Pular para o conteúdo principal

Profissionais da Educação Ratificam decisão da Assembleia do Sinproesemma e decidem paralisar atividades.


Em assembleia geral regional do Sinproesemma, no Liceu, 17/10, a base rejeitou o acordo proposto pelo governo, decidindo lutar pelo reajuste de 19,21% retroativo a janeiro, construção do PCCR antes de 31 de dezembro e demais itens da pauta de reivindicação. E deflagram GREVE da categoria.




Dia 26/10 às 16h, no CEGEL, novamente reunidos em assembleia da base do Sinproesemma, CENTENAS DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO se reuniram para avaliação do movimento paredista em São Luís, que começou com o a operação tartaruga (adesão de 76% das escolas) e dois grandes atos de protesto pelas ruas de São Luís. A assembleia também teve como objetivo definir o próximo passo do movimento paredista da categoria.


Estiveram presentes neste encontro, três advogados, com os quais a categoria pode tirar algumas dúvidas sobre a legalidade das ações tanto da categoria quanto da direção do Sinproesemma e para demais esclarecimentos jurídicos.





Ao final, a maioria absoluta, decidiu por paralisar totalmente as atividades docentes e partir para a pressão total sobre o Governo do Estado e Direção do sindicato em duas frentes: a judicial e a social, pois esta última pressiona as outras frentes de batalha (como frisou o advogado Diogo).




Deliberou-se também, pela construção de um grande ato em prol da defesa dos nossos direitos

NESTA QUARTA FEIRA
DIA 28/10
 às 8:00h
 em frente a Biblioteca Pública
 Praça Deodoro.

Comentários

Anônimo disse…
Queremos
saber
de
lado
este
sindicato
está!
Se
vão
mostrar-se
ou
não!
Anônimo disse…
Queremos
saber
de
que
lado
este
sindicato
está!
Se
vão
mostrar-se
ou
não!
Anônimo disse…
O governo está acessivel. Compare como governo anterior.
Anônimo disse…
Como São Luís pode fazer uma greve sem respeitar a decisão da maioria. Isso tá errado!
Anônimo disse…
Senhores professores. Não se faz greve sem uma unidade. Não se faz greve por questões politicas. A greve está acima dessas diferenças.Concordo com vcs em reivindicar direitos escritos na lei. Mas lembre-se sem unidade não existe força para mobilizar a categoria de vcs. sorte nessa luta
Anônimo disse…
GREVE GREVE GREVE GREVE GREVE GREVE

FORA O SINDICATO DESSA LUTA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Anônimo disse…
Amigos e amigas!
O sindicato colocou em seu site que desautoriza e não se responsabiliza pelas manisfestaçoes da maioria dos educadores!
Quero saber mesmo se essa entidade vai defender a vontade da minoria então!!!???

Que merda de contradição é essa!
Alguem tá confuso nessa historia, e não sou eu!!

QUIMICA!
Anônimo disse…
A VERDADE CONSTRÓI A UNIDADE.

Todos queremos que as leis sejam cumpridas.

A lei do Piso é clara em seu art. 5: reajuste, em janeiro, no mesmo valor aluno ano.

DIREITOS NÃO SE NEGOCIAM!
Anônimo disse…
Lutamos para que nossos direitos sejam respeitados.

Queremos o que temos direito 19,21% retroativo à janeiro.
Anônimo disse…
Sindicato que se preze deve estar sempre ao lado da categoria de base. Chegou a hora de destronarmos esses traidores.
Todos juntos para essa nova missão!
Anônimo disse…
Não foi bom para todos, quando somente São Luís começou a luta contra o subsídio?

Foi melhor quando todos perceberam que lutávamos por direitos. Agora não é diferente.
e a luta começou sem direção de sindicato.

O Acordo descumpre lei, lei essa que me garante reajuste anual em janeiro.

~Temos que receber o que é direito e não o que acha que tem que pagar.

à luta companheiros.

Cintia Sousa- Estiva

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…