Pular para o conteúdo principal

Novo Enem terá 4 tipos de adesão

MEC cede outra vez a universidades federais e reduz impacto de proposta

Lisandra Paraguassú

O Ministério da Educação (MEC) cedeu e abriu o leque das formas de adesão à proposta de vestibular unificado. Agora, as universidades federais poderão usar a nota do novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) praticamente do modo que quiserem, o que diminuirá a extensão da unificação e o impacto do programa.Na prática, o ?super-Enem? foi desidratado. No entanto, poderá aumentar o número de instituições participantes já este ano. São três novas formas de uso do novo Enem, todas propostas pelos reitores, além da já apresentada pelo MEC. Na ideia original, as instituições aderem ao Enem como etapa única do vestibular e, ao mesmo tempo, ao Sistema de Seleção Unificado (SSU). Com isso, o estudante faz só uma prova e, com a nota, escolhe cinco cursos em até cinco instituições diferentes para se candidatar.As novas alternativas preveem que o uso do Enem seja apenas parcial. Na primeira delas, a universidade usa a prova como uma primeira etapa do vestibular e depois faz uma segunda fase local, com uma prova realizada pela própria instituição. A segunda proposta é atualmente a mais comum nas cerca de 13 federais que usam o Enem: a nota do exame nacional é somada como pontos extras no resultado do vestibular. A terceira alternativa é a mais distante da proposta do MEC. Algumas instituições querem usar o Enem apenas para selecionar alunos para as vagas que sobram do seu vestibular tradicional. Esse é o esquema usado hoje pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - uma das instituições que devem usar o Enem como prova única. As universidades também poderão usar um tipo de seleção para alguns cursos e outro para os demais."Há duas maneiras de conseguir essa unificação. Uma delas é impositiva, por ato do Congresso Nacional. Eu não acho que esse seja o melhor caminho", disse o ministro da Educação, Fernando Haddad. "Aquelas instituições que entenderem que podem dar um passo mais ousado em virtude da sua confiabilidade, da sua maturidade, darão. As que não se sentem seguras poderão usar outra forma. Qualquer participação é melhor que nenhuma."As alternativas apresentadas pelos reitores tiram da ideia do MEC um de seus principais benefícios: a possibilidade de um estudante, com uma mesma prova, candidatar-se a cinco instituições diferentes, a cursos diferentes, em Estados diferentes sem pagar por vários vestibulares ou viajar pelo País. Mesmo no caso em que as universidades decidirem por usar o Enem como 1ª etapa, o estudante aprovado terá de viajar para fazer uma 2ª prova. As demais alternativas mantêm o vestibular tradicional, justamente o que o MEC gostaria de eliminar. No caso das que pensam em usar a prova como parte da nota, os candidatos serão obrigados a fazer duas provas complexas, extensas e de perfis diferentes para concorrer a apenas uma vaga. "Uma decisão tomada hoje pode mudar amanhã", diz o ministro. "O que queremos é adesão do maior número possível de instituições."

Fonte: O ESTADÃO-SP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …