Pular para o conteúdo principal

Agenda de promotores de Justiça da educação é discutida em seminário

Garantia da educação infantil é uma das metas de 2009
O painel “Agenda Mínima do Promotor de Justiça na Educação” foi o foco do seminário “Direito à Educação: Compromisso do Ministério Público”, na manhã de terça-feira, 24, realizado no auditório da Procuradoria Geral de Justiça. Procuradores, promotores de Justiça, educadores e representantes da sociedade civil organizada discutiram as ações, que devem ser priorizadas durante o ano de 2009 pelo MPMA. Compuseram a mesa do painel o promotor de Justiça especializado na defesa da educação Paulo Avelar; a promotora de Justiça Sandra Soares de Pontes, titular da comarca de Vitória do Mearim; o integrante do CAOp da Infância e Juventude Paulo Buzar; e a consultora de comunicação do Unicef, Déborah Martins. O painel foi aberto com a explanação da promotora de Justiça Sandra Soares de Pontes que apresentou os aspectos gerais e específicos da Agenda Mínima, que preveem a leitura da realidade em termos sociais, políticos, econômicos e culturais da comarca; entendimento das principais aspirações educacionais da comarca; análise do processo de atendimento das demandas das escolas; análise das receitas destinadas à educação; manutenção e desenvolvimento do ensino; entre outros assuntos. “Temos três pontos fundamentais a serem incluídos na agenda mínima: os planos e conselhos de educação; a garantia da educação infantil; e o combate à evasão escolar”, afirmou posteriormente a promotora de Justiça, sintetizando as contribuições dos participantes do painel. Para o promotor de Justiça Paulo Avelar existem alguns objetivos a serem cumpridos: a elevação do nível de escolaridade da população; a melhoria da qualidade da educação em todos os níveis; e democratização da gestão do ensino público. Paulo Avelar chamou atenção para a problemática da educação infantil na capital. “O número de escolas de São Luís não atende a demanda”. Sobre a criação da Agenda Mínima para 2009, o integrante do CAOp da Infância e Juventude, Paulo Buzar, explicou: “a idéia da agenda é facilitar o trabalho do promotor, organizando os pontos prioritários da educação a serem cumpridos”. Foram discutidos, ainda, pelos presentes: a melhoria da qualidade do ensino; a garantia do transporte escolar na zona rural; e o acompanhamento da aplicação dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica. Também foi levantada a irregularidade do gerenciamento dos recursos da educação pela Secretaria de Estado do Planejamento, o que deveria ser feito pela Secretaria de Estado da Educação. PLANO DE EDUCAÇÃOOs participantes do evento apontaram também como metas a implantação do plano estadual de educação e a realização de concurso público para professores da rede de ensino do Maranhão. Responsabilidades que devem ser cobradas do Governo do Estado. “É preciso que o estado tenha o seu plano de educação e esse é um trabalho para todos nós”, concluiu a promotora de Justiça Sandra Soares de Pontes.
Redação: Coordenação de Comunicação - MPMA

Comentários

Anônimo disse…
Onde está a promotoria no caso do concurso Público e o direito a vaga dos que foram aprovados? Será que as vagas do concurso foram preenchidas? Conheço um caso que a vaga a té hoje não foi preenchida, mas contratos foran feitos as centenas.... Eu conhelo só um caso porque conheço o primeiro e sedundo lugar que não assumiram, logo a vaga seria do próximo, o qual até agora não foi con vocado. E o ministério onde está? Se nem os educadores não são respeitados...

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …