Pular para o conteúdo principal

TODO APOIO À GREVE DOS DOCENTES E TÉCNICOS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO.

Já há algum tempo a população brasileira vem sofrendo com o desmonte dos serviços públicos, em particular da saúde e educação. Principalmente a partir dos governos neoliberais (Collor, FHC, Lula e Dilma), assistimos a cortes de recursos e aplicação políticas privatistas que precarizam o atendimento ao povo, colocam os serviços públicos como mercadoria, atacam direitos e conquistas dos servidores.

No âmbito da Educação Superior verificamos profundas modificações com a expansão precarizada, que piorou as condições de ensino, pesquisa e extensão, ampliou as vagas, expandiu absurdamente o sistema federal de ensino técnico e tecnológico, sem a correspondente ampliação da estrutura física, do quadro de técnicos-administrativos e de docentes, o que tornou a situação insustentável.

A heróica greve SINASEFE que já completa 50 dias, com paralisação em 227 campi e, aqui no Maranhão com 12 campi paralisados, é uma forte manifestação de desvelamento da propaganda governista de que na Educação Superior, Técnica e Tecnológica está tudo bem.

Nós, da CSP Conlutas, informamos que não só apoiamos esta greve, mas temos esta luta como nossa, pois o Sindicato é parte da Central e, nesse momento a categoria faz um enfretamento duríssimo com um governo que age no sentido de desmoralizar os servidores públicos.

O governo Dilma Rousseff desde o primeiro momento mostrou a que veio: cortou 50 bilhões do orçamento da união, impactando numa redução de 1,3 bilhão do orçamento das universidades; cancelou concursos públicos e suspendeu nomeações dos aprovados; propôs avaliação de desempenho com o objetivo de demitir servidores (PLC 248/98); limitou com gastos com a folha de pagamento dos servidores públicos, na prática quer congelar salários por 10 anos (PLP 549/09); quer avançar na criação das fundações estatais de direito privado para as áreas da saúde e educação, transferindo serviços que deveriam ser públicos para a iniciativa privada (PLP 92/07); quer instituir a previdência complementar dos servidores, criando os Fundos de Pensão – abertos e/ou fechados – para regulamentar a previdência privada no setor público, conforme estabelecido na Emenda 41 da Reforma da Previdência de 2003; a regulamentação do direito de greve.

O mais grave é que conta com a nociva contribuição dos segmentos cutistas que agridem a mobilização da categoria de técnicos e docentes dos Institutos Federais, por dentro do movimento, a exemplo do desserviço que presta o SINDSEP-MA.


Conclamamos a militância e entidades que compõem a CSP Conlutas para seguir fortalecendo esta greve. A luta do SINASEFE, assim com de outros servidores públicos, como os técnicos das Universidades organizados na FASUBRA, são parte fundamentais da luta da nossa classe. Porém, queremos deixar claro que a CSP Conlutas é uma organização combativa autônoma independente e democrática e não cabe à central interferir nas decisões de base dos sindicatos. Cada sindicato tem sua autonomia para decidir como construir sua luta, quando inicia uma greve e quando deve terminar. O que nos diferencia das demais centrais sindicais é que o nosso sindicalismo é de permanente enfrentamento às desigualdade sociais, aos patrões e governos burgueses de plantão, numa luta permanente para estabelecer uma sociedade sem exploração e sem opressão.

1- Pelo atendimento imediato das reivindicações!

2- Unificar a luta do SINASEFE com bancários, petroleiros, metalúrgicos, correios!

3- Pela aplicação de 10% do PIB para a Educação Pública Já!

4- Viva a luta dos Professores e Técnicos dos Institutos Federais de Educação!

5- Viva a luta da classe trabalhadora!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …