Pular para o conteúdo principal

Professor, BOMBA A VISTA!

CAMPANHA SALARIAL e PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DE 2015
 
Data Base: Antecipação da data base para 01 de fevereiro.

Proposta de Reajuste Real: LEI DO PISO: 22,97%

(Obs: leia abaixo da pauta nossas CONSIDERAÇÕES)

1. Elaboração de um plano de recomposição dos vencimentos do magistério, tendo em vista o déficit em relação aos reajustes concedidos ao piso nacional nos últimos cinco anos – levando em consideração os reajustes do custo aluno ano, nos termos da Lei 11.738-2008,
2. Implantação dos Direitos estuários referentes às solicitações de 2014, nos termos da Lei 4931-2008, bem como a garantia de prazo para pagamentos;
3. Jornadas Docentes: mínimo de 33% das Jornadas de Trabalho em atividades sem interação com alunos, mantendo a possibilidade de cumprimento de parte das horas em local de livre escolha.
4. Reestruturação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos e do Estatuto do Magistério;
5. Revisão dos critérios de avaliação e crescimento nas carreiras – promoção/evolução funcional, de forma a possibilitar a efetiva progressão funcional – Reestruturação do decreto que trata da avaliação de desempenho, nos termos do art. 19 do PCCV do Magistério;
6. Garantia de realização urgente de concursos públicos para preenchimento dos cargos vagos de professores e coordenadores;
7. Implantação de uma política de mudança de lotação;
8. Garantia de curso de formação para todos os professores;
9. Adoção e/ou ampliação de Políticas de Valorização Profissional, assegurando a oportunidade do servidor frequentar:
a) Graduação de Nível Universitário, presencial e/ou à distância;
b) Pós Graduação presencial e/ou à distância;
c) Formação continuada;
d) Cursos e eventos correlatos.
10. Vale Alimentação: Proposta do valor (sugestão: mínimo de R$ 350,00)
11. Resposta em relação à proposta de acordo nos autos do processo coletivo das férias de 2005;
12. Atendimento pleno das propostas reiteradas na Mesa de Negociação firmado e divulgado entre MPE, SINDEDUCAÇÃO e Prefeitura, no dia 05/09/2014, que possibilitou o encerramento do movimento grevista dos educadores municipais.
13. Recursos da Educação – Ampliar o percentual das receitas municipais destinadas à manutenção e desenvolvimento do ensino. Assegurar que essas verbas e as provenientes do FUNDEB e demais repasses não sejam aplicadas em assistencialismo e/ou atividades estranhas à Educação.
14. Implantação da Carteira de Identidade Funcional para os profissionais do magistério, assegurando sua acolhida como documento de identidade junto a outras esferas do poder público e privado.
15. Garantia do livre exercício da atividade sindical nos locais de trabalho;
16. Inclusão - Aparelhamento completo, em termos de recursos humanos, devidamente habilitados, condições físicas adequadas dos prédios e equipamentos, mobiliários e materiais que garantam a efetiva inclusão dos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e “altas habilidades” - superdotados.
17. Implantação na Área Escolar de Segurança, considerando os riscos de violência e agressões a que os servidores estão sujeitos – Sistema de parceria entre os Conselhos Tutelares, Polícia Militar, Poder Judiciário - Juizado do Menor Infrator, Ministério Público da Infância e Adolescência e demais órgãos competentes;
18. Garantia de oferta de capacitação constante para os Educadores, priorizando como palestrantes/regentes os Profissionais do próprio Ensino Municipal que tenham experiência e interesse em desenvolver esse trabalho. Incentivo à participação em cursos e demais eventos de capacitação oferecidos pelo SINDEDUCAÇÃO.
19. Alunos das UEBs – Aspectos Disciplinares – Aplicação dos Regimentos Internos de cada UEB, com apresentação de relatório bimestral por cada gestor;
20. Educação de Jovens e Adultos (EJA):
- Assegurar a oferta de vagas que garanta a acomodação plena da demanda da EJA, nas UEBs, garantindo:
- Respeito à opção do aluno por Unidade próxima à sua residência ou ao seu local de trabalho;
- Interlocução permanente entre a Equipe Escolar e a comunidade usuária, visando atenuar as ocorrências de evasão e retenção;
- Formação continuada dos docentes e demais Profissionais envolvidos, face à especificidade da EJA.
21. Redução do número de alunos por classe/turma/agrupamento e fim da prática de composição de salas mistas na Educação Infantil, de forma a garantir o melhor desenvolvimento das propostas educacionais, bem como o melhor atendimento ao aluno, em todas as atividades na unidade educacional.
22. Implantação da Eleição Direta para Gestão Pedagógica.
23. Estabelecimento de convênios e/ou parcerias, com hospitais e clínicas médico- laboratoriais, inclusive do setor privado, visando dar atendimento digno e adequado aos servidores do magistério ativos, inativos, e pensionistas, visto que não existe hospital para o servidor publico municipal.
24. Melhoria no sistema de marcação de consultas, evitando-se que os profissionais do magistério precisem faltar para fazê-las.
25. Melhoria das condições de trabalho, com implantação de políticas de combate ao assédio moral, saúde e segurança do trabalhador;
26. Liberação dos servidores no exercício de mandato de dirigentes sindicais, conforme estabelece a Lei Orgânica do Município.

 FONTE: http://www.sindeducacao.org/index.php/difusao/2013-01-31-07-20-53/item/181-professores-vao-exigir-reajuste-de-22-97-para-2015#sthash.Ny7xa6fn.dpufora doCAÇÃO  SNDEDU

CONSIDERAÇÕES DO MRP
 
A pauta acima possui 26 itens e a maioria deles é desconhecida dos professores e a razão é simples, a diretoria do SINDEDUCAÇÃO não os debateu com a categoria previamente, antes de colocá-los na pauta de reivindicações. Essa pauta foi construída a revelia do professorado, na assembleia sua leitura se deu de forma aligeirada e isso induziu os professores presentes a votar por sua aprovação.
Dentre os vários pontos que temos desacordo, destacamos o item 3, que trata da proposta de regulamentação do exercício ao direito que assiste todos os profissionais da educação municipal a usufruir o 1/3 de hora atividade, dentro da sua jornada de trabalho. Na única reunião ocorrida esse ano, na SEMED, entre os representantes do governo e dos professores, a Presidente e o Advogado do SNDEDUCAÇÃO afirmaram que essa era a proposta discutida e aprovada pelos professores na última assembleia do dia 19/01. Essa proposta defendida e encaminhada ao governo pela diretoria do SINDEDUCAÇÃO, dá margem para que a SEMED trate essa questão da forma que ela deseja e isso significa:  Que os professores do 6º ao 9º ano terão que trabalhar 4 dias a partir da implantação dessa nova regra, caso seja aprovada como foi proposto. No caso dos professores com jornada de 24h, a defesa é que o professor tenha 16h em sala interagindo com os educandos, porém, 4h das 8h que correspondem ao 1/3 de H.A, o professor terá que pagar na escola, o que corresponde a obrigatoriedade do mesmo ficar 20h (16 + 4) semanais na mesma. O caso dos professores com jornada de 40h segue a mesma regrinha do caso anterior.
Como se isso não bastasse, estamos há quase 2 meses sem a convocação de uma assembleia para debatermos essas e outras questões não menos importantes. Se por um lado a postura da diretoria do sindicato tem sido a de se manter distante dos professores, recentemente o governo lançou mão de uma ação que objetiva construir uma proposta de reformulação das leis municipais que tratam do exercício do magistério. O retardamento da concessão do reajuste salarial e demais direitos, é grave, mas nada se compara a gravidade da ação governamental que objetiva reformular o ESTATUTO DO MAGISTERIO e PLANO DE CARREIRA. O professorado precisa se habilitar o mais rápido possível nesse debate, antes que essa reforma represente mais perdas de direitos para todos.   Diante desse contexto a diretoria do SINDEDUCAÇÃO precisa URGENTEMENTE recuar, admitir que sua postura está errada e deve chamar os professores  para dialogar em uma assembleia geral.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Gov. Flávio Dino manobra para prejudicar os professores

GOVERNO DE FLÁVIO DINO APLICA MAIS UM GOLPE NOS PROFESSORES
Após descumprimento reiterado da lei do piso, com única exceção no ano de 2015; mutilação do Estatuto do Magistério (Lei 9.860/2013) de forma a provocar a curto prazo um verdadeiro achatamento salarial; utilizar-se de ardil, com apoio do Ministério Público para opor recurso sobre as execuções da Ação de Descompressão Salarial e assim não cumprir com o determinado na sentença para pagar os professores o valor relativo ao interstício de 5% não cumprido; o governo do estado mais uma vez mostra que não respeita ou prestigia a categoria e ataca as execuções sobre a incorporação e pagamento da diferença salarial de 21,7%, interpondo recurso denominado de exceção de pré-executividade nas execuções. As execuções estão sendo interpostas em razão de decisão do STF, transitada em julgado, em ação interposta pelo SINTEP/MA(Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado do Maranhão), em que o governo do estado do Maranhão deverá d…