Pular para o conteúdo principal

Reajuste dos educadores é pautado na ASSEMBLEIA LEGISLATIVA.

O deputado Edivaldo Holanda (PTC) apresentou emenda à medida provisória que estabelece os vencimentos dos servidores da educação básica maranhense. Holanda propõe um reajuste que equipare os vencimentos-base ao salário mínimo. Hoje, a categoria, em sua referência inicial, recebe R$ 46 a menos que o salário mínimo nacional vigente, de R$ 465.






Com a emenda de Edivaldo Holanda, os professores da educação básica receberiam acréscimo de pelo menos 9% em relação a proposta inicial do governo do Estado. Um exemplo são os profissionais de referência 1, que na mensagem do governo teriam um vencimento-base de R$ 419,10 a partir de 1º de outubro. Em janeiro esse valor subiria para R$ 427,49. Na conversão proposta por Edivaldo Holanda o valor referente a 1º de outubro ficaria em R$ 465 e a partir de janeiro de 2010, R$ 474,31.





No projeto do governo os servidores de referência intermediária (12) teriam vencimentos de R$ 494,29 a partir de 1º de outubro e R$ 504,18 em janeiro próximo. Na conversão parlamentar estes valores ficariam em R$ 548,42 e R$ 559,40.





Já os servidores de maior referência, 25, passariam a ter um vencimento-base de R$ 1.034,14 desde 1º outubro. Este valor, a partir do próximo ano seria reajustado para R$ 1.054,82, um ganho de R$ 9,87%.





“Meu objetivo é que o governo reconheça a importância deste profissional para a sociedade maranhense, equiparando o menor vencimento da categoria ao salário-mínimo. Na proposta do governo isso só acontece a partir do profissional enquadrado na referência 11. Essa era a principal reivindicação dos parlamentares que até poucos meses eram de oposição”, afirmou Edivaldo Holanda.





O projeto lei de conversão é uma emenda à mensagem governamental que trata do assunto e que estabelece um reajuste inicial de 8% aos servidores do grupo em relação ao último 1º de outubro e mais 2% a partir de 1º de janeiro do próximo ano.





O reajuste beneficia 36.957 servidores ativos, inativos e pensionistas, sendo que a despesa para o exercício de 2009 é estimada em R$ 6 milhões e para o ano de 2010 ficará em R$ 81 milhões. Todas estas despesas, incluindo a conversão proposta pelo parlamentar podem ser custeadas sem acarretar problemas para o orçamento estadual segundo a própria secretaria de Administração e Previdência e parecer técnico da Assembleia Legislativa.





A matéria já obteve o aval da comissão interna de Constituição, Justiça e Redação Final e deve ser levada para análise em plenário nos próximos dias.





A iniciativa de Holanda foi elogiada pelo presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Tavares. “Os deputados da outrora oposição e hoje governo, diziam que o governo do Estado não pagava o salário mínimo, e aí nós dizíamos que para efeitos legais contava o salário base e as gratificações. E eles diziam que não contava, que o salário mínimo tem que estar no salário-base. E agora, deputado Edivaldo Holanda, na Emenda há oportunidade para o governo de pagar o salário mínimo na base. Então como alguém pode dizer que a atuação de vossa excelência é uma atuação da má política? É uma atuação da boa política”, disse. “Está aí uma oportunidade de ouro: pagar o salário mínimo na base para o professor de acordo com a sua emenda”, acrescentou.





Os servidores do grupo ocupacional magistério da Educação Básica estão divididos em 25 categorias como professores, especialistas em educação e funcionários de escolas.













 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…