Pular para o conteúdo principal

Resposta do SINPROESEMMA para o abaixo assinado dos educadores

Companheir@s,

no último dia 13 de outubro a diretoria do SINPROESEMMA respondeu à solicitação de convocação de uma ASSEMBLEIA GERAL, feita por nossa categoria, por meio de um abaixo assinado que contem milhares de assinaturas.
A resposta veio por meio de um parecer da assessoria jurídica do sindicato. Com base nele o pleito dos educadores foi INDEFERIDO. As alegações do assessor jurídico podem ser observadas nas fotos abaixo.

Considerações do MRP:


A alegação da diretoria do sinproesemma sobre a legalidade das assinaturas poderia ser questionada por nós em uma ação judicial, ocorre que, em função da morosidade do judiciário, resolvemos descartar essa possibilidade, pois esta ação não teria resultado em curto prazo e, sendo assim, não traria contribuição para a nossa luta em prol do reajuste salarial de 2016.

Ressaltamos que nenhum dos artigo do estatuto do SINPROESEMMA que trata da convocação de assembleia via abaixo assinado, disciplina a forma como as assinaturas devem ser coletadas.

Esse episódio evidencia, mais uma vez, que a diretoria do SINPROESEMMA não tem interesse algum em dialogar com os professores em uma assembleia, pois teme que nesse fórum DELIBERATIVO suas teses pró blindagem do "governo da mudança", sejam derrotadas e a GREVE GERAL DEFLAGRADA.

Para além disso, nos chama atenção a decisão da diretoria do sinproesemma está pautada na questão da alegada ILEGALIDADE da forma em que foram coletadas a maioria das assinaturas. 

Interessante é que diante da ação ILEGAL do governo do estado ,que decidiu, em 2016, violar a Lei do PISO e o Estatuto do Magistério, deixando os educadores estaduais sem reajuste. Ha exatos 10 meses, o presidente e toda a diretoria do SINPROESEMMA silenciam.

Está explicito que o SINPROESEMMA foi transformado em um anexo do governo, na condição de um organismo do PCdoB.
A título de informação, destacamos que: dos 73 membros da diretoria geral do sinproesemma, 47 são FILIADOS ao PCdoB e 8 desses diretores são DIRIGENTES ESTADUAIS do partido. Aqui necessitamos chamar atenção para um detalhe: Em todas as reuniões da executiva estadual do PCdoB, DIRETORES DO SINPROESEMMA sentam a mesa juntamente com  Marcio Jerry e F. Dino, para debater as questões do governo e do partido.

Tudo isso evidencia a gravidade da situação em que nos encontramos, pois se um lado os governos (federal/estadual) agem no sentido de negar e suprimir nossos direitos, na outra extremidade, nosso sindicato é administrado por pessoas inescrupulosas que NEUTRALIZAM NOSSA ESTRUTURA SINDICAL, objetivando angariar vantagens para si.

Reagir a tudo isso é preciso! 
Necessitamos nos organizar, URGENTEMENTE, para realizar o enfrentamento dos governos e dos dirigentes sindicais traidores da educação e de seus trabalhadores.
É preciso lutar contra os ataques do governo TEMER  e do governo Flávio Dino.
O sinproesemma tem que servir, EXCLUSIVAMENTE, aos interesses dos educadore e não viver a serviço de partido ou de governo.










Comentários

José João disse…
Concordo plenamente com o exposto pelo MRP, incluindo na minha concordância, até mesmo atitudes mais severas. No entanto, há de se ter prioridades e frieza na escolha delas. O que se quer primeiro? O direito dos professores? Então vamos a luta, detestaria engrossar fileira de manifestações servindo de objeto politico.

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Gov. Flávio Dino manobra para prejudicar os professores

GOVERNO DE FLÁVIO DINO APLICA MAIS UM GOLPE NOS PROFESSORES
Após descumprimento reiterado da lei do piso, com única exceção no ano de 2015; mutilação do Estatuto do Magistério (Lei 9.860/2013) de forma a provocar a curto prazo um verdadeiro achatamento salarial; utilizar-se de ardil, com apoio do Ministério Público para opor recurso sobre as execuções da Ação de Descompressão Salarial e assim não cumprir com o determinado na sentença para pagar os professores o valor relativo ao interstício de 5% não cumprido; o governo do estado mais uma vez mostra que não respeita ou prestigia a categoria e ataca as execuções sobre a incorporação e pagamento da diferença salarial de 21,7%, interpondo recurso denominado de exceção de pré-executividade nas execuções. As execuções estão sendo interpostas em razão de decisão do STF, transitada em julgado, em ação interposta pelo SINTEP/MA(Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado do Maranhão), em que o governo do estado do Maranhão deverá d…