Pular para o conteúdo principal

Ex-superintendente da Semed é acusada de desvio de verbas

Foram desviados quase 40 mil reais de recursos federais destinados à educação. Com informações do MPF-MA 12/08/2013 22h46 SÃO LUÍS - A ex-superintendente da Secretaria Municipal de Educação de São Luís (Semed), Elizabete de Jesus Brito Maia, e a gestora do Conselho Escolar Jornalista Ribamar Bogéa, Ana Maria Ribamar Gomes Sá, foram alvos de Ação do Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA) por desvio de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Os recursos eram destinados à contratação de transporte, prestação de serviços e compra de materiais de consumo para o conselho escolar. Segundo o MPF, em 2010, o Conselho Escolar Jornalista Ribamar Bogéa recebeu R$ 77,640 pra serem investidos em transporte, material e serviços para o conselho. No entanto, na época, a ex-superintendente da Semed, Elizabete de Jesus Brito Maia, solicitou à Ana Maria Ribamar Gomes Sá a entrega de seis cheques em branco referentes à conta em que eram movimentados os recursos recebidos, sob a alegação de que seriam usados para custear um evento do governo municipal e que seriam devolvidos em três dias. Ana Maria Ribamar Gomes Sá entregou os seis cheques, que foram sacados, totalizando o valor de R$ 38.768,21. O relatório produzido pela Comissão de Sindicância da Semed, após realização de auditoria, concluiu a responsabilidade da ex-superintendente e da gestora do conselho escolar pela ausência de documentação comprobatória referente à aplicação do R$ 38, 768,21. Para o procurador da República responsável pela ação, Juraci Guimarães Júnior, é indispensável fiscalizar a correta aplicação dos recursos. “Em razão da carência do ensino público, as verbas da educação devem ser devidamente aplicadas em seu fim, cabendo ao Ministério Público e também a toda a sociedade brasileira a rigorosa fiscalização dos gestores públicos que desviam os recursos públicos da educação," afirmou o procurador. Para o MPF, fica evidenciada a lesão ao patrimônio público e aos alunos do conselho escolar. Na ação, requer a condenação de Elizabete de Jesus Brito e Ana Maria Ribamar Gomes Sá por ato de improbidade administrativa, com aplicação das sanções de perda do cargo público, inelegibilidade, ressarcimento ao erário e multa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…

Bomba! Diretoria do SINPROESEMMA agora diz que o governo pode pagar o reajuste do piso

Em nota a diretoria do SINPROESEMMA diz que o governo tem como pagar o reajuste do PISO, confira no link abaixo

http://sinproesemma.org.br/2016/07/sem-reajuste-salarial-valorizacao-e-parcial/
Considerações do MRP:

Alguém precisa informar à presidente do SINPROESEMMA que a LOA/2016 foi definida, votada e aprovada em 2015. Ela não deve cobrar a inclusão do reajuste dos educadores na Lei Orçamentária em pleno mês  de julho/2016.Por que somente no final de julho a diretoria do SINDICATO fala da existência de um estudo financeiro do DIEESE? Nele está explicito que o governo não fala a verdade quando afirma não ter condições financeiras para pagar o reajuste do PISO.  Detalhe: Essa situação é do primeiro quadrimestre do ano. Diante disso perguntamos: Por que isso não foi feito e externado à categoria no primeiro semestre? A maior parte dos itens que a diretoria do sindicato diz ser conquistas dos educadores, ainda não foi efetivado. A exemplo citamos o caso das AMPLIAÇÕES e o das GRATIFICAÇÕE…

Números do FUNDEB desmentem o governo do Maranhão

Companheir@s, abaixo apresentamos uma análise financeira do FUNDEB (REDE ESTADUAL/MARANHÃO) no período de 2015-2016

RECEITAS DO FUNDEB – REDE ESTADUAL/ ANO 2015
RECEITAS
1.TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS DO FUNDEB:     R$ 593.118.520,102.COMPLEMENTAÇÃO DA UNIÃO AO FUNDEB:         R$ 663.515.321,993.APLICAÇÃO FINANCEIRA:                                            R$      6.292.514,71    4.TOTAL:                                                                               R$ 1.262.926.356,80

DESPESAS
1PAGAMENTO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO:   R$  1.262.926.356,802OUTRAS DESPESAS                                                                    R$   0,003    TOTAL:                                                                                R$ 1.262.926.356,80
Fonte: FNDE/MEC

FUNDEB – REDE ESTADUAL/ ANO 2016
CONTROLE MENSAL DO REPASSE DE RECURSOS

NºMêsValor Creditado R $1JANEIRO183.369.109,30