Pular para o conteúdo principal

Sinproesemma cobra agilidade em negociação de Estatuto do Educador

Data de Publicação: 26 de dezembro de 2009



O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (SINPROESEMMA) distribuiu nota oficial criticando a forma como o Governo do Estado tem participado das negociações do Estatuto do Educador do Maranhão, cobrando a superação de impasses em alguns pontos do documento e dando o prazo de até 8 de fevereiro para envio do Projeto de Lei à Assembleia Legislativa.



Eis a íntegra do documento:


SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO PÚBLICA DO MARANHÃO – SINPROESEMMA


NOTA OFICIAL


Diante da aproximação do prazo final para aprovação do Estatuto do Educador do Maranhão e considerando o atual estágio de negociação com o governo do Estado, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (SINPROESEMMA) vem a público:




1. Lembrar que a proposta de Estatuto do Educador, elaborada pela categoria em dois anos de debates organizados pelo SINPROESEMMA, foi entregue em agosto deste ano após esgotadas as negociações dos 16 itens reivindicados na Campanha Salarial 2009, que sofreu interrupções devido a instabilidade institucional no Poder Executivo estadual;



2. Reafirmar que, ainda que considerasse, desde o início, o Estatuto do Educador e o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração como questões centrais da Campanha Salarial deste ano, só era possível instalar a mesa de negociação sobre elas após reajuste salarial emergencial, que demandou acordo e aprovação pela categoria;


3. Esclarecer que o SINPROESEMMA, no atual processo de negociação do Estatuto do Educador, tem como premissas a inclusão dos funcionários de escolas, a redução de disparidades internas à carreira, a unificação da GAM (Gratificação por Atividade de Magistério) e o Piso Salarial Nacional Profissional como vencimento-base;




4. Informar que o Governo do Estado na comissão de elaboração do Estatuto do Educador não priorizou o segmento da educação e assumiu a feitura de todos os Planos do funcionalismo público, que não tem prazo específico para sanção;


5. Anunciar que não se esgotaram os debates em torno de todos os pontos do projeto básico de Estatuto a ser apresentado à Assembleia Legislativa, sendo que nas primeiras abordagens foram constatados vários conflitos de interesses, como a tentativa do governo em pôr fim à promoção funcional, com a restrição dos direitos dos funcionários de escola;


6. Criticar a falta de oportunização do debate direto entre SINPROESEMMA e secretários de Estado para a definição das questões essenciais do Estatuto do Educador e que são motivos de controvérsias;




7. Informar que o SINPROESEMMA, por meio do Fórum Permanente de São Luís, decidiu dar o prazo de até 8 de fevereiro para que a proposta de Estatuto do Educador esteja na Assembleia Legislativa, sem o que o sindicato mobilizará a categoria para que seja assegurado um Estatuto que promova a valorização do educador, preserve direitos e amplie benefícios;







8. Cobrar do governo do Estado intervenção, por meio dos secretários de Educação, Administração e Planejamento, nos debates ora em curso para a superação das divergências e construção de um consenso em benefício da educação pública de qualidade e de seus trabalhadores e trabalhadoras;




9. Reafirmar que o Sindicato está aberto ao diálogo em defesa dos interesses da categoria e do ensino público de qualidade.




São Luís, 22 de dezembro de 2009






Júlio Pinheiro



Presidente

Comentários

Profissionais do magistério da rede estadual, precisamos discutir os pormenores da alteração que a diretoria do sindicato em parceria com o Governo do estado pretede realizar, no que diz respeito a extinção da GAM.
Euges Lima disse…
UNIFICAÇÃO E NÃO EXTINÇÃO

Em nenhum momento a nota se refere a extinção da GAM, mas sim a UNIFICAÇÃO DA GAM, coisa completamente diferente. Atualmente, temos dois percentuais de GAM, 100% e 130%, a proposta é unificar tudo para 130%, é isso.

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…