Pular para o conteúdo principal

APRUMA divulga moção de apoio ao movimento dos docentes da rede estadual

Protesto dos trabalhadores em educação do Maranhão paralisa trânsito na BR 135

A manifestação dos trabalhadores em educação pública do estado do Maranhão, paralisou o trânsito durante toda manhã, desta quinta-feira (14), na BR 135, único acesso terrestre à capital, São Luís, contou com o apoio e a participação da Associação dos Professores da Universidade Federal do Maranhão – APRUMA - Seção Sindical do ANDES - Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior, que considerou o movimento significativo pela justeza de suas reivindicações que contribuem para a melhoria do ensino. A APRUMA, também, divulgou moção dos docentes da UFMA, reunidos em assembleia geral da categoria, em apoio ao movimento dos professores da rede estadual.

Os professores do estado do Maranhão, em greve desde o dia 1º de março, lutam em defesa da educação pública de qualidade, aprovação do Estatuto do Educador, aplicação da Lei do Piso Nacional e convocação de todos os nomeados do último concurso, cerca de 3 mil aprovados. De acordo com a diretoria da APRUMA, mesmo que nomeados todos os aprovados não seria, ainda, suficiente para resolver o déficit de professores, nas escolas públicas do Estado, que hoje contam com um número exorbitante de professores contratados a partir de seletivos. O protesto teve como objetivo chamar a atenção da sociedade para a situação de caos que se encontra a rede estadual de ensino, no Maranhão.

A APRUMA denunciou, também, a forma autoritária que o governo do Maranhão está impondo para negociar as demandas do movimento docente e que os professores tem sofrido ameaças por parte dos diretores. “Os professores estão sendo coagidos a assinarem documentos se comprometendo a voltarem para sala de aula, além de terem cortados os pontos, o que pode resultar no corte dos salários”, relatam os professores.

ATO PÚBLICO – Ontem, ocorreu também, um ato público na Praça Deodoro, centro de São Luís, seguido de passeata até o Palácio dos Leões, quando os professores de todo o Estado foram cobrar da Governadora, promessas feitas durante a campanha eleitoral. A professora de Química e advogada Kátia Ribeiro sugeriu, em fala durante o ato público, que se os professores tiverem cortes em seus salários que deixem de pagar as contas e que os empresários, credores cobrem da governadora Roseana.

Os docentes fizeram um enterro simbólico da governadora Roseana Sarney, numa “demonstração do sentimento de revolta dos trabalhadores da educação com a postura do executivo estadual com relação à educação e ao tratamento dispensado aos educadores”, dizem os grevistas.

MOÇÃO DE APOIO

Os professores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA,) reunidos em assembleia geral da categoria, convocados pela APRUMA - Seção Sindical do ANDES - Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior, dia 29/03, deliberaram pelo apoio à greve dos professores da rede estadual, pela justeza de suas reivindicações que contribuem para a melhoria do ensino.

Ao mesmo tempo, denunciam a intransigência da governadora Roseana Sarney e as tentativas de deslegitimar esse importante movimento grevista. Enquanto isso, o mesmo governo que alega não ter recursos para o atendimento da pauta dos professores, pagou mais de R$ 700 milhões para serviço da dívida pública do Estado do Maranhão. Ou seja. tem dinheiro para banqueiro, mas não repassa para a educação.
 
Fonte: http://www.apruma.org.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…