Pular para o conteúdo principal

Falhas na educação - Rede Estadual

César Pires trabalha para corrigir falhas na educação

O secretário de Educação, César Pires, lamentou ontem, em entrevista ao programa Ponto Final, na ràdio Mirante AM, que 92% dos estudantes maranhenses da rede estadual de ensino não tenham alcançado a média mínima de 45 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2008 e, por isso, ficam impossibilitados de ter acesso às bolsas do Programa Universidade para Todos (Prouni), instituído pelo Governo Federal. “O Estado condenou gerações a ficar fora da universidade, porque a gestão anterior da Seduc (Secretaria de Estado da Educação) deu as costas para as escolas, enquanto vendia a ilusão de que oferecia um ensino público de qualidade”, enfatizou o secretário.
Ele listou uma série de fatores que contribuíram para que a maioria dos alunos da rede estadual tenha obtido notas baixas no Enem, e destacou que enquanto não houver o comprometimento de professores, supervisores e gestores escolares não será possível mudar essa realidade. “Os estudantes precisam ser motivados para obter o conhecimento”, acrescentou ele, informando que está visitando as escolas para verificar as condições físicas e pedagógicas das unidades de ensino.
César Pires disse que é fundamental resolver questões básicas – como a falta de professores em sala de aula, o preenchimento dos diários de classe e a inexistência de planos pedagógicos nas escolas – para obter avanços na educação pública. “O foco da nossa gestão é a escola, visando o fortalecimento do elo entre professor e aluno. A falência do ensino está no repasse do conhecimento, na gestão escolar e na falta de compreensão de que o desenvolvimento humano só acontece através da educação. Só quem vivenciou a escola – e como professor eu tive essa experiência – entende esse processo”, resumiu.
O fato de que 72% dos diretores de escola da rede estadual estão inadimplentes com a prestação de contas dos recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), repassados pelo Ministério da Educação (MEC), também foi citado pelo secretário como um dado preocupante. “Estamos promovendo a capacitação desses gestores para um novo modelo de gestão pautado na competência, na responsabilidade e na busca por resultados”, disse ele.
Sobre a estrutura física da rede estadual de ensino, César Pires informou que a contratação da maioria das obras iniciadas na gestão anterior não tem base legal e está sendo reavaliada. “Estamos fazendo um levantamento técnico dos serviços para submeter esses contratos à Procuradoria Geral do Estado e ao Ministério Público, porque não podemos dar continuidade a atos irresponsáveis da gestão anterior. Até hoje não conseguimos localizar, por exemplo, as 160 novas escolas que eles divulgaram ter construído. O que encontramos foram anexos, obras inacabadas e salas emprestadas pelas prefeituras nos municípios”, ressalvou.
O secretário concluiu dizendo que a Seduc fará, em setembro deste ano, um processo de seleção meritório para contratação de professores temporários para o ano letivo de 2009, com provas aos moldes do Enem: “Estamos trabalhando para corrigir as falhas e garantir que os alunos da rede estadual tenham, de fato, uma educação de qualidade”.

Fonte: Seduc

Comentários

Pan y vino disse…
O secretário devbe lembrar q as mazelas da educação, acirradas no governo Jackson, não nasceram nele, mas nos governos anteriores, todos sob as mãos dos sarneys. A ingerência nas escolas tem raiz na falta de democracia nas gestões, o q poderia ser minimizado com as eleições diretas para gestores. Isso está nos planos do secretário???????
Concordo plenamente com vc companheiro.Quanto a eleição para diretor, acredito que ainda não será nesse governo que ela será regulamentada.

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …