Pular para o conteúdo principal

Pesquisa: Brasil longe das metas de educação.

Em 22 das 27 capitais brasileiras, incluindo Brasília, os alunos de Escolas públicas não atingiram as metas de aprendizagem de língua portuguesa na 4ª série do ensino fundamental. Os dados são de 2007 e foram divulgados ontem pelo Movimento Todos pela Educação, organização não-governamental que reúne empresários, gestores e entidades educacionais.
O presidente-executivo do Todos pela Educação, Mozart Neves Ramos, considerou os resultados preocupantes. Ele disse que as metas para cada cidade levam em conta o desempenho de 2005 e vão até 2022. “Estas primeiras metas são bastante modestas. Mesmo assim, no caso da 4ª série em português, só foram alcançadas por cinco capitais”, disse Mozart.
Ele afirmou estar chocado com a realidade de Macapá, lamentando que o Norte e o Nordeste, de modo geral, tenham médias mais baixas do que o resto do país. “É um pouco a cara do Brasil. Existem vários Brasis e isso se reflete na Educação”, afirmou.
O Todos pela Educação analisou os resultados da Prova Brasil, teste de leitura e matemática aplicado pelo Ministério da Educação na rede pública urbana, em Escolas com turmas de pelo menos 20 alunos.
MARANHÃO
Em seu primeiro relatório, o “De Olho nas Metas” aponta que, em São Luís, entre 2005 e 2007, o percentual de alunos da 4ª série do Ensino Fundamental com conhecimentos de Matemática adequados à série passou de 8,15% para 13,75%, o resultado supera a meta prevista para 2007, que era de 9,74%. Em Língua Portuguesa o percentual passou de 21,31% para 22,14%, fazendo com que a capital do Maranhão não alcançasse a meta esperada, que era de 23,59%.
Na 8ª série do Ensino Fundamental a situação se inverte. A cidade não atinge o patamar esperado em Matemática, o percentual de alunos com conhecimentos adequados à sua série passou de 6,23% para 6,56%, enquanto a expectativa era aumentar para 6,95%. Em contrapartida, em Língua Portuguesa a meta de 11,91% foi superada, passando de 10,97% para 16,23%.
Fonte: Todos pela Educação

Comentários

Pan y vino disse…
O Governo do Estado, em parceria com uma empresa privada, IQE(Instituto de Qualidade na Educação),está relocando 20 professores do ensino médio (10 de matemática e 10 de português -entre os quais me incluo)para acompanhar o trabalho dos professores do 1º ciclo(1ª a 4ª série do fundamental), a intenção em princípio é reverter esse quadro lastimável em nosso ensino.
se essa ação não incluir além do acompanhamento dos professores, uma formação continuada eficiente, acreditamos que muito pouco será modificado nessa nossa triste realidade.
Pan y vino disse…
Os coordenadores do IQE acreditam que esse acompanhamento sistemático É um tipo de formação continuada, na medida em q acontecerá c o professor sem q este se ausente de suas funções de regência de classe. Eu, particularmente, só poderei emitir juízos mais completos qdo se iniciarem as atividades verdadeiramente.

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …