
Quando estudei, há algum tempo atrás, a idéia de educar era a de transmitir conhecimentos, mas hoje cabe a cada educador se tornar um profissional melhor, buscando a reciclagem ou seu aprimoramento, através de cursos, palestras, seminários, os quais têm sido amplamente oferecidos pela Secretaria de Educação. Mas, infelizmente o que se ouve na maioria das escolas são professores cansados e desestimulados. Diante disso, muitos destes encontros são cancelados por falta de público.
Se o educador está cansado, o que irá transmitir ao seu aluno? Este por sua vez, vê na figura do educador uma tábua de salvação para o seu crescimento moral e intelectual, mas quando se depara com esta situação, só lhe resta o naufrágio.
Lembro-me da primeira vez que entrei em sala de aula como educadora. Foi no ano de 1986. Sentia muita ansiedade e um pouco de receio do que estaria por vir. Perguntas do tipo: "Será que os alunos vão gostar de mim" ou "Se eu não souber responder algo que me perguntarem?" aumentavam ainda mais a ansiedade. E logo nesse primeiro dia de aula, aos 26 anos e cheia de sonhos, me deparei com uma turma de alunos defasados da 6ª série do Ensino Fundamental em Ceilândia. O desinteresse era grande por parte dos mesmos. Foi um choque. Mas não me deixei abater. Respirei fundo, agi com firmeza e dei meu recado. Naquele momento aprendi que não devemos bater de frente com o adolescente e sim procurar interagir com eles, através do diálogo sincero. Eles não gostam da repressão, nem da liberdade sem limites.
Com o passar dos anos (são mais de 20 anos de Fundação Educacional) muita coisa mudou. Vejo que é necessário ter sensibilidade para entender que os alunos precisam muito do educador e seus anseios e expectativas são enormes em relação ao mesmo. Quanto à ansiedade do primeiro dia de aula, ela ainda existe e o coração acaba batendo muito mais forte. O importante é levar em consideração que a primeira impressão que o professor deixa aos alunos é que vai nortear todo seu trabalho durante o ano.
Tenham um bom ano letivo.
Fonte: Correio Braziliense, 23/1/2009

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…