Pular para o conteúdo principal

60% dos municípios atrasam acerto de contas com o FNDE e podem perder verbas

O prazo para a prestação de contas sobre investimentos educacionais dos municípios brasileiros ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) termina hoje e o processo apresenta um quadro de atraso. Na última atualização, feita ontem à tarde a pedido do Valor, 60% das 5.563 cidades do país ainda não haviam transmitido seus dados para o Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope) e correm o risco de ficar impedidas de acessar recursos do governo federal e ter suspensas verbas de convênios vigentes com União, enquanto a situação permanecer irregular. No caso dos Estados, a plataforma eletrônica estará aberta até 31 de maio para receber as declarações.



A punição vale somente para os recursos de transferências voluntárias negociadas entre prefeituras, parlamentares e o Ministério da Educação (MEC), conforme prevê a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Como a maioria dos municípios - principalmente os pequenos - depende de repasses estaduais e federais, a demora na transmissão das informações pode atrapalhar os planos de muitos secretários municipais de Educação para a construção e reforma de escolas e aquisição de materiais. Transferências constitucionais, como as que garantem o Fundeb, não são afetadas.



O coordenador do Siope, Paulo Cesar Malheiro, explica que prefeituras em situação irregular estão inelegíveis, por exemplo, para obter empréstimos do programa federal Pró-Infância, que foi incluído no PAC 2 para acelerar a construção de 1.500 novas creches em todo o país. Os municípios atrasados também perdem o direito de acessar o orçamento de mais de R$ 600 milhões que o MEC oferece no Caminho da Escola, que conta com financiamentos especiais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a compra de ônibus escolares. Segundo levantamento da ONG Contas Abertas, as transferências voluntárias do MEC para as prefeituras brasileiras em 2009 totalizaram R$ 2,272 bilhões.



"A maioria dos entes federados deixa para a última hora. Não vou me surpreender se tiver 3 mil municípios devendo declarações na segunda-feira. Mas como eles dependem dos recursos e a transmissão é muito simples, o desespero bate e as transmissões começam a entrar", comenta Malheiro. Ele explica que o Siope está interligado com os tribunais de contas municipais. "Se a prefeitura tiver alguma pendência no tribunal de contas, a declaração para o Siope atrasa."



A prefeitura de Tutoia, no norte do Maranhão, a 350 quilômetros de São Luís, perdeu R$ 9 milhões porque não prestou contas ao FNDE. "É um mar de dinheiro para um município pequeno", opina Malheiro. O assessor jurídico da prefeitura de Tutoia, Carlos Sérgio de Carvalho Barros, joga a culpa na gestão anterior do prefeito Zilmar Melo Araújo (PMDB). "Até hoje não há prestação de contas nem para o Siope nem para nenhuma outra área. Só conseguimos receber as transferências atualmente porque entramos com mais de dez liminares na Justiça federal."



Acusada de diversas irregularidades e sem direito aos repasses federais, a administração local atrasou os salários dos funcionários públicos em três meses. Depois das eleições municipais de 2008, que marcaram a derrota de Melo Araújo, mais de 200 servidores, na maioria professores da rede pública de Tutoia, depredaram e saquearam a casa do ex-prefeito.



A situação é diferente em Alto Boa Vista, interior de Mato Grosso. A cidade se destaca por ter sido a primeira a enviar os dados da gestão da educação ao Siope este ano. Segundo o tesoureiro da prefeitura Carlos da Silva Pereira, a orientação é dar agilidade à burocracia da máquina pública para não correr riscos de receber recursos em atraso. "Quanto mais rápido melhor", afirma. EM 2009, a cidade recebeu R$ 146,9 milhões de repasses do FNDE.

Fonte: CNTE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Gov. Flávio Dino manobra para prejudicar os professores

GOVERNO DE FLÁVIO DINO APLICA MAIS UM GOLPE NOS PROFESSORES
Após descumprimento reiterado da lei do piso, com única exceção no ano de 2015; mutilação do Estatuto do Magistério (Lei 9.860/2013) de forma a provocar a curto prazo um verdadeiro achatamento salarial; utilizar-se de ardil, com apoio do Ministério Público para opor recurso sobre as execuções da Ação de Descompressão Salarial e assim não cumprir com o determinado na sentença para pagar os professores o valor relativo ao interstício de 5% não cumprido; o governo do estado mais uma vez mostra que não respeita ou prestigia a categoria e ataca as execuções sobre a incorporação e pagamento da diferença salarial de 21,7%, interpondo recurso denominado de exceção de pré-executividade nas execuções. As execuções estão sendo interpostas em razão de decisão do STF, transitada em julgado, em ação interposta pelo SINTEP/MA(Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado do Maranhão), em que o governo do estado do Maranhão deverá d…