Pular para o conteúdo principal

A diretoria do SINPROESEMMA (PCdoB/PT/CTB) serve mesmo a quem?

A educação estadual vive um processo de desmonte nunca visto nesse Estado.

  • Professores sem reajuste salarial desde 2010;
  • o segundo semestre de 2011 se aproxima e até agora nada da garantia dos nossos direitos;
  • não implantaram o PISO salarial da nossa categoria;
  • a discussão em torno do novo estatuto se arrasta desde 2009 e até agora desconhecemos que proposta será enviada para a aprovação na Assembleia Legislativa;
  • milhares de professores aguardam pacientemente a concessão das PROGRESSÕES E PROMOÇÕES há mais de 4 anos;
  • centenas de professores concursados aguardam a nomeação há mais de um ano;
  • a indústria dos contratos temporários se alastra como um câncer em toda a rede estadual de ensino e nela mais de 9 mil professores são sub-remunerados, recebendo pouco mais de R $ 600,00.

O Governo de plantão desconhece no aspecto remuneratório, o PISO de R$ 1.187,85 defendido pelo MEC como o vencimento básico de um professor com formação em nível médio, detentor de uma jornada, de no máximo 40 h semanais.
Vale lembrar que o governo Roseana, antes da greve de 78 dias ser deflagrada, já tinha definido um calendário escolar com a inclusão de 30 sábados e a diretoria do SINPROESEMMA, mesmo sabendo que essa decisão é ilegal, nada fez para resguardar o direito do professor.
Agora, como se tudo isso não bastasse, a diretoria do SINPROESEMMA resolveu negociar com o governo 15 dias das nossas férias a revelia da nossa categoria. Essa questão deve ser discutida com os educadores, nesse sentido nós do MRP defendemos a realização urgente de uma assembleia geral da categoria. Por que não realizá-la? Se não convocarem a assembleia estará escancarada a reedição da velha aliança do mal SINDICATO – GOVERNO que tanto prejuízo causou aos professores nos dois primeiros mandatos de Roseana Sarney.
Isso é um absurdo! Não devemos aceitar que essa meia dúzia de diretores do sindicato, que não tem compromisso algum com a nossa categoria e não pisa no chão da escola há muito tempo, decida questões tão importantes como essas.
Ressaltamos ainda que as ações nefastas do governo Roseana (PMDB/PT) não vitimam só os profissionais da educação, mas também os alunos que anualmente são desrespeitados em seus direitos. Por exemplo, agora, mesmo após uma greve de 78 dias, a SEDUC insiste em encerrar o ano letivo em 23 de dezembro, não garantindo assim o mínimo de 200 dias letivos determinados pela LDB. Para isto os gestores escolares seguindo orientações da SEDUC, estão usando de expedientes ilegais, como por exemplo a instituição do 7º horário com a redução de 10 min. no horário legal que é de 50 minutos e contabilizando sábados como dia letivo, trabalhando apenas com os alunos do 3º ano. Já protocolamos várias denúncias no Ministério Público Estadual, entretanto, até o presente momento o responsável pela promotoria da educação nada fez no sentido de coibir essas práticas lesivas aos direitos do nosso alunado.
De acordo com o exposto, fica explícito todo o apreço que o Governo Roseana (PMDB/PT) tem pelos educadores e consequentemente pela qualidade da educação pública que é ofertada ao nosso povo nas mais de 1400 escolas que compõem a rede estadual de ensino.
Diante de tudo isso fica a pergunta: Será essa A REVOLUÇÃO EDUCACIONAL prometida exaustivamente pela governadora na campanha eleitoral em 2010?
Nós do MRP conclamamos a cada professor/a para dizer não a esse abuso da aliança do mal SINDICATO - GOVERNO que não merece um vintém de crédito da nossa categoria. Garantiremos sim os 200 dias letivos, pois é direito do nosso alunado, entretanto, para isso acontecer não devemos abrir mão dos nossos direitos. Por que tanta resistência do governo em estender o calendário até janeiro ou fevereiro de 2012?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …