Pular para o conteúdo principal

A CHAMA DA INDIGNAÇÃO

Os professores do  CE-Almirante Tamandaré ao tentarem retornar aos seus postos de trabalho após a greve foram "informados" pela diretora da escola que teriam que ir à URE, estes se negaram e tiveram apoio dos alunos e demais professores, que chegaram a elaborar documento exigindo o retorno imediato dos colegas. Mediante esta atitude, foram enviados a escola funcionárias da URE com a apresentação dos colegas, ou seja, "a montanha foi a Maomé', esta foi mais uma prova de que unidos somos muito fortes, por isso todos os governos querem nos ver atolados de trabalho, para que não possamos nos unir e debater os problemas da educação pública, mas no Maranhão isto não acontecerá mais, trabalharemos para manter a chama da indignação acesa e darmos a resposta a este Governo autoritário e à direção pelega de nosso sindicato.
Portanto, convidamos todos para a plenária a realizar-se-á dia 22/05 (domingo) às 09:00h no Sindicato dos Bancários (Rua do Sol- Centro) para juntos traçarmos nossas estratégias. Até lá!

Comentários

Nadja disse…
Muito bem, educadores! Quanto mais unidos, mais fortes!
Não podemos esquecer dessa grande aula em que ampliamos mais o sentimento e a prática da fraternidade.´
É imporatante que outros professores, cujos colegas foram devolvidos/substituídos, tenham postura similar à dos educadores do Almirante.
Washington disse…
quero contribuir aqui na regional de timon.email:wmcgomes@bol.com.br.tel.(86)99785835.washington
katia Ribeiro disse…
Esperamos que os colegas de outros municipios tanbém entrem em contato. A luta é de todos. Abraços e até domingo.
Tarik disse…
Peço aos donos do blog que postem este vídeo também:

http://www.youtube.com/watch?v=yFkt0O7lceA&feature=player_embedded

Ass.: Prof.ª Lucia Helena de Sousa Menezes (Prof.ª de Português do CINTRA)

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …