Pular para o conteúdo principal

Novo Enem terá 4 tipos de adesão

MEC cede outra vez a universidades federais e reduz impacto de proposta

Lisandra Paraguassú

O Ministério da Educação (MEC) cedeu e abriu o leque das formas de adesão à proposta de vestibular unificado. Agora, as universidades federais poderão usar a nota do novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) praticamente do modo que quiserem, o que diminuirá a extensão da unificação e o impacto do programa.Na prática, o ?super-Enem? foi desidratado. No entanto, poderá aumentar o número de instituições participantes já este ano. São três novas formas de uso do novo Enem, todas propostas pelos reitores, além da já apresentada pelo MEC. Na ideia original, as instituições aderem ao Enem como etapa única do vestibular e, ao mesmo tempo, ao Sistema de Seleção Unificado (SSU). Com isso, o estudante faz só uma prova e, com a nota, escolhe cinco cursos em até cinco instituições diferentes para se candidatar.As novas alternativas preveem que o uso do Enem seja apenas parcial. Na primeira delas, a universidade usa a prova como uma primeira etapa do vestibular e depois faz uma segunda fase local, com uma prova realizada pela própria instituição. A segunda proposta é atualmente a mais comum nas cerca de 13 federais que usam o Enem: a nota do exame nacional é somada como pontos extras no resultado do vestibular. A terceira alternativa é a mais distante da proposta do MEC. Algumas instituições querem usar o Enem apenas para selecionar alunos para as vagas que sobram do seu vestibular tradicional. Esse é o esquema usado hoje pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - uma das instituições que devem usar o Enem como prova única. As universidades também poderão usar um tipo de seleção para alguns cursos e outro para os demais."Há duas maneiras de conseguir essa unificação. Uma delas é impositiva, por ato do Congresso Nacional. Eu não acho que esse seja o melhor caminho", disse o ministro da Educação, Fernando Haddad. "Aquelas instituições que entenderem que podem dar um passo mais ousado em virtude da sua confiabilidade, da sua maturidade, darão. As que não se sentem seguras poderão usar outra forma. Qualquer participação é melhor que nenhuma."As alternativas apresentadas pelos reitores tiram da ideia do MEC um de seus principais benefícios: a possibilidade de um estudante, com uma mesma prova, candidatar-se a cinco instituições diferentes, a cursos diferentes, em Estados diferentes sem pagar por vários vestibulares ou viajar pelo País. Mesmo no caso em que as universidades decidirem por usar o Enem como 1ª etapa, o estudante aprovado terá de viajar para fazer uma 2ª prova. As demais alternativas mantêm o vestibular tradicional, justamente o que o MEC gostaria de eliminar. No caso das que pensam em usar a prova como parte da nota, os candidatos serão obrigados a fazer duas provas complexas, extensas e de perfis diferentes para concorrer a apenas uma vaga. "Uma decisão tomada hoje pode mudar amanhã", diz o ministro. "O que queremos é adesão do maior número possível de instituições."

Fonte: O ESTADÃO-SP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…