Pular para o conteúdo principal

REUNIÃO REALIZADA COM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS

A OPOSIÇÃO AO SINDEDUCAÇÃO esteve reunida com a secretária municipal de educação,
 reunião ocorrida hoje dia 13/05 (11:00 às 15:00). Foi um extenso tempo de explanações das duas partes, SEMED e Professores.




A secretária, por várias vezes ficou sem respostas para os argumentos apresentados pela OPOSIÇÃO.





Ao final, o grupo de professores que representaram a OPOSIÇÃO AO SINDEDUCAÇÃO, entregou o documento abaixo, reinterando a defesa dos DIREITOS DA CATEGORIA.



REUNIÃO REALIZADA COM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS-(SEMED)

São Luís, 13 de Maio de 2010, Sede da SEMED



Excelentíssima Senhora Secretária de Educação,

As mobilizações que, agora, ganham força entre os educadores de todo o município de São Luís decorrem, antes de tudo, da situação limite em que esses bravos profissionais se encontram. As promessas de melhorias do sistema de ensino público municipal e das condições salariais e de valorização de seus profissionais tem se transformado, nos sucessivos governos, em meras “palavras vazias”, quando discursadas, e em “letras mortas”, quando materializadas em programas de campanhas eleitorais.

A situação real depõe contra as propagandas ficcionais. As salas de aulas continuam super lotadas, muitas escolas sem a mínima condição de funcionamento, especialmente os anexos. Profissionais concursados trabalhando como contratados e, ainda por cima, com salários atrasados; situação não muito diferente dos colegas que tiveram suas jornadas de trabalho ampliadas sem recebimento salarial condizente com tal condição. Na mesma direção, senhora secretária, seguem centenas de trabalhadores em educação que estão há mais de dois anos pleiteando a assinatura de suas titulações e progressões, alguns do quais, dependendo desse ato para que possam se aposentar.

Por outro, não conseguimos entender o porquê do governo municipal se negar a reajustar os salários dos seus docentes com base no repasse aluno/ano, tendo em vista que, o mesmo é repassado todo primeiro de janeiro de cada ano. Em 2009 o repasse foi de R$ 137,9 milhões que equivale a um aumento 19,21% em relação ao ano anterior, mas nosso reajuste foi de penas 8%. Esse ano o repasse teve um reajuste de 15,8%, que somando com o percentual que nos foi subtraído em 2009 chega aos 27,5 % que estamos pleiteando, inquestionavelmente, para 2010. A esses valores não agregamos a defasagem salarial dos últimos três anos (2007, 2008, 2009), que somados chegaria a mais de 35%.

Salienta-se ainda, que salta aos olhos, o flagrante processo de privatização da educação pública municipal via terceirização de seus serviços essenciais, como vigilância, limpeza, merenda escolar, etc em que os trabalhadores são submetidos a salários de miséria e em sua maioria atrasados.

Diante desse quadro, e da insatisfação generalizada entre todos os profissionais da educação do município de São Luís, nós que compomos o movimento de oposição a atual direção sindical, não temos dúvida que há apenas dois caminhos a se trilhar:

1. A sensibilidade desse governo em atender tais reivindicações da categoria, que ainda são muito tímidas, se comparadas às necessidades objetivas que o nosso sistema de ensino municipal se depara, tanto do ponto de vista da valorização salarial de seus profissionais, como do ponto de vista da estrutura e de gestão escolar, como eleição direta para diretores.

2. Mesmo como contra tendência natural à vontade de uma categoria que se preocupa com os filhos da classe trabalhadora que estudam nesses recintos, entendemos que o não atendimento de nossas reivindicações, não haverá outra saída senão o movimento paredista (grevista.).

Por último, urge salientar que, apesar da legitimidade que a base dessa categoria nos concede, devido à coerência de nossas posturas políticas, não nos julgamos, de modo algum, representantes legais dos mesmos, função essa que cabe atual gestão do SINDEDUCAÇÃO. Por outro lado, somos conscientes que nada nos impede, enquanto organização de oposição, a expor nossas posições em relação à negociação entre categoria e a SEMED, ainda mais por que entendemos que toda e qualquer decisão sobre os rumos da luta de nossa categoria deve ser tomada em suas instâncias deliberativas, sendo a assembleia de seus associados a mais soberana de todas.

OPOSIÇÃO AO SINDEDUCAÇÃO

Comentários

O meu anexo do vovó Anita Cidade Operária é pior que chiqueiro.......

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …