Pular para o conteúdo principal

Mais uma da Diretoria do Sindicato.

Ontem, estivemos no Seminário sobre o Estatuto do Educador, e com muita indignação ouvimos a diretoria do sindicato defender uma proposta de estatuto confusa, que cria falsa expectativa e está recheada de armadilhas para a categoria.


O estatuto deve ser uma lei que protege, amplia e conquista novos direitos para a categoria. Isso não acontecerá pelos simples fato de a proposta de Estatuto está toda pautada na Lei d o Piso, que tem parâmetros mínimos de investimentos na educação, ou seja, a proposta do estatuto não representa avanço na política de valorização do trabalhador em educação e é importante frisar que o financiamento da educação não tem como única fonte o FUNDEB, todos já sabem, inclusive a direção (pelo menos eles deveriam saber);

A proposta está “magrinha” quando o governo começar a fazer os cortes, e ele os fará, esses serão no osso. O governo não é obrigado a nada, por exemplo, retroatividade do pagamento de titulações e eleição direta para diretor. Não existem mecanismos que garantam o cumprimento da lei proposta.

Disseram que aquela proposta inclui o PCCR, que tem prazo de implantação, mas pasmem:

- Janice disse que não havia pressa na entrega do Estatuto (mau sinal)

- Odair José confirmou que a diretoria “espera” que a proposta seja aprovada pelo governo até março de 2010.

E o PCCR até 31/12/2009 não é uma lei?


É incrível o descumprimento das leis no país, o governo descumpre, a direção do sindicato também. Depois acreditam que terão força de fazer cumprir o Estatuto do Educador (lei), se for aprovado.



A história do Estatuto do Magistério tem tudo para se repetir agora com o Estatuto do Educador:

- O governo aprova, mas não cumpri como não cumpria o estatuto Magistério. E a prática sindical adotada nesse processo é a mesma.



E não adianta propormos, porque somos a oposição, portanto não presta e tem interesse eleitoral. (Concepção da direção do Sindicato, é claro!)



SALVE A MORIBUNDA EDUCAÇÃO PÚBLICA,

senão ela vai morrer,

e nossa dignidade também!



MRP - Movimento de Resistência dos Professores

Comentários

Anônimo disse…
Isso quer dizer, que o Movimento se rendeu??
Anônimo disse…
É muito ruim trabalhar tanto, para ser feito de bobo..Por 'esses' que estão no poder.Muitas vezes sem o menor preparo ou estudo..Simplesmente por estarem lá: "Jogados"
Anônimo disse…
O Movimento jamais se renderá. Nós temos responsabilidade e colocamos os interesses da categoria acima de tudo,diferente daqueles que só sabem traí-la.Portanto companheiro,nós vamos sim aonde for necessário para discutir as questões pertinentes a educação pública estadual e as referentes aos direitos dos educadores, até porque não confiamos naqueles que se apropriaram do nosso sindicato, através de manobras espúrias.
Prof. Antonísio Furtado
Anônimo disse…
Temos de derrubar esse sindicato!!

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …