Pular para o conteúdo principal

DIRETORIA DO SINDEDUCAÇÃO ABANDONA ASSEMBLÉIA PARA NÃO SER DERROTADA MAIS UMA VEZ E MANIPULA RESULTADO PARA AGRADAR O PATRÃO.

Companheir@s, acabamos de constatar que a diretoria do SINDEDUCAÇÃO não tem compromisso e respeito para com a nossa categoria. A assembleia transcorria dentro da normalidade, até o momento em que, quem estava coordenando a mesa, cometeu um erro, ao encaminhar a votação sem explicar como ela deveria acontecer. Diante da falta dos esclarecimentos previos, sobre a forma como ela deveria acontecer, e se deu a votação de forma muito tumultuada, resultando na impossibilidade de se perceber por contraste, o número exato de votos de cada proposta, apesar das fotos evidenciarem que a maioria dos cartões eram de cor amarela, que representavam a continuidade da GREVE. Nesse momento a presidente do SINDICATO e parte da diretoria, na iminência de serem outra vez derrotados, se retiraram do recinto e não atenderam os apelos para que se fizesse uma votação em separado, para que pudessemos contabilizar os votos de cada proposta.
Diante da fuga de parte da diretoria, resolvemos contabilizar na presença de todos o número de votos obtidos pela proposta de continuidade da greve, obtendo um total de 184 votos e 9 votos a favor do fim da greve. Em seguida falamos com o advogado do sindicato e este foi em busca da lista dos professores que compareceram a assembleia. Após algum tempo, este retorna, não com a lista de presentes, mais tão somente com o suposto número de presentes, num total de 437. Sabemos nós que esse número não é confiável pois a listagem não foi socializada  e muito menos se fez a contabilização da mesma, diante da categoria presente no sindicato.Vamos solicitar por escrito a listagem e se for necessário vamos ajuizar ação na justiça para garantir a realização de uma nova assembleia o quanto antes, na medida em que, a assembleia de hoje não tem validade alguma, pois esta não foi concluída, portanto, A GREVE CONTINUA!




VEJAM SÓ O QUE ELES JÁ COLOCARAM NO SITE DO SINDICATO. (Quanta eficiência! Eles aprotaram rapidamente esta nota ou será que ela já estava pronta?)

RESULTADO DA VOTAÇÃO:
 TOTAL DE PRESENTES: 437
NÚMERO DE VOTOS PELA CONTINUIDADE DA GREVE: 180
NÚMERO DE VOTOS PELO FIM DA GREVE: 257

Afirmamos que esse resultado é fraudulento, primeiro por que eles não contabilizaram o número de presentes e nem os supostos 257 votos pelo fim da greve, na presença de todos, essa contabilização foi feita as escondidas, dentro de uma das salas do sindicato. Ah! vale lembrar que a diretoria colocou, inclusive, alguns funcionários do sindicato  para votar pelo fim da greve, como se eles fossem  membros da categoria.







• FIM DA GREVE


A Direção do SINDEDUCAÇÃO vem a público informar que, em assembléia geral realizada no dia 31 de julho de 2010, na sede do sindicato, foi deliberada, por maioria, a aceitação da pauta do acordo proposto pelo Município de São Luís/MA e, por consequência, o fim do movimento paredista. Da pauta de reivindicações que fundamentou a deflagração do movimento de greve, apenas o percentual de reajuste de vencimento não teve avanço, permanecendo em 8%. O acordo aprovado em assembléia será apresentado ao Tribunal de Justiça do Maranhão, e será subscrito pela Procuradoria Geral do Município e pelo SINDEDUCAÇÃO, devendo ser homologado em juízo.O SINDEDUCAÇÃO informa que a homologação do acordo judicial será informada através dos meios de comunicação.

Por fim, a Direção do SINDEDUCAÇÃO orienta a categoria a retornar ao trabalho após a divulgação da homologação do acordo em juízo.



São Luís, 31 de julho de 2010.

A DIRETORIA.

Companheiros, atentem para o destaque que fizemos na nota oficial do sindicato acima, só devemos retornar às aulas após a homologação oficial do acordo. Será que a prefeitura irá homologar esse resultado fraudulento? pela garantia de direitos, a greve deve continuar! ESSE NÃO É O MOMENTO DE PARAR!

Comentários

Francisca Elias disse…
Já era um jogo de carta marcada. Só armação...molecagem.
Temos q movimentar para mostrar que a greve continua.
Abraços!
Francisca Elias
Francisca Elias disse…
Sim, num instante o site do sindicato ficou atualizado. Tanto subterfúgio para uma proposta evidente...sem novidade alguma... Bando d safados(as)...cada um tem seu preço! Sem contar q vivem a nossas custas para representar seus interesses particulares. Pelo menos caiu a máscara.
Francisca Elias
Marcio Freire disse…
È triste ver companheiros sem dignidade, se vendendo e ignorando todos os que os elegeram para nos defenderem. É o retrato da educacão no Brasil, vendida para os interesses políticos mais deploráveis. Sugiro que trabalhemos ate o final do ano letivo de preto, em luto pela morte do sistema educacional publico de sao luis. Vamos denunciar tudo de podre e fétido que é mantido por essas gestoes maniqueistas e enganadoras.
Nossas crianças têm o direito a uma educação de qualidade, nao um sistema perverso que só contabiliza numeros.

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …