Pular para o conteúdo principal

Educadores de quatro grandes escolas de São Luís retornam à greve

A posição do governo do Estado em não sinalizar com reajuste salarial aos trabalhadores da educação, que alimentavam a expectativa de uma proposta para o desfecho do movimento grevista, provocou descontentamento e revolta. Em reação, muitos educadores que voltaram para a sala de aula retornaram à greve.
Além do retorno de educadores de vários municípios do interior, retornaram ao movimento trabalhadores de grandes escolas de São Luís: Almirante Tamandaré, BCA, Cintra e Liceu Maranhense.
É grande a revolta entre os profissionais de educação diante da postura do governo. O acampamento em frente a secretaria de Educação recebeu um maior número de adesões, principalmente de professores que já estavam afastados da greve, acuados em salas de aula diante das ameaças de gestores, mas com a esperança de que o governo se dispusesse a conceder pelo menos um reajuste salarial mínimo à categoria, que está com os salários defasados há dois anos (não recebem nem mesmo o repasse obrigatório do Fundeb).
Em seus discursos, os trabalhadores não compreendem porque a governadora Roseana Sarney joga a greve legítima da categoria na ilegalidade, mas não cumpre a Lei quando deixa de repassar ao salário do professor o percentual de reajuste do Fundeb, que é obrigatório, além de outros direitos que não são cumpridos como a Lei do Piso, em vigor desde 2008, as licenças prêmios, as titulações, progressões e promoções, tudo já garantido aos trabalhadores em Lei.
O SINPROESEMMA aguarda uma proposta formalizada do governo do Estado para submeter às assembléias regionais dos trabalhadores. Segundo o diretor de Comunicação do sindicato, Júlio Guterres, a secretário de Estado de Articulação Institucional, Rodrigo Comerciário, informou que até esta quarta-feira (04) a proposta do governo seria entregue ao sindicato.
Enquanto isso, os educadores continuam acampados na Seduc, com grande disposição para permanecer no local até que haja o entendimento do governo de que os trabalhadores precisam ter esse reajuste mínimo para retornarem às salas de aulas satisfeitos e levando boa qualidade de ensino aos seus alunos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…