Pular para o conteúdo principal

ABSURDO! DIREÇÃO DO SINPROESEMMA UTILIZA IMPRENSA DA GOVERNADORA PARA CRIMINALIZAR A SUA PRÓPRIA CATEGORIA.


Em nota vinculada na grande mídia do estado do Maranhão a direção do SINPROESEMMA mostra o despreparo e desespero de um grupo que não tem legitimidade perante a categoria. Nessa nota fica explicito o objetivo de desmoralizar os profissionais da educação perante o conjunto da sociedade.

Falam de grupos divisionistas, quando o que há de fato é uma insatisfação generalizada da base do sindicato contra essa direção biônica que tenta de todas as formas evitar a mobilização da categoria para pressionar o Governo a atender nossas reivindicações. Chegamos ao cúmulo de completar mais de um mês em estado de mobilização sem que nada de concreto tenha sido encaminhado pela diretoria.

Ora, um grupo que não foi eleito pela base e que historicamente tem mantido relações inescrupulosas com os governos que atacam as nossas conquistas históricas, não poderia ter outra atitude.

Ficam no ar algumas perguntas: quem divide a categoria? Aqueles que se levantam contra o autoritarismo da direção e exige que a base do sindicato decida por onde devemos caminhar ou aqueles que evitam o debate democrático e utilizam o dinheiro da categoria para criminalizar sua própria base na mídia da governadora? Quem se retirou vergonhosamente na última assembléia, a “oposição” ou a direção do sindicato? E o debate? O convencimento? Onde fica?

Como boa stalinista que é, a diretoria do sindicato está instalando uma mini-ditadura em nosso sindicato, por isso foge do debate como o demônio foge da cruz; por isso usam a mídia burguesa para confundir a categoria e a sociedade em detrimento da democracia sindical. Na nota dos “desesperados” não há se quer uma única linha convocando uma nova assembléia.

É inadmissível ver pais e mães de famílias, que se sacrificam cotidianamente para melhorar a educação pública do estado do Maranhão, sendo criminalizados por seus supostos representantes sindicais, nem a governadora Roseana Sarney ousou tanto, pois o recente exemplo de Jackson Lago é desaconselhador. No entanto, quem tem capatazes entre os (as) trabalhadores (as) não precisa pegar no chicote.

Nós do MRP e do GT de EDUCAÇÃO DA CONLUTAS vamos continuar defendendo a pauta de reivindicações que foi aprovada pela maioria da base na última assembléia (30/09), que entre outros pontos exige o reajuste salarial de 19, 21% retroativo a janeiro, que é ainda muito insignificante perante a defasagem salarial que tivemos no último decênio que já alcança 105%.
Por fim, fica aqui nosso veemente repúdio a direção do SINPROESEMMA contra esse processo de criminalização de nossa categoria via midiática e a nossa mais profunda defesa de que a democracia sindical prevaleça e defina o nosso futuro na luta.

MRP (Movimento de Resistência dos Professores) e GT de Educação/CONLUTAS

Orkut – Comunidade SOS Professor- Ma;
Blog: mrp-maranhao.blogspot.com

Comentários

INES disse…
VAMOS ABRIR UMA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTORIA , A P H URGENTE

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …