Pular para o conteúdo principal

Governo Roseana propõe reajuste de 6,1%

Governo apresenta proposta de recomposição abaixo do reivindicado pela categoria
Por: SINPROESEMMA
Data de Publicação: 16 de setembro de 2009

Hoje, 16 de setembro, é o Dia Nacional de Luta pelo Piso Salarial Nacional. Em virtude desta luta e, para reforçar a Campanha Salarial 2009 dos educadores do Maranhão, o Sinproesemma foi às ruas, junto com educadores e educadoras, pais e mães, alunos e alunas.Ontem a entidade esteve reunida com o Governo do Estado para discutir a pauta de reivindicações da categoria protocolada no dia 11 de maio. Foi a quinta rodada de negociações entre as partes.
O Sinproesemma levou para as duas últimas reuniões a proposta de uma recomposição salarial de emergência, a ser aplicada até a elaboração do PCCS (Plano de Cargos, Carreira e Salários) e o estatuto do educador. Pouco se avançou. Inicialmente, os representantes do Governo – secretários César Pires (Educação), Luciano Moreira (Administração) e João Abreu (Casa Civil) – apresentaram proposta de recomposição de 4,1%. Ao final da reunião fizeram uma nova proposta de 6,1% que, somados à antecipação em abril de 5,9% alcança os 12,35%. Nada foi acordado, pois está abaixo do reivindicado pela categoria. Ainda assim, a proposta será apresentada às assembleias da categoria, que decidirão qual atitude a ser tomada.Para a diretoria do Sinproesemma fica o alerta. “Está nas mãos do governo atender às reivindicações dos educadores e evitar prejuízos aos alunos e alunas da rede estadual de educação devido a uma paralisação por tempo indeterminado. O que cobramos é respeito. O que queremos é valorização”, afirmou Júlio Pinheiro, presidente do Sinproesemma.

Essa nota do sinproesemma é no mínimo estranha, estive hoje no ato e não vi se quer um único aluno ou pai de aluno nessa atividade.O que de fato presenciamos foi uma diretoria extremamente autoritária, na medida em que não permitiram que os professores fizessem o uso do microfone, na Deodoro. Além disso, definiram sem nos consultar que teríamos que sair em passeata até o palácio dos Leões. A maioria dos professores se recusou a ir até lá, pois o Palácio está em reforma, então eles seguiram com o carro de som para lá com meia dúzia de professores. A maioria dos professores permaneceu na praça, mesmo sem um carro de som, fizemos uma cotização e alugamos um caixa de som e realizamos o ato ali mesmo em frente à biblioteca.
No destaque em vermelho, chamo a atenção dos nobres colegas para as questões:1) Como eles definiram essa história de reajuste emergencial? Qual o percentual desse reajuste, quem o definiu e como o definiu? Até que o PCCS fique pronto! Que prazo o governo terá para construí-lo?2) Estatuto do educador? Mais uma vez aqui eles evidenciam total desrespeito com a nossa categoria, como tomar essa decisão sem ao menos consultar os profissionais do magistério. Nós somos parte interessada neste processo, portanto, não é correto que fiquemos a margem dele.


Companheiros, nós temos que garantir o reajuste de 19,21% e as nossas progressões e titulações já!Sem isso nós deveremos nos rebelar!

Prof. Antonísio Furtado, militante do MRP e do GT de educação da CONLUTAS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …