Pular para o conteúdo principal

O dia em que Roberto Costa foi chamado

A oligarquia Sarney avança em suas práticas: a) dinheiro público é dinheiro particular (deles, claro); b) não teve, não tem e jamais terá projeto para o Maranhão e c) trata o justo movimento dos professores da única forma que conhece – com práticas fascistas.

Sobre o avanço no dinheiro público, nada a acrescentar: a imprensa nacional e a PF já fizeram suas obrigações. A Justiça é que falta cumprir com sua parte.

Sobre projetos, a situação miserável e vergonhosa do Maranhão diz tudo.

Restam palavras sobre a greve dos professores e como o Governo Roseana Sarney se comporta diante da situação.

Primeiro, trataram de dizer nos meios de comunicação da família (e até no que se passa por antissarney) e por intermédio de jornalistas de gaveta que a greve dos professores é política. Bom, toda greve deve ser política, não pode é estar a serviço de partidos políticos. Não há qualquer sinal de aparelhamento da greve, diga-se logo. Do contrário, os professores não teriam entrado em greve durante o Governo Jackson Lago, adversário da oligarquia Sarney.

Como o pneu dessa conversa fiada furou, trataram de usar um boneco de ventríloquo. Levantaram a vista e descobriram o ansioso deputado estadual Roberto Costa, cujo currículo se resume a uma frase: “Afilhado de João Alberto”.

O tal deputado tratou de dizer, primeiro, que por trás da greve dos professores estava o ex-deputado federal Flávio Dino. Foi o segundo pneu que furou. Por trás da greve dos professores, durante o Governo Jackson Lago, encontrava-se Roseana Sarney? Claro que não. Professores, banco escolar e greve não são a praia da filha do coronel Sarney.

Entre um jogo e outro de pif-paf, um gênio proclamou:
- Eureka!

Não, eureka, não. É algo muito intelectual para a turma de pif-paf da governadora.

Digamos, então, alguém berrou:

- O buraco é mais embaixo!
Todos ficaram atentos. E o gênio demonstrou o Teorema da Cretinice:

- Vamos botar o Roberto Costa para mentir.

Um entediado ainda soprou:

- Mentir? É o homem certo.

O gênio pôde, enfim, mostrar o Teorema da Cretinice:



- Botamos o Roberto Costa pra dizer que por conta da greve 25 mil famílias ficarão sem o Bolsa Família.

E assim foi feito. Na quarta-feira Roberto Costa tratou de ser ele mesmo: disse que 25 mil famílias iriam ficar sem o Bolsa Família por causa da greve dos professores.

Numa outra rodada de pif-paf alguém achou de dizer que 25 mil famílias era algo irrisório. Alguém chutou:

- Que tal 40 mil famílias?

Um outro brilhou:

- Melhor dizer 65 mil famílias, vira um trocadalho com o número do Flávio Dino.
Discussão vai, discussão vem, toparam os 40 mil, era um número redondo.

E o boneco de ventríloquo voltou à ribalta: agora seriam 40 mil famílias prejudicadas com a greve dos professores.

O jornalista Itevaldo Júnior tratou de contatar a Assessoria de Comunicação do Ministério do Desenvolvimento Social.

A resposta, que não surpreendeu as pessoas com neurônios suficientes, desmascarou a turma do pif-paf. Ninguém perde Bolsa Família por conta de greve de professores.

Roberto Costa não sofreu nenhum arranhão, afinal, com a mentira, só estava sendo ele mesmo, de terno e gravata.


Postado em Política, por Roberto Kenard
17 de abril de 2011 às 12h28min

Comentários

Essa do bolsa escola foi ótima!
Queria saber qual a reação deles!

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…