Pular para o conteúdo principal

Governo negocia nova proposta para aprovação do Estatuto.

Depois de aprovar greve em assembléia geral na manhã desta quarta-feira, (23), em São Luis, a direção do SINPROESEMMA foi chamada às pressas até a sede da Secretaria de Educação do Estado (Seduc), para na presença dos secretários estaduais Luis Fernando (Chefe da Casa Civil) e Olga Simão (Educação), adjuntos e demais assessores, discutirem as políticas para aprovação e implantação do Estatuto do Educador.


A iniciativa se deu, logo após os gestores do governo tomar conhecimento da aprovação pela maioria dos trabalhadores nas variadas assembléias realizadas por todo o Estado. Na ocasião, o governo apresentou propostas para a implantação do Estatuto do Educador, que seguiram após considerações apresentadas sobre verbas limitadas. Os representantes do governo propuseram o corte de verbas de custeio da educação e investimento que venha possibilitar o reajuste salarial da categoria.

Envio da proposta
Segundo o presidente do SINPROESEMMA, Júlio Pinheiro, a proposta do reajuste do governo foi de dez por cento (10%), a partir de 1º de outubro deste ano (2011), além do imediato envio da proposta do Estatuto do Educador à Assembléia Legislativa.

Pinheiro fala que o governo alega não ter recursos suficientes para a implantação imediata de toda a tabela apresentada pelo Sindicato, “por isso propõe a alocação no valor de 200 milhões de reais, que servirão para iniciar a implantação do Estatuto do Educador”, ressaltou o dirigente sindical.

Os diretores presentes, no entanto, propuseram a recomposição salarial como parte da implantação da tabela, que se dará até o próximo mês de abril. Além disso, a direção propôs o contingenciamento de recursos de outras áreas para contemplar as necessidades da educação. “Sugerimos que o governo tire recursos do pagamento da dívida do Estado, aonde segundo o Secretário Chefe da Casa Civil, atualmente chega a 14%, do orçamento estadual”, destacou Pinheiro.

A o final da discussão, o governo do Estado ficou de estudar e formalizar uma proposta de forma imediata.


Considerações do MRP sobre a nota acima:



Vejam só:


Primeiro está explícito que a reunião tratou apenas da APROVAÇÃO DO NOVO ESTATUTO. Por que será que não se falou, por exemplo, da concessão das PROGRESSÕES E TITULAÇÕES? DA NOMEAÇÃO DOS EXCEDENTES? Dentre outras pautas.



O governo age com muito profissionalismo e tenta ganhar mais tempo, diante da inexperiência dos nossos representantes e de pronto já afirma: Não temos recursos e reajuste só em outubro. Os diretores do sindicato falaram em contingenciamento de recursos. Só isso não basta, por que não falaram dos recursos vinculados constitucionalmente à manutenção e desenvolvimento do ensino? A receita do Fundeb que vem tendo um crescimento considerável,(a previsao para este ano supera a casa de 1 bilhão de reais) não foi discutida por quê?

Entendemos que está mais do que explícito que DEVE HAVER, O QUANTO ANTES, UM DIÁLOGO FRANCO ENTRE DIRETORIA DO SINDICATO E A BASE. Ou democratizamos as decisões nesse processo de luta, ou dificilmente alcançaremos a conquista dos anseios e necessidades da nossa categoria. Nesse estágio da negociação, parece prematuro afirmar, mas já percebemos que há certo distanciamento entre os anseios da categoria e os desejos da diretoria do sindicato.
Sendo assim, estamos esperando o que para agir?





Comentários

ghabriela disse…
A PERGUNTA É:
O QUE MOVE A DIREÇÃO DO SINDICATO? ATÉ QUANDO ESSA MOTIVAÇÃO EXISTIRÁ? JÁ SABEMOS QUE OS REAIS INTERESSES DA CATEGORIA NÃO CONTAM (NÃO PODEMOS ESQUECER DAS ÚLTIMAS GREVES E MOVIMENTOS). COMO A CATEGORIA SAIRÁ DESTE MOMENTO?

COMO ACREDITAR NA DIREÇÃO DE UM SINDICATO QUE DEIXA SEUS MANTEDORES NO MEIO DA PRAÇA, SEM LENÇO NEM DOCUMENTO E ATÉ SEM TER COMO VERBALIZAR A SUA INDIGNAÇÃO CONTRA O INIMIGO QUE DEVERIA SER COMUM A TODOS OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO??????
Querida, procedem todos os teus questionamentos.Agora, nossa situação é tão complicada que, nesse caso, a melhor coisa a fazer é ir a luta, pois esse governo que aí está é dificil.Corremos vários riscos sim, entretanto, se desejamos conquistar alguma coisa, teremos que encampar a luta.

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …