Pular para o conteúdo principal

2009 e as consequências de uma escolha.

Há dois anos, os professores da rede estadual amargam as consequências da manobra realizada pela diretoria do SINPROESEMMA, que só serviu para fortalecer as políticas do governo: de arrcho salarial e da negação de direitos. Naquele ano, a lei do Piso (nº 11.738/08) determinava que todas as redes de ensino do país (DF; estados e municípios) deveriam, até 31 de dezembro de 2009, adequar ou ELABORAR seus planos de carreira e remuneração do Magistério público da educação básica, conforme disposto no parágrafo único do artigo 206 da constituição federal.


O que fez a diretoria do nosso sindicato na época? Os diretores do sindicato num primeiro momento decidiram não encampar a luta iniciada pelos professores, aqui na capital, em prol da implantação do nosso Plano de Carreira (PC). Em seguida, manobraram mais uma vez e sem realizar nenhum FÓRUM deliberativo da categoria, decidiram de forma autoritária e unilateral, desconhecer a lei do Piso e a necessidade de elaboração do nosso PC. A partir daí, passaram a defender a construção do ESTATUTO DO EDUCADOR.


Essa mudança, numa breve análise, pareceu não prejudicar a nossa categoria. Na medida em que o tempo avançou, percebemos e já contabilizamos várias perdas, o que só demonstra que a coisa não é tão simples como muitos achavam e/ou defendiam.


Primeiro, quando o sindicato optou por não cobrar do governo a elaboração do PC dos profissionais do magistério e decidiu defender a elaboração do ESTATUTO DO EDUCADOR, ele colaborou com o governo, que a partir de então não se sentiu mais pressionado, na medida em que inexiste lei (federal ou estadual) que determine prazo para a elaboração de estatuto. Segundo, de lá para cá, o processo se arrasta lentamente e não sabemos quando esse martírio terá fim. O governo foi tão beneficiado pela manobra do sindicato, nos idos de 2009, que nos deixou sem o reajuste de 2010, não concedeu nenhuma progressão/titulação até então. Hoje, está tão a vontade que já faz proposta de APROVAR O NOVO ESTATUTO em 2011, porém, alega só poder implantá-lo progressivamente, a partir de 2012.


Vale ressaltar que, nós colaboramos direta ou indiretamente com essa conjuntura, na medida em que contribuímos de várias formas com esse estado de coisas e fazemos isso quando:


Acreditamos nas promessas do governo, na fala dos diretores das escolas;


Não participamos dos fóruns deliberativos do nosso sindicato;


Não percebemos que somente a luta coletiva poderá garantir o novo estatuto;


Deixamos de acreditar na força da luta para acreditar em qualquer outra coisa.


O episódio de 2009, serve também para demonstrar à nossa categoria que a luta de classe, em prol de direitos DOS TRABALHADORES pode até ser adiada, em função das manobras dos PELEGOS DE PLANTÃO, porém, mais cedo ou mais tarde, ela será deflagrada.
Por último afirmamos, a atual conjuntura, nos impõe uma escolha, se verdadeiramente entendemos e desejamos garantir a regulamentação da nossa carreira profissional, teremos que ir a luta, caso contrário, ficaremos a mercê da boa vontade do governo, se é que o atual, soube algum dia o que é isso.

Comentários

Amanda Luanna disse…
Diante de tudo isso, só me resta perguntar:Que fazer então?

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…