Pular para o conteúdo principal

Governo negocia nova proposta para aprovação do Estatuto.

Depois de aprovar greve em assembléia geral na manhã desta quarta-feira, (23), em São Luis, a direção do SINPROESEMMA foi chamada às pressas até a sede da Secretaria de Educação do Estado (Seduc), para na presença dos secretários estaduais Luis Fernando (Chefe da Casa Civil) e Olga Simão (Educação), adjuntos e demais assessores, discutirem as políticas para aprovação e implantação do Estatuto do Educador.


A iniciativa se deu, logo após os gestores do governo tomar conhecimento da aprovação pela maioria dos trabalhadores nas variadas assembléias realizadas por todo o Estado. Na ocasião, o governo apresentou propostas para a implantação do Estatuto do Educador, que seguiram após considerações apresentadas sobre verbas limitadas. Os representantes do governo propuseram o corte de verbas de custeio da educação e investimento que venha possibilitar o reajuste salarial da categoria.

Envio da proposta
Segundo o presidente do SINPROESEMMA, Júlio Pinheiro, a proposta do reajuste do governo foi de dez por cento (10%), a partir de 1º de outubro deste ano (2011), além do imediato envio da proposta do Estatuto do Educador à Assembléia Legislativa.

Pinheiro fala que o governo alega não ter recursos suficientes para a implantação imediata de toda a tabela apresentada pelo Sindicato, “por isso propõe a alocação no valor de 200 milhões de reais, que servirão para iniciar a implantação do Estatuto do Educador”, ressaltou o dirigente sindical.

Os diretores presentes, no entanto, propuseram a recomposição salarial como parte da implantação da tabela, que se dará até o próximo mês de abril. Além disso, a direção propôs o contingenciamento de recursos de outras áreas para contemplar as necessidades da educação. “Sugerimos que o governo tire recursos do pagamento da dívida do Estado, aonde segundo o Secretário Chefe da Casa Civil, atualmente chega a 14%, do orçamento estadual”, destacou Pinheiro.

A o final da discussão, o governo do Estado ficou de estudar e formalizar uma proposta de forma imediata.


Considerações do MRP sobre a nota acima:



Vejam só:


Primeiro está explícito que a reunião tratou apenas da APROVAÇÃO DO NOVO ESTATUTO. Por que será que não se falou, por exemplo, da concessão das PROGRESSÕES E TITULAÇÕES? DA NOMEAÇÃO DOS EXCEDENTES? Dentre outras pautas.



O governo age com muito profissionalismo e tenta ganhar mais tempo, diante da inexperiência dos nossos representantes e de pronto já afirma: Não temos recursos e reajuste só em outubro. Os diretores do sindicato falaram em contingenciamento de recursos. Só isso não basta, por que não falaram dos recursos vinculados constitucionalmente à manutenção e desenvolvimento do ensino? A receita do Fundeb que vem tendo um crescimento considerável,(a previsao para este ano supera a casa de 1 bilhão de reais) não foi discutida por quê?

Entendemos que está mais do que explícito que DEVE HAVER, O QUANTO ANTES, UM DIÁLOGO FRANCO ENTRE DIRETORIA DO SINDICATO E A BASE. Ou democratizamos as decisões nesse processo de luta, ou dificilmente alcançaremos a conquista dos anseios e necessidades da nossa categoria. Nesse estágio da negociação, parece prematuro afirmar, mas já percebemos que há certo distanciamento entre os anseios da categoria e os desejos da diretoria do sindicato.
Sendo assim, estamos esperando o que para agir?





Comentários

ghabriela disse…
A PERGUNTA É:
O QUE MOVE A DIREÇÃO DO SINDICATO? ATÉ QUANDO ESSA MOTIVAÇÃO EXISTIRÁ? JÁ SABEMOS QUE OS REAIS INTERESSES DA CATEGORIA NÃO CONTAM (NÃO PODEMOS ESQUECER DAS ÚLTIMAS GREVES E MOVIMENTOS). COMO A CATEGORIA SAIRÁ DESTE MOMENTO?

COMO ACREDITAR NA DIREÇÃO DE UM SINDICATO QUE DEIXA SEUS MANTEDORES NO MEIO DA PRAÇA, SEM LENÇO NEM DOCUMENTO E ATÉ SEM TER COMO VERBALIZAR A SUA INDIGNAÇÃO CONTRA O INIMIGO QUE DEVERIA SER COMUM A TODOS OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO??????
Querida, procedem todos os teus questionamentos.Agora, nossa situação é tão complicada que, nesse caso, a melhor coisa a fazer é ir a luta, pois esse governo que aí está é dificil.Corremos vários riscos sim, entretanto, se desejamos conquistar alguma coisa, teremos que encampar a luta.

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…