Pular para o conteúdo principal

UM DIA DE FORTE MOBILIZAÇÕES NO MARANHÃO

Os professores de Imperatriz e Estreito mostraram mais uma vez que contiunuam firmes na defesa de nossos direitos, e em São Luís não foi diferente, pela manhã os educadores estiveram no lançamento do Programa de Qualificação Profissional com objetivo de tentar contato com a Governadora, mas esta adentrou pela porta dos fundos e acionou a polícia para reprimir o movimento, chegando a ocorrer agressão física a professores, alunos e pais.  Mesmo na área externa os educadores conseguiram incomodar, o que fez o Vice-Governador receber mais uma vez o Comando de Greve.







Na parte da tarde, uma comissão formada pela direção do sindicato e do MRP foi recebida pelo Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA- Luís Pedrosa, onde protocolou documento pleitando a intervenção  da OAB para intermediar as negociações, bem como a utilização dos meios disponíveis para resguardar a dignidade do educador. O Dr. Luís Pedrosa se comprometeu a debater na reunião da diretoria da OAB-MA e pedir nota da entidade para que o governo dialogue com o movimento paredista, além de se fazer presente na reunião com o Promotor da Educação, na data de 12/05.
Veja docuumento protocolado:


ILMº  SR. PRESIDENTE DA COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS DA OAB/MA



         Os professores da rede pública estadual vem por meio deste, com base na função institucional desta comissão em promover a defesa e/ou restabelecimento de direitos humanos violados, ou ainda a integridade do direito ameaçado, expor e ao final requerer:
1.       Como é de conhecimento público, nesta data os educadores estaduais estão em greve há mais de 70 dias, encontrando-se 15 dias acampados em frente à Secretaria de Educação do Estado, sendo que durante este período o Comando de greve só foi recebido por 03(três) oportunidades, e somente após o acampamento;
2.       Ao invés do Governo Estadual negociar com os professores resolveu criminalizar o movimento com ação judicial e ameaças de cortes de ponto e demissão em massa, acrescido de constante assédio moral por parte dos gestores e interventores colocados na escola, os quais chegaram a denominar os professores de “vagabundos”;
3.       Paralelo a este cenário, instrumentalizaram um grupo de alunos, que tem sido incentivados a desmoralizar os educadores (doc. em anexo);
4.       É sabido que o direito de greve é um direito fundamental expresso no art. 9º da CF/88, e até mesmo antes de ser positivado, é um direito natural. Portanto, trata-se de um direito fundamental que se insere nas dimensões dos direitos humanos, e que tem como escopo a melhoria das condições sociais;
5.        E nessa linha convém ressaltar que, a despeito da decisão judicial do TJ-MA, que é passível de recurso, a Declaração Universal de Direitos Humanos aduz que é um direito natural imprescritível, a resistência à opressão, fato que vivenciamos neste movimento grevista, que independente da legalidade ainda pendente, é mais que legítimo;
6.       As ações do governo estadual se revestem no caráter autoritário e desprovido de qualquer legitimidade ou legalidade, principalmente no momento em que, para aterrorizar a categoria difundem, via todos os meios de comunicação, que irão demitir os educadores, como se não houvesse todo um trâmite a ser seguido, e concretizam a ameaça de cortes de ponto, reduzindo, ainda mais a capacidade de subsistência dos professores, os quais neste momento, por acreditarem em uma sociedade mais justa e educação pública de qualidade sofrem retaliações de toda ordem;
7.       Como se não bastasse, o Governo ainda tenta dividir a categoria oferecendo dobra de carga horária e contratos, com salários, em alguns casos, com valores até 50% menores precarizando ainda mais a educação e afrontando os direitos de liberdade, de igualdade e fraternidade;
8.        Ao mesmo tempo enrola para não cumprir a Lei do Piso, que está em plena vigência desde 2008, e cuja constitucionalidade foi declarada pelo STF e já teve decisão publicada desde 04 de maio do ano corrente;
9.       Quanto ao corte de pontos impende destacar que o STF, em diversas oportunidades, tem se manifestado no sentido de que “a deflagração da greve corresponde, em princípio, à suspensão do contrato de trabalho, salvo em situações excepcionais que justifiquem o afastamento desta premissa”, e o CNJ na 115ª sessão ordinária realizada em 19/10/2010, ao analisar um Recurso Administrativo, por maioria dos votos decidiu que:  ...O desconto dos vencimentos referentes aos dois dias paralisados por força de greve só será admissível se os servidores se recusarem a compensá-los com o próprio trabalho(voto Marcelo NEVES);
10.   Do exposto se depreende que os professores se enquadram na situação excepcional que impede a suspensão do contrato de trabalho, pois as aulas não ministradas no período grevista, necessariamente deverão ser repostas para o cumprimento dos 200 dias letivos exigidos para o ano letivo;
11.   Ademais não se pode conceber corte de pontos em movimento paredista, quando este direito é garantido constitucionalmente, pois leva à total esvaziamento de qualquer movimento reivindicatório engessando os movimentos sociais, invalidando o comando constitucional e atingindo sobremaneira a dignidade da pessoa humana. Também privilegiando os interesses do Governo em detrimento dos servidores
12.   Nesse sentido, não se pode deixar de considerar que a greve constitui instrumento democrático a serviço da cidadania, onde os trabalhadores reagem em defesa de seus direitos, que impliquem diretamente ou não no respeito à dignidade humana.

Ante o exposto vem requerer a intervenção desta Comissão e da OAB-MA, no sentido de proteção dos direitos à sobrevivência com dignidade dos educadores da rede pública estadual, e resguardar também os interesses dos estudantes. Pugna a esta Comissão e a Seccional OAB-MA, pela utilização de todos os meios disponíveis, incluindo representação na OIT, no sentido de defender o direito a movimento paredista, os quais tem sido tolhidos por decisões judiciais, além de representar contra o Estado do Maranhão devidos aos atos terroristas implantados e que ferem de morte o Estado Democrático de Direito.

São Luís, 11 de maio de 2011.








 


E para quem pensa que parou por aí não conhece a garra e disposição dos professores do Maranhão, que mais uma vez saíram em caminhada,sob uma chuva torrencial, da Igreja do São Francisco até o Palácio dos Leões, para onde transferimos o nosso quartel general, contando ainda com alunos que vem constantemente prestando apoio aos professores. É isso mesmo, mudamos de endereço, o acampamento agora é no Palácio dos Leões, de onde só sairemos com as reivindicações atendidas.
Ainda nesta noite recebemos a informação de que até as 11:00h do dia 12/05, o governo confirmará uma nova reunião com o Comando de Greve. Professores, o governo não irá nos derrotar, a nossa luta é legitima e vale a pena ser lutada, compareça no acampamento, pois com a ajuda de todos, podemos chegar a uma resolução mais rápido.
O governo já começa a ceder, vamos continuar a engrossar as nossas fileiras e juntos comemorarmos a vitória. Sua participação é fundamental!!!













Comentários

Lázaro disse…
OPRESSÃO, POBREZA E ENRIQUECIMENTO ILÍCITO são os motivos de pressão popular para a queda da maioria dos ditadores pelo mundo, como por exemplo: Zine el Abidine - Tunízia, Hosni Mubarak - Egito, Abdulah II - Jordânia, Hamad Bin - Barém, Mohamed VI - Marrocos, Ali Abdulah - Iémem.
QUANTO AO MARANHÃO, NÓS PROFESSORES SOMOS AS MAIORES TESTEMUNHAS DO SOFRIMENTO DO NOSSO POVO, ENQUANTO O GOVERNO GASTA MILHÕES COM A CONTRATAÇÃO DE ESCOLAS DE SAMBA E A MÍDIA PIROTÉCNICA. TODOS OS PROFESSORES DEVEM SE POSICIONAR CONTRA A DITADURA DO MARANHÃO!
Júlia Abreu disse…
"Desesperar jamais
Aprendemos muito nesses anos
Afinal de contas não tem cabimento
Entregar o jogo no primeiro tempo
Nada de correr da raia
Nada de morrer na praia
Nada! Nada! Nada de esquecer
No balanço de perdas e danos
Já tivemos muitos desenganos
Já tivemos muito que chorar
Mas agora, acho que chegou a hora
De fazer Valer o dito popular
Desesperar jamais
Cutucou por baixo, o de cima cai
Desesperar jamais
Cutucou com jeito, não levanta mais".
Júlia Abreu disse…
link da música acima:
http://www.youtube.com/watch?v=d5QWcGh9aPo

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…