Pular para o conteúdo principal

Belíssima idéia! Que tal copiarmos?

Deputado diz que ato de professores é covarde


A afixação de cartazes nas escolas, citando os deputados que votaram a favor do reajuste salarial, foi criticada na tribuna

O deputado Ronaldo Martins (PRB) solicitou, ontem, durante pronunciamento na Assembleia Legislativa, que a Mesa Diretora da Casa tome uma iniciativa em relação a afixação de cartazes nas Escolas do Estado com fotos de 34 deputados "que teriam votado contra o aumento dos vencimentos dos professores".

O Cartaz traz a seguinte frase: "Deputados que votaram a favor de Cid Gomes e contra os professores". Trata-se da votação que aprovou a mensagem do Governo criando nova tabela vencimental para os profissionais de nível médio do grupo ocupacional magistério da Educação básica. A votação foi marcada por tumulto e pancadaria.

Para Ronaldo Martins, é uma atitude "covarde", pois o material não é assinado por ninguém. O parlamentar disse que teve acesso ao cartaz no endereço eletrônico do Sindicato dos professores do Estado do Ceará (Apeoc). Segundo o deputado, além dos cartazes, os próprios professores estão abordando o conteúdo desses informativos junto aos alunos.

"Eu digo sem medo de errar. Essa Casa tem sido a única fonte de mediação de muitas lutas dos servidores. É aqui que encontram apoio. É aqui que tem a sua voz garantida. É aqui que podem e devem se manifestar", defendeu.

Suspeito

Ronaldo Martins disse não conseguir compreender a lógica "irresponsável" com que vem sendo tratada a movimentação dos professores neste ano, pois culminou em agressões por excesso tanto dos professores quanto da segurança da Assembleia.

"Eu considero justa a reivindicação dos professores. Mas o que o sindicato está fazendo com o nome desta Casa é, no mínimo, suspeito", considerou.

O deputado disse que votou favorável a mensagem enviada pelo Governo por equipar ao piso nacional o salário dos profissionais da Educação de nível médio. Ronaldo Martins reconhece que ainda não é o ideal de remuneração para os professores, mas significou aumento real para um grupo do magistério, "historicamente injustiçados em seus vencimentos".
"Então, por favor, me respondam os senhores e senhoras, que votação contra os professores foi esta que está colocada no cartaz?", questionou, deixando claro que causa revolta a maneira como os deputados estão sendo abordados na rua, "por uma mentira mal contada pela Apeoc ou por quem quer que tenha feito estes cartazes".

O pronunciamento do deputado recebeu o apoio de vários colegas. Sérgio Aguiar (PSB) disse que os parlamentares que votaram a favor da matéria estão sendo julgados como se tivessem feito algo que prejudicou o professor, quando, segundo ele, os parlamentares dotaram os profissionais de nível médio de melhor salário.

Constrangimento

O deputado Fernando Hugo (PSDB) garantiu que, na Assembleia, não há nenhum deputado que vote contra servidor: "Nunca usei a massa professoral como massa política". Já Inês Arruda (PMDB) atesta que os cartazes colocam os parlamentares em situação de constrangimento. "Como se tivéssemos votado contra os servidores, o que não é verdade", alegou.

O líder do governo na Assembleia, deputado Antonio Carlos (PT), acredita que a História é que vai fazer o julgamento do processo de valorização do magistério. "Vamos aguardar. O tempo é que vai fazer justiça", ponderou.

Fonte: Diário do Nordeste (CE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …