Pular para o conteúdo principal

STF vai aguardar voto de Peluso para decidir cumprimento de carga horária do magistério

No julgamento de quarta-feira, por maioria de votos, o Plenário declarou a constitucionalidade da Lei na parte que regulamenta o piso nacional para os professores da Educação Básica


BRASÍLIA - Na sessão plenária desta quinta-feira, o presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ayres Britto, suspendeu a proclamação do resultado do julgamento sobre o piso nacional dos professores da educação básica da rede pública. O ministro declarou que a Corte vai aguardar o voto do ministro Cezar Peluso para concluir o julgamento sobre o ponto da norma que trata da carga horária dos professores.

No julgamento de quarta-feira, por maioria de votos, o Plenário declarou a constitucionalidade da Lei na parte que regulamenta o piso nacional - vencimento básico - para os professores da educação básica da rede pública.

Quanto a parte da constitucionalidade da lei que determina o cumprimento de no máximo dois terços da carga horária do magistério em atividades de sala de aula, ainda será analisada pela Corte.

Quatro ministros consideraram que esta parte da lei federal teria invadido a competência legislativa dos entes federativos (estados e municípios), violando o pacto federativo previsto na Constituição. Porém, cinco ministros se posicionaram pela constitucionalidade do dispositivo.

Como não foi alcançado o quórum necessário de seis votos para a declaração da constitucionalidade ou da inconstitucionalidade do dispositivo, a Corte vai aguardar o voto do ministro Cezar Peluso, ausente do julgamento devido a viagem oficial à Itália.


Fonte: O Globo Online

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…