Pular para o conteúdo principal

MRP e Set. de educação - CONLUTAS solicitam AUDIÊNCIA PÚBLICA na ASSEMBLEIA LEGISLATIVA para debater a reestruturação da carreira do magistério.

Companheir@s, hoje dezenas de professores se dirigiram até a Assembleia Legislativa e lá durante toda a manhã protestamos contra a aprovação do PL 248/11. O mesmo não entrou em palta hoje, mas poderá entrar a qualquer momento, nesses próximos dias. Por volta do meio dia visitamos os gabinetes de todos os 42 deputados e  entregamos uma carta solicitando a suspensão da tramitação desse PL nas comissões daquela casa, bem como pedimos ainda que seja realizada uma audiência pública para debatermos a reestruturação da nossa carreira, com a garantia da lei do PISO e sem a supressão dos nossos direitos.











CARTA AOS DEPUTADOS ESTADUAIS DO MARANHÃO.


Excelentíssimo Sr Deputado(a).

Em época de campanha eleitoral voces invadem nossas residências prometendo melhorar os serviços básicos para a população, dentre eles, a educação. A educação de um estado é o que o diferencia dos demais, ela é o pilar da sociedade, é à base de sustentação de uma sociedade, que a qualifica e a diferencia das demais sociedades. Não há qualquer profissão ou qualificação que não passe pelo instrumento da educação.

Várias pesquisas nacionais constantemente apontam a educação estadual como uma das piores do país, tudo isto ocorre em função de uma série de desmandos dos nossos governantes. Por exemplo, nosso estado até hoje nunca possuiu um PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. Na ausencia desse plano, os gestores da pasta educacional se limitaram e se limitam a reproduzir de forma muito precarizada as políticas apontadas e definidas pelo MEC. No quesito valorização dos educadores, o MARANHÃO é campeão no que diz respeito ao descumprimento dos direitos garantidos em várias leis, que vão desde a CF/88, passando pela LDB/96; PNE/2001, chegando até a lei do PISO/2008.

As referidas leis apontam desde 1988 a necessidade de se garantir a valorização dos profissionais do magistério através da implantação do nosso PLANO DE CARREIRA. No Maranhão, GOVERNO e diretoria do SINPROESEMMA viraram as costas para essa realidade. O que nos foi garantido em 1994 foi a aprovação do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO, que nunca fora cumprido integralmente. Nesses 17 anos, nossa categoria assistiu o desmonte dessa lei e, com isso, sofre as consequencias do descaso do governo estadual para a garantia do nosso direito à valorização profissional.

Em 2007 o governo Jackson Lago tentou reestruturar a nossa carreira através da POLÍTICA DO SUBSÍDIO, o que nos obrigou a sair às ruas e, em uma greve de quase 100 dias, com muita bravura, conseguimos derrotar a proposta governista. Hoje, a governadora Roseana Sarney supera a proposta Jackson Lago e tenta golpear a nossa categoria, ao propor a reestruturação da nossa carreira através do PL 248/11. Nesse PL, o Governo descumpre o que reza a lei do PISO, a lei do FUNDEB; e as demais leis citadas anteriormente. Propõe ainda a redução da GAM, a supressão de 10 das 25 referências da nossa tabela salarial com o respectivo interstício; não define data-base e nenhum mecanismo de reajuste salarial, o que acabará por favorecer única e exclusivamente, às políticas de arrocho salarial e de negação e supressão de direitos.

O MRP entende que o debate precisa ser ampliado, nesse sentido, solicitamos de V Srª que encaminhe à mesa diretora desta casa um requerimento pedindo a suspensão da tramitação desse PL, e a realização de UMA AUDIENCIA PÚBLICA, para que juntos possamos discutir essa questão de forma mais ampliada, evitando assim que se cometa mais um acinte com os educadores e a educação publica do nosso estado. Vale lembrar que hoje somos mais de 50 mil professores (efetivos e contratados), educamos diariamente mais de 500 mil jovens maranheses. Não nos obriguem a recorrer ao nosso último recurso de luta, que é a greve. Quem vota a favor desse projeto de lei é contra educação pública estadual, contra os educadores e educandos. Muito menos demonstra preocupação de melhorar os indicadores educacionais dos mais de 500 mil jovens maranhenses que só contam com a escola pública estadual para ter acesso ao ensino. Desta forma não teremos escolha, quem aprová-lo será considerado INIMIGO DA ESCOLA PÚBLICA ESTADUAL.
 Atenciosamente
à Coordenação do Movimento de Resistência dos Professores - MRP 

Atenção! Nossa categoria precisa manter vigília permanente na Assembleia Legislativa, até a votação do PL. Nesse sentido o MRP conclama os companheiros que estarão de folga na 4ª ou na 5ª feira para se dirigirem até lá, pela manhã para ocuparem o PLENÁRIO, só assim poderemos acompanhar de perto a tramitação do Pl 248/11. Contamos com sua compreensão e colaboração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…