Pular para o conteúdo principal

Educação e Direito

Temas fundamentais, educação e direito exigem discussão constante e atenta na construção de um (bom) projeto de sociedade. Independentemente de predileções de toda sorte -- políticas, filosóficas, de esquerda, de direita. São, também por isso, temas complexos. Mas não devemos fugir do desafio.
Uma primeira aproximação já revela suas  ambiguidades. A educação se constitui na dualidade entre um processo de formação da identidade pessoal e, ao mesmo tempo, de ajustamento à vida social. A Constituição Federal - já analisando a educação sob o ponto de vista do direito - prevê que ela se presta ao desenvolvimento pleno da pessoa, ao preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.
É a partir dos conteúdos, conhecimentos que aprendemos na escola e nas "escolas da vida", que podemos ler o que já foi escrito, compreender o que o outro diz e, então, construir e corrigir, permanentemente, nossos pontos de vista, nossos interesses, nossas razões, nossa identidade. O eu só tem sentido dentro de uma inter-ação, de uma conversa com as outras pessoas. Não existe sozinho.
Quanto à ideia de direito, num sentido bastante amplo, ela é associada ao conjunto de normas emanadas do Estado que rege a convivência em sociedade. Resulta de um processo legislativo (e, ainda, judicial) que vai formando um emaranhado de leis, medidas provisórias, decretos, portarias, resoluções, repleto de incoerências, falhas e lacunas, só mesmo por ficção compreendido como um "sistema" jurídico.
Alguns se satisfazem com a legalidade, o que é preocupante. Nela se esgotaria o direito (a lei e a ordem) a ser obedecido, à parte de questões morais, de perguntas sobre sua justiça ou injustiça. As coisas, porém, não são tão simples assim. Não nos esqueçamos do véu de legalidade que, há não muito tempo, encobria o autoritarismo institucionalizado da Ditadura Militar.
Outros preferem entrelaçar o direito com a moral, definindo critérios para aferir sua legitimidade, sua justiça. Não raro, amparam-na num "super-direito", preconcebido por Deus, determinado pela natureza, apreendido pela razão ou apenas sentido pelo povo. No Estado Democrático de Direito, que define nossa República, inclino-me para uma legitimidade que não se apoie senão na sempre maior participação do cidadão (nem súdito, nem pedinte) na sua construção.
Tal complexidade dos temas, tão fundamentais, não permite abordagens superficiais, certezas tomadas de empréstimo, verdades vindas não sabemos muito bem de onde. O conhecimento não pode ser transformado em tabu, já alertava Adorno. Não entender não pode ser um uma desculpa para preservar intacta a nossa incompreensão sobre o que nos diz respeito. Nem pode a inteligência se contentar com reduções simplistas, maniqueísmos, generalismos rasos, frase de efeito. Precisamos ir além disso.
A forma como educação e direito afetam a vida de cada cidadão sugere, finalmente, a importância do envolvimento de todos no debate. Consolida-os como questões eminentemente públicas. Exigem, dessa forma, debate público. Opiniões públicas. Soluções públicas. Afinal, ninguém melhor do que nós mesmos para definir o que nos convém. Sem pai do povo. Sem salvador da pátria. Eis um postulado da democracia.
Propomos, aqui, então, um diálogo sobre o direito que nos rege e a educação que nos forma, debatendo pontos em que se tocam, revisitando e enriquecendo seus conteúdos, reconstruindo suas práticas e sentidos. Dialogar, é verdade, não é algo fácil. Absolutamente. Mas, ainda assim, o diálogo é o recurso que nos resta para a construção de uma convivência em que não prevaleça a imposição. Conversemos, então. Sem garantias quanto aos resultados.

Guilherme Perez Cabral

Guilherme Perez Cabral é advogado especialista em direito educacional, doutor em Filosofia e Teoria Geral do Direito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …