Pular para o conteúdo principal

Viva a eficiência da diretoria do SINPROESEMMA.

Companheiros, nesse momento de pós-greve, nossa categoria padece de todas as formas, de 2ª a sábado, frente aos mandos e desmandos dos diretores escolares, diretores das URE`s e Cia que querem a todo custo encerrar o ano letivo de 2011 em 23/12, descumprindo a LDB/96. Pra que tanto empenho? Será que é dessa forma que esses agentes públicos e a governadora esperam REVOLUCIONAR A EDUCAÇÃO MARANHENSE?

Nós estamos em sala de aula sobrecarregados de tarefas a cumprir, enquanto isso, por onde será que andam os dirigentes do SINPROESEMMA que firmaram um acordo com o governo, somente para pôr fim à greve, sem ao menos garantir um mísero reajuste? Vale ressaltar que o MEC orientou, desde março, os estados, o distrito federal e os municípios a concederem reajuste de 15,98% no PISO.

Não falta recurso financeiro o que falta é compromisso com a educação e a valorização dos educadores.

Fizemos um levantamento do volume de recursos que foi depositado na conta do FUNDEB- REDE ESTADUAL no período de 01 de janeiro de 2011 a 12 de junho de 2011 e chegamos ao valor:

R $ 557.177.396,78 (esse montante ultrapassou 50% do total previsto para esse ano).


O volume de recursos repassado ao estado no mesmo período de 2010 foi de:

R $ 324.058.544,72

fonte dos dados financeiros: Banco do Brasil


Traçando um comparativo entre as duas receitas constatamos que houve um crescimento, só nesse período, superior a 41 %. Isso demonstra que o estado em 2011 jamais teve problema financeiro na área educacional, não concedeu reajuste para a nossa categoria porque tem outras prioridades. O que dizer da diretoria do nosso sindicato que é parceiro do Estado nessa manobra?

Atenção! Com a obrigatoriedade da aplicação da lei do PISO, vêm aí mudanças em nossa política salarial.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…