Pular para o conteúdo principal

Não falta dinheiro! O que falta é vontade política em se valorizar o magistério público estadual e vergonha na cara de muita gente.

Enquanto a diretoria do SINPROESEMMA (PCdoB/PT/CTB) limita-se a lamentar a não concessão do reajuste salarial, o governo faz a farra com os recursos do fundeb. Ressalta-se, recentemente a fundação José Sarney foi estatizada e será mantida com os recursos da educação.


Vejam só:

A previsão de receitas para o FUNDEB (rede estadual) ano 2011 é de:

R $ 1.004.724.846,72

Desse montante, já foi creditado até o dia 12/11 o total de R $ 956.518.193,40. Esse valor supera o volume de recursos totais destinados à rede estadual em 2010. Ano passado os recursos foram da ordem de R $ 760.638.371,64. Hoje, isso representa um crescimento da ordem de 25,75% e em se efetivando a previsão de receitas, teremos um crescimento de 32,08%, no final do ano.

Lamentavelmente, governo e diretoria do SINPROESEMMA desconsideram esses números, na medida em que, o primeiro afirma para a nossa categoria ter dificuldades financeiras e que por isso, só pode conceder o reajuste de 20% parcelado (nov/11; março/12 e set/12) para os professores das classes 3 e 4, os demais não terão reajuste algum em 2012.O segundo faz um jogo de cena no intuito de ludibriar a nossa categoria, entretanto, suas ações servem mesmo aos interesses governistas que dia após dia vem ganhando tempo e a nós tem restado somente prejuízos. Hoje toda a nossa categoria deseja esse reajuste, porém, para que ele seja concedido é necessário a aprovação do PL 248/11. Esse projeto de lei construído pela parceria GOVERNO -SINDICATO não versa exclusivamente sobre o reajuste salarial, mas tambem objetiva reestruturar o ESTATUTO DO MAGISTÉRIO  e aqui é que mora o perigo, afinal o governo concede o reajuste mas modifica a seu modo a nossa política salarial, sendo assim, sairemos perdendo, na medida em que ela não está pautada na lei do PISO. Essa proposta de alteração do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO deveria ser discutida com a nossa categoria, entretanto, isso não acontecerá. Porque será que a diretoria do sindicato  não realizou uma única assembleia para ouvir a nossa categoria a esse respeito?
Observem que os dirigentes do SINPROESEMMA nunca fizeram o debate desses números conosco e certamente, também não o realizaram com o governo. Quem já ouviu no programa de rádio, na tv ou mesmo no jornal do sindicato esses esclarecimentos? Aqui, não podemos nem de longe imaginar que nossos dirigentes sindicais não o realizam por desconhecer esses números, agem de caso pensado, há toda uma intencionalidade por trás disso, afinal para garantir os interesses particulares de um grupo é necessário sacrificar os direitos da maior categoria de servidores públicos estaduais. Por essas e outras é que ano após ano somos ultrajados em nossos direitos e sofremos as consequências da maléfica política de arrocho salarial. Não podemos esquecer que essa parceria GOVERNO-SINDICATO já nos prejudicou por demais, quem não lembra dos 7 anos em que ficamos sem reajuste salarial, nos dois primeiros governos de Roseana? Até quando permitiremos que aliados do governo estejam a frente da nossa estrutura sindical? Se não mudarmos isso, dificilmente a nossa realidade será transformada.

Obs: Os números acima foram retirados do site do FNDE.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …