Pular para o conteúdo principal

QUANTO CUSTA A BOA EDUCAÇÃO?

Por Cesar Callegari e Mozart Neves Ramos]



Os sucessivos relatórios dos indicadores educacionais da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos) revelam que o Brasil investe na educação básica metade do que investem os países vizinhos – Chile, México e Argentina e seis vezes menos que a média dos países da própria OCDE. Considerando que o Brasil tem hoje cerca de 50 milhões de alunos matriculados nesse nível de educação, se quiser chegar ao patamar de investimento realizado pelos nossos vizinhos, isto é, algo em torno de R$ 4.000 por aluno/ano, o país precisaria destinar cerca de R$ 200 bilhões por ano para a educação básica. Os últimos dados oficiais do investimento público direto em manutenção e desenvolvimento do ensino divulgados pelo Ministério da Educação, relativos ao ano de 2007, mostram que o país aplica no setor cerca de R$ 100 bilhões de reais por ano, somatório das destinações realizadas pelo conjunto dos Estados, Distrito Federal, Municípios e Governo Federal. Assim, para se aproximar dos países vizinhos, o Brasil deveria dobrar os seus investimentos em Educação Básica, ou seja, adicionar mais R$ 100 bilhões, atingindo o equivalente a 7,5% do PIB. Para os que podem considerar que isso é muito, vale lembrar a advertência feita por Derek Bok, Reitor da Universidade de Harvard: “Se você acha a educação cara, experimente a ignorância”.



Um dos reflexos do baixo investimento na educação são as vergonhosas posições ocupadas pelo Brasil nas avaliações internacionais em leitura, matemática e ciências, como no caso do PISA – Programa Internacional de Avaliação de Desempenho. Esse fraco resultado também se revela nas avaliações nacionais, como na Prova Brasil e no SAEB, tendo como referência a meta de aprendizagem do Todos Pela Educação. Por exemplo, dados de 2007 mostram que somente 23% dos alunos que concluem a 4ª Série do Ensino Fundamental I alcançaram o nível adequado de aprendizagem em Matemática. Sobre isso, em recente artigo de opinião, o Professor José Pastore tem chamado a atenção para a baixa qualidade da educação brasileira como o principal entrave para que o país ocupe uma posição de destaque no ranking mundial da competitividade global.



O enfrentamento da questão educacional brasileira passa por uma mudança na concepção vigente do financiamento do ensino público: investe-se pouco e esse pouco algumas vezes é mal administrado. Essa mudança pode ser iniciada a partir da operacionalização do conceito de custo aluno qualidade inicial (CAQi). Trata-se de uma importante contribuição advinda da Campanha Nacional pelo Direito a Educação e que, no momento, se encontra em discussão no Conselho Nacional de Educação e nos debates que antecedem a Conferência Nacional de Educação. O CAQi pretende estabelecer padrões mínimos para uma educação de qualidade, procurando relacionar os fatores fundamentais dos quais ela depende e quanto custa fazê-la bem feita.



O CAQi, na sua concepção, estabelece valores nacionais de referência para o salário dos professores, número adequado de alunos por classe de acordo com cada etapa da educação básica, custo do m2 de construção de escolas e creches, bem como a quantidade e o custo dos demais insumos básicos para a garantia inicial de uma educação de qualidade. Com isso, espera-se uma educação mais equânime para todos, primeiro passo para um país mais justo, democrático e desenvolvido. Sem professores valorizados será difícil vencer este desafio. Os países que estão no topo da educação mundial, como Finlândia e Coréia do Sul, só conseguiram esse avanço porque oferecem salários iniciais expressivos e uma carreira atraente para os seus educadores, atraindo, dessa forma, os alunos mais bem preparados do ensino médio. Não há mais tempo a perder. Amargamos anos de atrasos educacionais e não podemos mais submeter as futuras gerações de brasileiros a esta situação. Por isso mesmo, a idéia do CAQi alinhada a um importante instrumento de gestão, como o Plano de Ações Articuladas (PAR) implantado há dois anos pelo Ministério da Educação, pode representar o início da realização do sonho de fazer um Brasil mais justo e desenvolvido mediante a oferta de uma educação de boa qualidade para todos.

Comentários

Sou Educador e sei que a Educação do Ensino Médio nas Escolas Públicas do Estado do Maranhão tem péssima qualidade em se tratando de ambiente físico, estrutura administrativa e valorização profissional de salário dos professores, reflete nos humildes alunos de Escola Pública do Estado do Maranhão. Alem de Educador sou Pastor Presidente da Igreja Pentecostal Celestial Exército de Deus (www.ipced.com.br) e não posso executar projetos que vem do Trono de Deus em Temas Transversais que se encontra no site ( www.ipced.com.br), não estou de Greve e sim de Guerra contra todo tipo de mazelas que vem do reino de satanás que se alastra na Adminstração Pública principalmente na área de Educação.Único Objetivo é dizer a Todos os professores que tem responsabiliade pela Educação de Quaidade no Estado do Maranhão, uma Estratégica de Nosso Comandante o Senhor dos Exércitos Jesus Cristo é a Oração que vem do Trono de Deus a Resposta de Vitória. Quero que entenda somos invenciveis ... Paz: Segurança de Deus. Projeto valorização Humana em Ação ! Educação de Qualidade em Todo Estado do Maranhão: Salário Justo conforme as leis de Nosso País. As Conquista é avanço de desenvolvimento dos professores do Estado do Maranhao. Não Tenho vinculo a nenhum partido térreo, mas executo o Partido Registrado no Coração de Deus: PCN - Partido Cristão Nacional, o Presidente não Secular ... O nosso Comandante o Senhor dos Exércitos Jesus Cristo, e Secular Pastor Presidente Professor Jose Santos. Em fim; a todos os guerreiros da Educação sucesso em avançar e não recuar as conquistas não podem ser perdidas. Maranhão em desenvolvimento: Educação de Qualidade.
PCN em Açao !
Professor José Santos
Pastor Presidente
Ministro do Evangelho do Senhor dos Exércitos Jesus Cristo João 3. 16

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …