Pular para o conteúdo principal

2009 e as consequências de uma escolha.

Há dois anos, os professores da rede estadual amargam as consequências da manobra realizada pela diretoria do SINPROESEMMA, que só serviu para fortalecer as políticas do governo: de arrcho salarial e da negação de direitos. Naquele ano, a lei do Piso (nº 11.738/08) determinava que todas as redes de ensino do país (DF; estados e municípios) deveriam, até 31 de dezembro de 2009, adequar ou ELABORAR seus planos de carreira e remuneração do Magistério público da educação básica, conforme disposto no parágrafo único do artigo 206 da constituição federal.


O que fez a diretoria do nosso sindicato na época? Os diretores do sindicato num primeiro momento decidiram não encampar a luta iniciada pelos professores, aqui na capital, em prol da implantação do nosso Plano de Carreira (PC). Em seguida, manobraram mais uma vez e sem realizar nenhum FÓRUM deliberativo da categoria, decidiram de forma autoritária e unilateral, desconhecer a lei do Piso e a necessidade de elaboração do nosso PC. A partir daí, passaram a defender a construção do ESTATUTO DO EDUCADOR.


Essa mudança, numa breve análise, pareceu não prejudicar a nossa categoria. Na medida em que o tempo avançou, percebemos e já contabilizamos várias perdas, o que só demonstra que a coisa não é tão simples como muitos achavam e/ou defendiam.


Primeiro, quando o sindicato optou por não cobrar do governo a elaboração do PC dos profissionais do magistério e decidiu defender a elaboração do ESTATUTO DO EDUCADOR, ele colaborou com o governo, que a partir de então não se sentiu mais pressionado, na medida em que inexiste lei (federal ou estadual) que determine prazo para a elaboração de estatuto. Segundo, de lá para cá, o processo se arrasta lentamente e não sabemos quando esse martírio terá fim. O governo foi tão beneficiado pela manobra do sindicato, nos idos de 2009, que nos deixou sem o reajuste de 2010, não concedeu nenhuma progressão/titulação até então. Hoje, está tão a vontade que já faz proposta de APROVAR O NOVO ESTATUTO em 2011, porém, alega só poder implantá-lo progressivamente, a partir de 2012.


Vale ressaltar que, nós colaboramos direta ou indiretamente com essa conjuntura, na medida em que contribuímos de várias formas com esse estado de coisas e fazemos isso quando:


Acreditamos nas promessas do governo, na fala dos diretores das escolas;


Não participamos dos fóruns deliberativos do nosso sindicato;


Não percebemos que somente a luta coletiva poderá garantir o novo estatuto;


Deixamos de acreditar na força da luta para acreditar em qualquer outra coisa.


O episódio de 2009, serve também para demonstrar à nossa categoria que a luta de classe, em prol de direitos DOS TRABALHADORES pode até ser adiada, em função das manobras dos PELEGOS DE PLANTÃO, porém, mais cedo ou mais tarde, ela será deflagrada.
Por último afirmamos, a atual conjuntura, nos impõe uma escolha, se verdadeiramente entendemos e desejamos garantir a regulamentação da nossa carreira profissional, teremos que ir a luta, caso contrário, ficaremos a mercê da boa vontade do governo, se é que o atual, soube algum dia o que é isso.

Comentários

Amanda Luanna disse…
Diante de tudo isso, só me resta perguntar:Que fazer então?

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…