Pular para o conteúdo principal

ESTATUTO DO EDUCADOR. Essa novela não tem fim?

Companheir@s, a novela em torno da elaboração e aprovação do ESTATUTO DO EDUCADOR parece não ter fim. Em função disso, nossa categoria, a cada ano é penalizada, na medida em que amarga perdas, que vão desde a NÃO CONCESSÃO DO REAJUSTE ANUAL, como acorreu em 2010, a não garantia de direitos outros, como por exemplo, citamos: A NÃO CONCESSÃO DAS PROGRESSÕES, TITULAÇÕES E PROMOÇÕES. Também registramos a problemática em torno da NÃO CONCESSÃO DAS APOSENTADORIAS para vários professores recém promovidos.

Além disso, temas importantes não são regulamentados, como por exemplo:

O processo de implantação da gestão democrática nas unidades escolares e nas URE's;

A política de formação continuada dos educadores.

A realização de Concurso público para todos os profissionais da educação.

Tudo isso precariza o trabalho dos educadores e afeta diretamente a QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL.

Só para não esquecermos, esse processo foi INICIADO no governo Jacksom, em 2007. Na época, respondia pela SEDUC o secretário Lourenço V. da Silva. De lá para cá, se tivemos avanços, eles são inexpressivos, na medida em que continuamos da mesma forma que nos encontrávamos em 2007 . Estamos em 2011, pela pasta da educação já passaram, 3 secretários (LOURENÇO, CÉSAR PIRES, ANSELMO RAPOSO), em 2 GOVERNOS. Atualmente, responde pela SEDUC Olga Simão e o que esta tem dito é que esse processo não será concluído em 2011. A proposta do governo Roseana é de começar a implantar o novo estatuto só em 2012. Enquanto isso, nós CONTINUAREMOS A SER VÍTIMAS DAS POLÍTICAS DE ARROCHO SALARIAL E DE NEGAÇÃO DE DIREITOS.

Por que tanta demora na conclusão desse processo?

Primeiro está explicito que a educação e a valorização dos educadores NUNCA FOI PRIORIDADE NOS GOVERNOS JACKSOM E ROSEANA.

Também está explícito que a diretoria do SINPROESEMMA, desde o início desse processo fez e faz corpo mole, na medida em que peca por omissão ao não CONCLAMAR A CATEGORIA PARA PARTICIPAR ATIVAMENTE DESSE PROCESSO e quando decidi agir, esquece de combinar com a categoria e o desfecho dessas ações são tristes, por exemplo, citamos a greve de 144 horas que não paralisou quase nenhuma escola. Também registramos que nesse período, vários membros da diretoria do sindicato optaram por ocupar cargos no governo, ao invés de trabalhar em prol da categoria. No governo Jackson a secretaria adjunta de educação foi ocupada por uma pessoa ligada aos diretores do sindicato e, agora, no governo Roseana, simplesmente, o VICE-PRESIDENTE do SINPROESEMMA é membro da cúpula da SEDUC.

Hoje, DIANTE DESSE QUADRO, temos duas certezas.

1- Se depender da vontade do governo, as coisas vão continuar como estão por um bom tempo. Basta analisar as últimas ações governamentais.

2- Nós temos a capacidade de alterar o lento andamento desse processo, vejamos: Já são 4 anos de espera. Precisamos mudar nosso posicionamento, temos que sair da passividade e partir para a organização e mobilização da nossa categoria. Agindo assim, não temos dúvidas, poderemos edificar um forte movimento para realizar um real enfrentamento às ações desse governo, que já deu provas de que a tal da REVOLUÇÃO NA EDUCAÇÃO prometida em campanha eleitoral ano passado, é pura lorota.

Educador (a) acredite! Nós podemos e devemos agir no sentido de garantir, ainda esse ano, a APROVAÇÃO E A IMPLANTAÇÃO INTEGRAL DO NOVO ESTATUTO. O sucesso da nossa luta depende, diretamente, da intensidade da força que imprimiremos ao movimento que objetiva esse fim.

Comentários

schalcher007 disse…
Parabens pelas atualizações das notícias em seu blog.

Se quiser conhecer o meu é esse:
http://schalcher007.blogspot.com/

Att,
prof. Schalcher

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …