Pular para o conteúdo principal

28 e 29 de abril tem PARALISAÇÃO na educação

Atenção educador/a!

Companheir@,
está explícito que o governador Flávio Dino (PCdoB) e o prefeito Edivaldo Holanda Jr (PDT) trabalham em parceria para postergar ao máximo a concessão do reajuste salarial devido aos profissionais da educação e consequentemente seus demais direitos.
O Prefeito Edivaldo rompeu o silêncio sobre essa questão e apresentou sua proposta de reajuste na semana passada. Por ela, no primeiro semestre de 2016, o professorado terá apenas o reajuste de 4,5%, retroativo a janeiro. Felizmente sua proposta foi rejeitada pelos professores presentes na assembleia do SINDEDUCAÇÃO, no último dia 21/04.
Essa proposta não repõe o poder de compras do salário do educador e sequer se aproxima da inflação do ano de 2015, que foi de 10,67%, segundo o IBGE.

Estamos no final de abril e o governador sequer toca nesse assunto e desta forma vem impondo sua política de arrocho salarial aos educadores e servidores estaduais de modo geral. Como se isso não bastasse, os milhares de educadores contratados ou em regime de CET estão há 2 meses trabalhando sem receber os seus salários e muitos já ameaçam cruzar os braços diante desse flagrante desrespeito do governo que prometeu a mudança.
A desculpa é a de falta de recursos, entretanto, os extratos da conta do FUNDEB/ESTADUAL desmontam essa justificativa governamental, na medida em que, os recursos creditados nesta conta são muito superiores aos valores depositados no mesmo período de 2015. 

Desta forma afirmamos: Não faltam recursos para a garantir o reajuste de 11,36% e o pagamento da  remuneração mensal de todos os educadores (efetivos, contratados e em CET), o que falta é vontade política ao governador Flavio Dino para reconhecer e valorizar o trabalho dos profissionais da educação estadual.

Esse atual contexto dos educadores é piorado ainda mais, na medida em que, os mesmos não podem contar com as diretoria do SINPROESEMMA  e do SINDEDUCAÇÃO, pois seus dirigentes trabalham para blindar os governos e sempre agem em defesa de seus interesses particulares.

Como se tudo isso não bastasse, o cenário de instabilidade política do país complica ainda mais as coisas para o lado dos educadores e trabalhadores de modo geral. Mais do que nunca um futuro de incertezas e dificuldades os aguardam logo ali na esquina da história, portanto, como o tempo já não é nosso aliado, precisamos unir forças e partir para a ação coletiva de DEFESA dos nossos interesses, pois somente fazendo a LUTA teremos chance de minimizar os nossos prejuízos.

Diante dessa conjuntura só resta aos educadores a escolha entre a resignação ou a INDIGNAÇÃO frente aos ataques dos governos de plantão e a traição frequente das direções sindicais do SINPROESEMMA/SINDEDUCACAO.

A resignação tem um alto preço. A indignação também, porem, somente através dela devemos e podemos nos organizar para fazer a resistência aos ataques dos governos e lutar para garantir o pouco de direitos que ainda nos resta. Chega de esperar por dirigentes sindicais que se venderam para o governo.
Como já não podemos contar com a estrutura dos nossos sindicatos, educador/a, seja um agente da RESISTÊNCIA, lidere a mobilização em sua escola/município e participe juntamente com seus pares da paralisação estadual/municipal que acontecerá nos dia 28 e 29 de abril. 

Vamos juntos protestar e dizer não aos ataques de Flávio e Edivaldo.

No dia 28/04 faremos um dia de protesto em frente às sedes dos governos (Palácio dos leões e Prefeitura). Nossa concentração se dará a partir das 8h da manhã e nela desejamos receber caravanas de educadores de diversas regionais do estado, assim como os educadores da grande ilha.
A atividade do dia 29 será definida pelos educadores presentes no ato do dia 28.




 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…