Pular para o conteúdo principal

NÃO DEIXEMOS A FARSA DA DIRETORIA PREJUDICAR TODA A NOSSA CATEGORIA!

Há mais de 76 dias, nós, trabalhadores da educação pública municipal, buscamos garantir direitos através da luta. Durante todo esse período acumulamos muitas angústias e insatisfações, diante da indiferença do Prefeito João Castelo, da insensibilidade dos 18 vereadores que aprovaram e ajudaram o executivo a impor o reajuste de 8% e do despreparo da Senhora Secretária Sueli Tonial, que demonstra não entender nada da política de financiamento da educação pública, entretanto, responde pela pasta da educação em São Luis.


Na assembleia da FETIEMA (24/06) a diretoria do sindicato defendeu, diante de mais de mil educadores, a suspensão da greve. A maioria absoluta dos educadores presentes decidiu continuar a greve, desconsiderando a defesa da diretoria, mesmo no período de férias. Nesta assembleia a diretoria se comprometeu a dar suporte ao movimento grevista. Na primeira quinzena de julho, com dificuldades, conseguimos resistir e realizar manifestações públicas, sendo a “caça ao José Serra”, no aeroporto, a de maior peso político. Nesse momento, percebemos que a decisão tomada na última assembleia foi correta, pois, dentre outras coisas, ela fez a promotoria da educação se manifestar, através de uma ação civil pública, resultando em multa para a prefeitura e, tudo isso, obrigou o governo a voltar a negociar conosco. Reabertas as negociações, na sequência, não conseguimos mais realizar nenhum ato de rua, em função da indiferença e da má vontade dos diretores do sindicato, que, além de não participarem dos atos públicos, desmobilizavam a categoria e não davam as condições necessárias para a construção dos atos.


Inicialmente, nas reuniões, os companheiros Dolores, Antonísio e Leonel, da base, tinham garantido assento nas mesas de negociação. Na véspera da realização da 3ª reunião, a diretoria comunicou que os representantes da base não mais participariam das reuniões, em função da exigência do executivo municipal. A diretoria do sindicato silenciou diante da exigência da prefeitura e aceitou passivamente a exclusão dos companheiros, passando, a partir de então, a frequentar reuniões clandestinas e, foi assim que, em conjunto com os representantes do governo, construíram a proposta de acordo para pôr fim à greve


Dia 31 de julho (sábado) participamos da assembleia no sindicato, onde analisamos a proposta do acordo. Na entrada, todos os presentes, inclusive funcionários do sindicato e parentes dos membros da diretoria, que não são professores, portanto, não são sindicalizados, receberam dois cartões, um na cor verde (fim da greve) e outro na cor AMARELA (continuar a greve), para votarem. Feitas as considerações a favor e contra a proposta, a mesa encaminhou a votação de forma errada, ainda assim, apesar da super lotação do minúsculo auditório do sindicato, que comportava, no dia, por volta de 350 professores, deu para percebermos que a maioria dos cartões eram AMARELOS, apesar de um considerável número de cartões verdes. Prontamente, solicitamos a conferência dos cartões, para dirimir qualquer dúvida, nesse instante, a PRESIDENTE DO SINDICATO E TODA A DIRETORIA, percebendo que tinham sido DERROTADOS, retiraram-se do auditório, deram ordem para os funcionários confiscarem tudo ( Os microfones, a água, as cadeiras, também desligaram as luzes e os ventiladores)e se trancaram numa sala. Cerca de 200 professores, que ficaram estarrecidos com o que acabavam de presenciar, fizeram a conferência dos cartões e obtiveram o seguinte resultado: 184 AMARELOS e 09 VERDES. Portanto, professores, a assembleia não foi finalizada, isso significa que não é verdade o que a DIRETORIA DIVULGOU. O que os diretores PRODUZIRAM TEM NOME, É FARSA, que foi feita PARA AGRADAR O PATRÃO e as conseqüências para nossa categoria, são: a perda de direitos, a desvalorização e a desmoralização dos 6 mil educadores municipais, perante nossos alunos e a sociedade ludovicense. Não deixemos essa FARSA PREVALECER! Uma mentira dita 100 vezes acaba se tornando verdade.


Companheiros, não esqueçam. Passamos todo esse tempo afirmando que não aceitamos 8% e essa rejeição se dá em função de sabermos que os recursos do FUNDEB permitem um reajuste maior. O acordo fechado pela diretoria não contempla, por exemplo, o número de parcelas em que deve ser feito o pagamento do retroativo das progressões horizontais e verticais. O que está em jogo é a disputa por 25 Milhões, que o Prefeito quer por quer gastar de qualquer forma, menos na valorização daqueles e daquelas que diariamente têm o compromisso de educar os filhos e filhas da classe trabalhadora da nossa cidade. Por tudo isso, deveremos resistir um pouco mais, vamos terminar a greve sim, mas não agora e nem da forma humilhante como decidiu a DIRETORIA TRAIDORA do SINDEDUCAÇÃO, que ao abandonar a luta e mandar os professores para as escolas, faz o que nem o prefeito conseguiu fazer.


                                                                       OPOSIÇÃO/SINDEDUCAÇÃO-CONLUTAS E MOPE

Atenção! COMPAREÇA AO NOSSO ATO PÚBLICO EM REPÚDIO À TRAIÇÃO DA DIRETORIA DO SINDEDUCAÇÃO.  QUE ACONTECERÁ 5ª FEIRA ( 05/08), NA DEODORO, COM CONCENTRAÇÃO ÀS 8H.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …