Pular para o conteúdo principal

Professsor segue sem Reajuste salarial em São Luis e o sindicato posterga a convocação da assembleia geral.

Confira na parte inferior desse post a leitura do MRP sobre a nota postada no site do sindeducação. 

Informe Sindeducação

                                A presidente do Sindeducação, profª Elisabeth Castelo Branco, esteve novamente na Promotoria de Justiça da Capital Especializada para discutir com o promotor Paulo Avelar as ações cabíveis em face da absoluta omissão da Prefeitura de São Luís em relação às reivindicações da categoria - prestação de contas dos recursos da educação municipal, condições de trabalho, reajuste, direitos estatutários, eleição direta para gestor de escola, reforma do estatuto e PCCV do magistério, concurso público, etc. Sobre a apresentação do descritivo das obras de manutenção preventiva e corretiva das 54 escolas previstas no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), o promotor informou que requisitou à Semed todas as informações, mas até o momento não recebeu nada do ente público municipal. O secretário Geraldo Castro, diferentemente do que sempre faz em relação às solicitações (ignorar) do Sindeducação, terá que fornecer todas as informações ao MP. Caso contrário, estará, em tese, cometendo crime de desobediência e ato de improbidade administrativa. É um absurdo o secretário de educação não reconhecer o Sindeducação como representante legítimo dos servidores do magistério público municipal, instituição que está em pleno exercício de seus direitos e deveres constitucionais e estatutários. A administração pública municipal vem atacando a entidade sindical de todas as formas, na tentativa de enfraquecer a luta dos trabalhadores da educação, mas a categoria continuará firme, com o apoio de sua instituição. Durante a reunião com o MP decidiu-se ainda, a pedido do Sindeducação, que uma comissão formada pelo sindicato, Ministério Público, Vigilância Sanitária e CREA-MA visitará todas as 54 escolas citadas no TAC. Já existe uma comissão de fiscalização das escolas, mas o sindicato continuará a realizar visitas surpresas às unidades de ensino, com encaminhamento de relatórios, de forma imediata, aos Ministérios Públicos Federal e Estadual, assim como à Semed. Todo esse trabalho vem sendo ignorado pelos gestores municipais. O secretário de educação prefere alardear que está sendo vítima de uma perseguição por parte da entidade sindical, em uma atitude imatura e absolutamente contrária aos princípios que regem a administração pública. A Semed não publica os gastos realizados com o dinheiro público destinado à educação, não apresenta nenhuma eficiência na prestação do serviço público sob sua responsabilidade, e o seu gestor/secretário não age com impessoalidade. Mas acreditamos que diante da parceria Sindeducação e Ministério Público – Federal e Estadual, a Prefeitura será obrigada a se posicionar. Durante a reunião, a presidência do Sindeducação ressaltou, ainda, a necessidade da categoria de conhecer a aplicação efetiva dos recursos do Fundeb, que de janeiro a fevereiro de 2015 totalizam mais de 56 milhões de reais depositados nas contas da Prefeitura, sem nenhum reflexo nas condições de trabalho dos servidores. O Conselho do Fundeb municipal está sendo presidido por uma pessoa que não representa a categoria e que foi mantida no cargo pelo secretário de educação municipal, apesar da efetiva indicação do legítimo representante dos professores, eleito em assembleia, nos termos da lei. O resultado dessa situação ilegítima é a absoluta falta de transparência em relação aos gastos realizados com o recurso do Fundeb, prejudicando totalmente o princípio da publicidade administrativa. Além do Fundeb, temos a total obscuridade em relação aos recursos próprios do município aplicados na educação – 25% de toda receita anual – quase o mesmo valor recebido do Fundeb. Esta situação chegou ao limite. Os gestores públicos municipais serão obrigados a escancarar as contas municipais, sem artifícios. É um direito do professor, do aluno e da população como um todo. O Judiciário será exigido neste processo de transparência forçada da aplicação dos recursos da educação e contamos com o apoio da categoria, assim como da sociedade civil organizada, interessada na melhoria do ensino público municipal.

Reajuste

A diretoria do Sindeducação informa ainda que decidiu convocar assembleia geral extraordinária para tratar da campanha salarial de 2015, especialmente sobre as próximas medidas a serem tomadas a cerca do silêncio da Prefeitura de São Luís. O edital está em fase de elaboração e a categoria deverá ser convocada para deliberar na próxima quinzena do mês.

Fonte: http://sindeducacao.org/index.php/component/k2/item/237-informe-sindeducacao#sthash.sBx2x3pO.dpuf

CONSIDERAÇÕES DO MRP sobre a nota acima:

A diretoria do sindeducação evidencia o óbvio nesta nota quando fala dos problemas das escolas, da negação dos direitos dos professores e da falta de transparência na aplicação dos recursos da educação por parte do governo de Edivaldo Holanda Jr. Agora, há algo de muito estranho na postura da diretoria, pois observem que na nota acima não é citado a palavra PREFEITO e muito menos seu nome aparece em lugar algum desse texto extenso (confira os destaques no texto). Diante desse cenário extremamente negativo à educação, educadores e educandos, a troco de que a diretoria preserva o prefeito EDIVALDO HOLANDA JR???
Como se  isso não bastasse a diretoria vende para os professores a ideia de que  a NOVA PARCERIA  DO SINDICATO COM O MP resolverá os problemas da educação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…