Pular para o conteúdo principal

Professores de Imperatriz "enquadram" a secretária Olga Simão.

A Secretária de Educação do Estado Olga Simões pousou "secretamente" em Imperatriz nesta quarta-feira a noite, engana-se quem acha que veio tratar de algum assunto ligado à educação estadual ou à greve dos professores, na verdade seu plano era passar despercebida pelos grevistas e participar, na manhã de hoje, de uma reunião com representantes da empresa Suzano.


O plano falhou, o sindicato descobriu a agenda e preparou rapidamente um ato público para frente da Academia Imperatrizense de Letras onde ocorreria a reunião de "negócios". Mesmo com todo o aparato militar à serviço da repressão estadual, o movimento fez barulho, atrapalhou o evento e forçou o diretor regional de educação Agostinho Noleto sair do ambiente fechado e convidar uma comissão de educadores para falar com a Secretária acompanhada do próprio Noleto, da professora Wilma, gestora de educação e de um representante fardado da escola miliatar.

Liderada pelo representante regional do Simproesemma professor Wilas, a comissão formada ainda pelo professores Carlos Hermes, Carlos Henrique e David Souza e as professoras Silvana e Rosyjane denunciou o despotismo do diretor regional que ao invés do diálogo trata de ameaças, desrespeito público e terrorismo com os educadores grevista e reafirmaram a indisposição da categoria em aceitar ser dirigida pelos atuais gestores.

A Secretária foi questionada ainda a respeito da aprovação do estatuto, Lei do Piso, concurso para vigias, zeladores e merendeiras e nomeação dos excedentes do último concurso.

Na sua fala Olga Simões de forma sutil reafirmou as duras posições do Estado dizendo agir em nome da lei, falou sobre sua reunião em Brasília onde tratou com o ministro de Educação sobre a implantação da Lei do Piso, reiterou que o Estado tem nomeado os excedentes e que vai continuar fazendo de acordo com as adequações de cada região, lembrou que o concurso de 2009 foi prorrogado para fevereiro de 2012 e colocou como dificuldade para novas nomeações o fato de que em algumas cidades onde há excedentes não há a necessidade de professor na mesma proporção enquanto que em outras acontece o contrário.

Para além disso deixou implícito uma certa conivência com as atitudes ditadoras do gestor regional e deu a entender que na reunião do dia 26 é que se decidirá sobre a pauta de reivindicações. Ou seja, ficou claro que a luta deve continuar em rítmo cada vez mais forte, caso contrário vai querer levar o sindicato no papo.


Fonte:http://carloshermes.blogspot.com/2011/04/sindicato-forca-reuniao-com-olga-simao.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Professora desmascara a propaganda do "governo da Mudança"

Neste vídeo a VERDADE sobre a realidade salarial dos educadores da rede estadual é revelada. Somente na propaganda do governo existe valorização dos educadores. Assista ao vídeo integralmente e conheça a triste situação dos professores.

Flávio Dino tem reajuste salarial e servidores estaduais, NÃO.

Onde está a Mudança?

O governo do Maranhão usa da desculpa de crise financeira e vem, há dois anos, arrochando os salários de milhares de servidores estaduais e negando seus direitos. Os professores ficaram sem ter o reajuste dos seus VENCIMENTOS em 2016 e 2017. Os professores em regime de C.E.T (CONDIÇÃO "ESPECIAL" DE TRABALHO) recebem essa gratificação CONGELADA desde fevereiro de 2015. Os funcionários administrativos, operacionais e outros, da SEDUC e das outras secretarias estão lutando para garantir, este ano, o reajuste de 6,3%, pois em 2016 não tiveram reajuste algum.



Na contramão do discurso de crise financeira e agindo  na surdina, a assembleia legislativa concedeu no último mês de fevereiro reajuste salarial, SEM PARCELAMENTO, para o governador, o vice-governador e todo o secretariado.  
Em 2017 seus novos subsídios são:
Governador: R$ 15.915,40         (16,9 SM);
Vice-governador: R$ 14.198,18 (15,1 SM);
Secretários: R $ 11.154,24          (11,9 SM).
Observação: SM = SALÁ…

O governador do Maranhão usa MP para descumprir lei estadual.

Não satisfeito em IGNORAR O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, A LEI DO PISO e deixar os educadores da REDE ESTADUAL sem REAJUSTE SALARIAL em 2016, o governador Flávio Dino resolveu inovar e, em 2017, lançou mão de uma Medida Provisória para burlar o estatuto dos profissionais do magistério.
Educador(a), entre em contato com o/a deputado/a da sua região, peça seu apoio e diga a ele/ela que somos contra a MP 230,  da forma que foi proposta. Queremos que o governador CUMPRA o Estatuto do Magistério. Quando definirem o dia dessa votação, vamos mobilizar nossa categoria para LOTAR a Assembleia Legislativa. 
Educadores de todo o estado precisam comparecer e lutar contra a aprovação dessa MP.
NO DIA DA VOTAÇÃO DA MP 230/17 QUE VIOLA O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  (Lei nº 9.860/2013), OS DEPUTADOS VOTARÃO aFAVOR (F)ou CONTRA (C)  A Educação e os EDUCADORES???
A MP 230/17 SERÁ VOTADA AMANHÃ NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO         E JUSTIÇA - CCJ. Seus membros titulares são:
Presidente; Prof Marco Aurélio
Relator; Dr L…