Pular para o conteúdo principal

15 de outubro, Dia do professor/a. Temos razões para comemorar?

Após refletir bastante sobre o exercício do magistério no Maranhão, seja na rede estadual ou nas redes municipais, decidi discorrer sobre a nossa desalentadora realidade.

Sofremos diariamente, na pele, no bolso e na alma, as graves conseqüências de uma política governamental que objetiva, explicitamente, o desmonte da escola pública, tanto em nosso estado, quanto em nosso país. O Brasil, O Maranhão e a maioria dos municípios brasileiros não dispensam a devida atenção ao ensino público, isso é fato! Nossos governantes e os representantes do legislativo, só elegem a educação como uma das suas prioridades, quando estão em campanha eleitoral. Eleitos, imediatamente dão continuidade à política de desmonte da escola pública e conseqüentemente, de precarização do trabalho docente. Parece regra geral, e aqui não há exceções, os governos de plantão, defendem e dão continuidade a política de investimento mínimo na educação pública, ano após ano. Essa escolha tem um preço muito alto, na medida em que vitima Professores e alunos. Os primeiros sofrem de todas as formas: baixos salários (que os empurram para duplas ou triplas jornadas); direitos negados e usurpados; salas super lotadas; carência de materiais de trabalho; problemas de saúde adquiridos no exercício do magistério, etc. Como se isso tudo não bastasse, nossos sindicatos (SINPROESEMMA, SINDEDUCAÇÃO e outros), têm diretorias que não defendem nossos interesses e geralmente funcionam como linha auxiliar dos governos.

Nossos alunos, inegavelmente, são as maiores vítimas, pois recebem um ensino de baixa qualidade, em função do não aparelhamento pedagógico e estrutural das nossas escolas, muitas não contam com a estrutura mínima para funcionarem. A maioria das escolas maranhenses não dispõe de bibliotecas, laboratórios de ciências e informática; quadras poli-esportivas; corpo docente completo e com a devida habilitação. Toda essa conjuntura, extremamente desfavorável, não pode resultar em avanços educacionais, como alguns governos insistem em noticiar.

Em fim, necessitamos reconhecer que muito precisa ser feito para que possamos transformar essa realidade adversa da escola pública maranhense. Vale ressaltar que essa transformação não será obra de um messias, político ou governante, ela só se efetivará se todos nós (professores, gestores, demais educadores e alunos) despertarmos para a necessidade de se fazer a luta coletiva e permanente, buscando garantir, de todas as formas, a melhoria do ensino público e a nossa VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL. Certamente, esta transformação só será consolidada se, mais e mais educadores engajarem-se nesta luta. Somente assim, dentro em breve, poderemos ter razões reais para celebrar no dia 15 de outubro.

Apesar de tudo, aproveito a data para parabenizar a todos os professores e professoras maranhenses, em especial aqueles e aquelas que exercem o magistério no chão da escola pública, seja ela estadual ou municipal. Afinal de contas, mesmo com tantas dificuldades ainda conseguimos minimamente, educar e esta educação vem fazendo a diferença, na medida em que, promove a emancipação cultural e social de milhares de jovens maranhenses. FELIZ DIA DO PROFESSOR!


Professor Antonísio Furtado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…