Pular para o conteúdo principal

A GREVE DEVE CONTINUAR.

NÃO DEIXE DE ACREDITAR NA LUTA PARA ACREDITAR NAS MENTIRAS DOS INIMIGOS DOS EDUCADORES E DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL!

Companheiros, atravessamos um momento difícil, diante das incertezas que povoam nossas mentes, em relação à manutenção da nossa greve. Entretanto, apesar da questão do reajuste estar quase sacramentada, com a imposição do governo intransigente de João Castelo, ressaltamos que refletir é preciso! Nossa pauta de reivindicações é composta de 15 itens e destes, apenas dois foram atendidos, parcialmente. Não garantimos, ainda, uma resposta em relação aos outros 13 itens da pauta. O governo, diante da pressão exercida pela greve, garantiu somente a implantação das progressões de 2008, sem pagar o retroativo e impôs o reajuste de 8%, que significa um acréscimo na hora de trabalho do professor com: formação em nível médio de R$ 0,78 e formação superior de R $ 1,29. Atenção! A questão financeira não está limitada só ao reajuste, também é financeiro:

A concessão das progressões acumuladas antes e após o ano de 2008;

A regularização do pagamento dos professores com ampliação de jornada;

O auxílio transporte em dinheiro, facultado o uso do cartão transporte a quem desejar;

O auxílio difícil acesso a quem tem direito; O auxílio alimentação para os professores com dupla jornada na rede;

Além desses pontos, pleiteamos ainda:

Eleição direta para diretor, a ser regulamentada em lei específica; Regularização do número de alunos por sala; Retorno da redução de carga horária; fim dos anexos; Reforma e ampliação de algumas unidades escolares; Garantia dos livros aos alunos e demais materiais didáticos imprescindíveis a ação pedagógica diária; Resolução da situação dos professores contratados remanescentes do concurso de 2002; Dentre outros.

Diante do exposto, perguntamos: Abandonar a luta agora nos garante mesmo o que? O abono das faltas não está garantido, na medida em que o governo não fechou acordo nenhum com a nossa categoria. Eles podem, com o nosso retorno, esta semana às escolas efetivar os descontos dos dias parados, haja vista que, nosso pagamento só acontecerá no final de junho. Mesmo com toda a pressão exercida pela nossa greve a mais de um mês, eles negligenciaram quase tudo o que desejamos, até então. Será que após a suspensão do nosso movimento paredista, algum dia o governo responderá às nossas necessidades? Há que se duvidar. Como podemos agora recuar? Recuar agora é um equívoco, que nos custará muito caro. Além de perdas financeiras imediatas, nosso maior prejuízo será coletivo, na medida em que demonstraremos não ter consciência de classe ao agir de forma individual, tomando decisões precipitadas, que certamente, favorecerão não a nossa categoria, mais sim os inimigos dos educadores e da educação municipal, que desejam tão somente pôr fim a nossa luta, sem atender 90% da pauta de reivindicações pleiteada.

A inteira responsabilidade pela continuidade da nossa greve é do Sr Prefeito e não nossa. Ele precisa negociar um acordo com a nossa representação sindical, que em seguida apresentará a proposta governista para nossa categoria em uma assembleia e nela decidiremos o que fazer diante de tal proposta. Só assim poderemos sair de cabeça erguida desse embate, caso contrário, seremos humilhados, desmoralizados e esse não é o desejo de nenhum educador.

COMANDO DE GREVE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …