Pular para o conteúdo principal

STF adia mais uma vez o julgamento da ADIN que constesta a Lei do PISO.

ADI 4167/2008, que questiona a Lei do Piso do Magistério, está na pauta de julgamento do STF, hoje.


O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Cezar Peluso, incluiu a Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADI 4167/2008, que questiona a Lei do Piso Salarial do Magistério, na pauta de julgamento do Plenário de hoje 17/03/2011, a partir das 14 horas.

Relembremos sinteticamente a Lei 11.738, de 16 de julho de 2008:

a) cria o Piso Salarial Profissional do Magistério; b) fixa o valor de r$ 950,00 à época, para um profissional de nível médio (40 horas semanais); c) estabelece que sua vigência é na data de publicação; d) fixa o mês de janeiro como data base para reajuste do valor do Piso; e) determina que o Piso seja reajustado pelo mesmo índice do custo aluno ano (anos iniciais ensino fundamental urbano); f) regulamenta o horário pedagógico do professor, fixando-o em 1/3 (um terço), ou seja, 33,33% da jornada.

Cinco Estados questionaram a constitucionalidade do Piso:

1. Mato Grosso do Sul;

2. Paraná;

3. Santa Catarina;

4. Rio Grande do Sul

5. Ceará.
O STF, em decisão liminar, estabeleceu:

a) que a vigência do Piso somente poderia iniciar em janeiro/2009; e

b) que, temporariamente, para efeito de cumprimento do Piso, poderiam ser computadas todas as gratificações [ou seja, mudou o conceito de Piso (vencimento) para remuneração (salário bruto)]

Além disso, suspendeu os efeito do dispositivo que trata do horário pedagógico.

A partir daí, a principal discussão no seio das categorias de magistérios e das administrações municipais e estaduais tem sido o valor do Piso.

No início de 2009, através de um Parecer da Advocacia Geral da União, o MEC determinou que valor do Piso - para o ano de 2009, fosse o mesmo fixado na Lei (R$950,00) alegando que, como a vigência da Lei fora adiada para 2009, pelo STF, não poderia o Piso iniciar sua vigência já reajuustado.

Em dezembro/2009, o MEC fixou em R$ 1.024,67, o valor do Piso para 2010.

Recentemente o MEC fixou em R$ 1.187,97, o valor do Piso para 2011.

Em nenhuma das vezes, o MEC aplicou ao reajuste do Piso, o mesmo índice de reajuste do Custo aluno ano.

Por outro lado, a CNM (Confederação Nacional dos Municípios) defende que deve ser usado, para reajustar o Piso, o índice do custo aluno ano referente ao valor efetivamente executado, alegando que existe uma diferença entre o valor do custo aluno fixado no início do ano pelo Governo federal e o valor realmente executado (que é apurado somente no início do ano seguinte).

E, assim, o Piso continua sem definições seguras, o que dificulta ainda seu crumprimento.

O Julgamento de hoje poderá resolver, em parte, as polêmicas que envolve a matéria.

Clique no link e conheça o processo:
http://www.stf.jus.br/portal/pauta/verTema.asp?id=42423#

EM TEMPO: STF ADIA JULGAMENTO
O Presidente do STF, atendendo ao pedido da Frente Parlamentar em Defesa do Piso, coordenada pela Deputada Fátima Bezerra, decidiu adiar o julgamento da ADI 4167/2008.


Na próxima semana, os representantes da Frente Parlamentar serão recebidos pelo presidente do STF e a expectativa é de que a matéria retorne à Pauta, ainda na semana que vem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …