Pular para o conteúdo principal

Professor (a) e demais profissionais da educação MUNICIPAL!

O P O S I Ç Ã O - S i n d e d u c a ç ã o



Professor (a) e demais profissionais da educação MUNICIPAL, mais um ano se inicia e com ele renascem as esperanças de dias melhores para nós educadores. Nos anos de 2007, 2008 e 2009 implantou-se progressivamente o FUNDEB e também fora instituída a lei do PISO. Sendo assim, 2010 é o primeiro ano pós-implantação do fundo, assim contaremos com um aporte maior de recursos para o financiamento das ações educativas da rede municipal de ensino, dentre elas, destaca-se a remuneração dos profissionais do magistério.

Nesse sentido, precisamos agir rápido e tentar garantir o quanto antes o NOSSO REAJUSTE ANUAL, pois precisamos fazer valer o que estabelece a Lei do Piso no seu artigo 5º, parágrafo único.

Art. 5º O piso salarial profissional nacional do magistério público da educação básica será atualizado, anualmente, no mês de janeiro, a partir do ano de 2009.

Parágrafo único. A atualização de que trata o caput deste artigo será calculada utilizando-se o mesmo percentual de crescimento do valor anual mínimo por aluno referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano, definido nacionalmente, nos termos da Lei no 11.494, de 20 de junho de 2007.

Nossa luta deve ser pelo reajuste de 15.93%, pois esse é o percentual aplicado ao reajuste do VALOR ALUNO/ANO em 2010. A CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) defende esse percentual e a aplicação do mesmo corresponde a um PISO de R$ 1.312,85 para uma jornada de 40h de um professor com formação em nível médio, diferente do PSEUDO-PISO de R$ 1.024,67, defendido pela União, Estados e Municípios.

Não devemos nos deixar levar pela fala dos defensores de uma política minimalista de valorização dos profissionais da Educação, que vão desde o Presidente Lula, passando pelo ministro Fernando Haddad e a quase totalidade dos gestores municipais e estaduais da pasta da educação, que querem nos fazer acreditar, com base no parecer da AGU (Advocacia Geral da União) que o reajuste do PISO deve ser de apenas 7,86%, o que representa a metade dos 15,9% e significa o total desrespeito ao que estabelece a Lei 11.738/08 (lei do PISO).

Os inimigos dos educadores agem rápido e já aprovaram na Câmara Federal uma proposta de mudança do mecanismo de reajuste do piso. Eles optaram pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao consumidor) como mecanismo único de reajuste do PISO, esse índice apenas repõe a inflação do ano anterior. A proposta é inferior à política de reajuste do salário mínimo. (COMO SERÁ QUE VOTARAM OS DEPUTADOS FEDERAIS MARANHENSES?). Vale aqui ressaltar que a alteração da Lei ainda não foi concretizada, haja vista que, falta ainda a votação no Senado.

Sendo assim, não devemos perder tempo, ano passado os dirigentes do Sindeducação iniciaram tardiamente nossa campanha salarial e o resultado é que até hoje 90% da pauta não foi atendida, nosso reajuste só saiu em agosto, num percentual muito inferior aos 19,21% que tínhamos direito e não foi retroativo a janeiro. Dessa forma, devemos EXIGIR da diretoria do SINDEDUCAÇÃO a convocação de uma assembléia geral da nossa categoria, até o final da primeira quinzena de fevereiro, para construirmos de forma democrática e participativa nossa pauta de reivindicações da campanha salarial de 2010, para a deflagrarmos imediatamente, antes que os INIMIGOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO alterem a Lei do PISO.


Atenção! Participe das nossas reuniões no sindicato dos bancários às terças feiras: 09/02 e 23/02 sempre às 17h30min.



CONTATOS: oposicaosindeducacao@gmail.com

COMUNIDADE NO ORKUT: SOS PROFESSOR-MA

BLOG: http://www.mrp-maranhao.blogspot.com/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …