Pular para o conteúdo principal

professora REPUDIA A POSTURA DA DIRETORIA DO SINDEDUCAÇÃO.

Queridos colegas, não poderia deixar de emitir minha nota de repúdio ao Sindeducação sobre a Assembléia do dia 31 de julho, a saber:



Professora Lindalva e demais Membros da Presidência do Sindicato.


Não sou ligada a partido A, B ou de Pessoal C ou D? Sou um membro daqueles professores que estão na lista dos 361 das progressões verticais e que não teve seu voto computado sobre fim ou continuidade da greve, porque visualmente, não poderia ser visto ou contado, e , também não deliberei sobre as quantidades de parcelas que devem ser pagas para essas progressões. Por não ter sido vista e ouvida, uma vez que participei ativamente das reuniões e atos públicos desse movimento paredista, no qual a senhora também fez parte. Então, como posso aceitar passivamente essa condução do dia 31 de julho sobre o fim da greve? Se nem fui ouvida e nem vista, como também outros professores, pois visualmente a mesa não poderia contar o meu voto e nem daqueles outros professores? Por que após a sua retirada da sede do sindicato, os auxiliares de manutenção da  sindicato, arrancaram as cadeiras das mãos dos professores e determinaram que apagassem as luzes e ventiladores do auditório? Acredito que a senhora juntamente com os demais membros da presidência ganhariam o nosso respeito e admirações se ficassem até o fim da Assembléia, pois, infelizmente, a senhora não vai retornar para a escola com o sentimento de derrota e luto, dos quais permeiam às mentes e corpos dos professores da rede municipal. Digo isso, porque não costumo irar-me contra situações indignas, porque sei que todos os mentirosos e idólatras terão seu julgamento final, deixo essa ira ao Nosso Pai.




Professora Regina Célia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …