Pular para o conteúdo principal

PRÁTICA SINDICAL: Uma reflexão!

Companheiros (as),

A história do movimento sindical brasileiro foi profundamente marcada por grandes lutas e mobilizações contra o autoritarismo, especialmente durante os anos de chumbo da ditadura militar. No entanto, o velho autoritarismo, que tanto rechaçamos, tem se instalado como um câncer em algumas direções sindicais, como é o caso do Sinproesemma.

Temos sido historicamente, desrespeitados tanto pelos agentes do governo que manipulam todas as decisões da educação, no nosso Estado e nos impõem de forma autoritária, quanto pelas sucessivas direções do nosso sindicato (SINPROESEMMA), com práticas ditadoras e antidialógicas. Temos que ter clareza disso, para não ficarmos melindrados diante das reações de companheiros (as) que se indignam por não suportar mais tais ações.

Já se tornou uma prática histórica, toda vez que não há um acordo entre categoria e direção sobre deliberações a tomar, diretores do sindicato apelam para o discurso de unidade como uma espécie de anestésico a alentar nossas consciências. Entretanto, companheiros (as), compreendamos de uma vez por todas, que esse falso discurso só tem um objetivo: esconder as diferenças e as contradições que há nas relações que se dão entre direção e categoria e, sobretudo, promover a passividade para poder manipular e oprimir uma vez que a resistência é passível de ser contida. Por isso, estejamos atentos ao interesse ideológico desse discurso de forma que, toda vez que ele aparecer (e será sempre em momentos de tomar decisões importantes para a nossa categoria) por parte da direção, certamente, é para nos excluir do processo. Aliás, quem não lembra, por exemplo, o que aconteceu, na Assembléia da Praça da Bíblia, quando em nome dessa falsa unidade, parte da atual diretoria manipulou a Assembléia para aceitar a suspensão dos artigos 54,55,56 e 57 do nosso Estatuto, determinando perdas que, até hoje, não conseguimos reparar?

O discurso da unidade nunca foi usado pelas direções do SINPROESEMMA para significar, por exemplo, eleição direta na base para comandar o sindicato, democracia no uso da palavra e das decisões, transparência na prestação de contas, divulgação das assembléias regionais, dentre outros.

Assim, companheiros (as), é hora de superarmos os falsos discursos e não nos deixarmos levar por um pseudo moralismo que não cabe mais na nossa época. Deixemos, sim, nos conduzir por aquilo que sempre caracterizou nossa categoria, a capacidade de discernimento mediante um processo de avaliação constante das relações que se dão entre categoria que luta e direção comprometida com governos e interesses próprios e políticos partidários (atualmente PC do B/PT)

Nós do Movimento de Resistência dos Professores – MRP e do GT de Educação da CONLUTAS, entendemos que essa direção só tomará o caminho da luta a favor da educação pública de qualidade social e em defesa dos seus trabalhadores se for pressionada pela sua base. Sendo assim, VAMOS TODOS À LUTA!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …