Pular para o conteúdo principal

O dia em que Roberto Costa foi chamado

A oligarquia Sarney avança em suas práticas: a) dinheiro público é dinheiro particular (deles, claro); b) não teve, não tem e jamais terá projeto para o Maranhão e c) trata o justo movimento dos professores da única forma que conhece – com práticas fascistas.

Sobre o avanço no dinheiro público, nada a acrescentar: a imprensa nacional e a PF já fizeram suas obrigações. A Justiça é que falta cumprir com sua parte.

Sobre projetos, a situação miserável e vergonhosa do Maranhão diz tudo.

Restam palavras sobre a greve dos professores e como o Governo Roseana Sarney se comporta diante da situação.

Primeiro, trataram de dizer nos meios de comunicação da família (e até no que se passa por antissarney) e por intermédio de jornalistas de gaveta que a greve dos professores é política. Bom, toda greve deve ser política, não pode é estar a serviço de partidos políticos. Não há qualquer sinal de aparelhamento da greve, diga-se logo. Do contrário, os professores não teriam entrado em greve durante o Governo Jackson Lago, adversário da oligarquia Sarney.

Como o pneu dessa conversa fiada furou, trataram de usar um boneco de ventríloquo. Levantaram a vista e descobriram o ansioso deputado estadual Roberto Costa, cujo currículo se resume a uma frase: “Afilhado de João Alberto”.

O tal deputado tratou de dizer, primeiro, que por trás da greve dos professores estava o ex-deputado federal Flávio Dino. Foi o segundo pneu que furou. Por trás da greve dos professores, durante o Governo Jackson Lago, encontrava-se Roseana Sarney? Claro que não. Professores, banco escolar e greve não são a praia da filha do coronel Sarney.

Entre um jogo e outro de pif-paf, um gênio proclamou:
- Eureka!

Não, eureka, não. É algo muito intelectual para a turma de pif-paf da governadora.

Digamos, então, alguém berrou:

- O buraco é mais embaixo!
Todos ficaram atentos. E o gênio demonstrou o Teorema da Cretinice:

- Vamos botar o Roberto Costa para mentir.

Um entediado ainda soprou:

- Mentir? É o homem certo.

O gênio pôde, enfim, mostrar o Teorema da Cretinice:



- Botamos o Roberto Costa pra dizer que por conta da greve 25 mil famílias ficarão sem o Bolsa Família.

E assim foi feito. Na quarta-feira Roberto Costa tratou de ser ele mesmo: disse que 25 mil famílias iriam ficar sem o Bolsa Família por causa da greve dos professores.

Numa outra rodada de pif-paf alguém achou de dizer que 25 mil famílias era algo irrisório. Alguém chutou:

- Que tal 40 mil famílias?

Um outro brilhou:

- Melhor dizer 65 mil famílias, vira um trocadalho com o número do Flávio Dino.
Discussão vai, discussão vem, toparam os 40 mil, era um número redondo.

E o boneco de ventríloquo voltou à ribalta: agora seriam 40 mil famílias prejudicadas com a greve dos professores.

O jornalista Itevaldo Júnior tratou de contatar a Assessoria de Comunicação do Ministério do Desenvolvimento Social.

A resposta, que não surpreendeu as pessoas com neurônios suficientes, desmascarou a turma do pif-paf. Ninguém perde Bolsa Família por conta de greve de professores.

Roberto Costa não sofreu nenhum arranhão, afinal, com a mentira, só estava sendo ele mesmo, de terno e gravata.


Postado em Política, por Roberto Kenard
17 de abril de 2011 às 12h28min

Comentários

Essa do bolsa escola foi ótima!
Queria saber qual a reação deles!

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…