Pular para o conteúdo principal

Indústria dos contratos:Um atentado à educação pública maranhense

Governo abrirá inscrições gratuitas para contratação de professores
Por: Ascom/ SeducData de Publicação: 29 de dezembro de 2008

A partir da próxima segunda-feira, 05, estarão abertas gratuitamente as inscrições para o processo seletivo simplificado para contratação temporária de professores da educação básica. O prazo prosseguirá até sexta-feira, 10, no horário das 8h às 12h e das 14h às 18h.As inscrições serão feitas na Avenida Getúlio Vargas nº 1908 – Monte Castelo, no CE Nerval Lebre Santiago, na Avenida Barão de Itapary s/n - Camboa e nas 18 unidades regionais de educação.
As vagas estão distribuídas para todo o Estado de acordo com os níveis e modalidades de ensino. Para o ensino médio regular serão oferecidas 5.372 vagas. No fundamental serão contratados temporariamente 1.509 professores.Nas modalidades ensino médio integrado à educação profissional e Programa de Jovens e Adultos (Proeja) o total de contratados será de 456 docentes. Para a educação do campo estão sendo oferecidas 540 vagas e para a modalidade educação especial serão contratados 405 professores.A Seduc divulgou os editais que estão disponibilizados nos endereços eletrônicos www.educacao.ma.gov.br e www.uema.br., que é responsável pela execução do processo seletivo simplificado. Os novos contratados irão complementar o quadro de pessoal docente da rede estadual de ensino de São Luís e do interior para o funcionamento do próximo ano letivo.

Como acreditar na melhoria da qualidade educacional do nosso estado, se o Governo insiste em continuar precarizando o trabalho docente através do continuação da indústria dos contratos? Só nesse primeiro ato de 2009, a SEDUC contratará 8.282 professores.Infelizmente, o ministério público silencia e o SINPROESEMMA nada faz, daí mais uma vez, os alunos serão prejudicados, assim como os milhares de professores, que se sujeitam a essa modalidade de prestação de serviço, por mera necessidade. Todos nós sabemos, que a maior parte dos professores contratados nesse estado, já são habilitados, então, o correto seria a realização de concurso público para o imediato preenchimento dessas vagas. O governo no entanto opta pelo contrato por uma lógica muito simples, o Professor contratado percebe pouco mais da metade da remuneração de um professor EFETIVO,sem contar que estes são coagidos diariamente, de diversas formas pelos diretores.

Remuneração dos professores contratados no processo seletivo/2009.
Prof. c/ nível superior COMPLETO R$ 693,11
Prof. c/ nível superior INCOMPLETO R$ 517,21
Prof. com nível medio R$ 415,00
Essa sim, é a principal razão da opção do governo pela indústria dos contratos.693,11REAIS CORRESPONDE A 52,19% DA REMUNERAÇÃO DE UM PROFESSOR CONCURSADO, QUE HOJE GIRA EM TORNO DE 1.328,00 REAIS EM INICIO DE CARREIRA.SERÁ QUE A DIRETORIA DO NOSSO SINDICATO FARÁ ALGO CONTRA ESSE ATENTADO CONTRA A EDUCAÇÃO PÚBLICA DO NOSSO ESTADO E SEUS TRABALHADORES?

Comentários

ana paula nava disse…
Boa pergunta:

SERÁ QUE A DIRETORIA DO NOSSO SINDICATO FARÁ ALGO CONTRA ESSE ATENTADO CONTRA A EDUCAÇÃO PÚBLICA DO NOSSO ESTADO E SEUS TRABALHADORES?

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …