Pular para o conteúdo principal

Alô Brasil: Revolução na educação é com a governadora do Maranhão

Olhando de longe, nem se imagina os prejuízos incalculáveis que o senhor Bernardo Bringel causou ao setor da Educação pública deste estado. Mirando mais de perto, o leitor será capaz de até cair no buraco imenso que o ex-secretário da Seduc cavou na pasta que deveria ser a prioritária do governo de Roseana Sarney.

Sem o menor planejamento, Bringel, hoje nomeado secretário de Planejamento do Estado e ainda infelizmente acumulando a Educação, decidiu entregar para cada município o ensino fundamental. A medida, diga-se de passagem, é correta. Mas tinha que ser melhor trabalhada e planejada para evitar impactos.

Nada disso foi feito. As administrações municipais, que de maneira desprezível arcam, com os custos de suas escolas, de uma hora pra outra tiveram que aceitar outras unidades. Nem precisa dizer que as escolas, por falta de professores, material didático e até merenda escolar, além da falta de infraestrtura, fecharam. E os alunos estão em casa ou nas ruas. Os pais, na maioria, não tem condições de pagar as particulares.

Em Açailândia, por exemplo, ele fechou tudo. Entregou todas as salas do ensino fundamental para a prefeitura e lacrou os ensinos médios em todos os povoados do interior: Novo Oriente, Sudelândia, Nova Conquista, Califórnia… todas as salas foram fechadas.

Ao todo são quase mil alunos que viram suas vidas truncadas, muitos já matriculados no 3º ou 2º ano, simplesmente não tem mais opção para estudar. Nem tem dinheiro para pagar, nem existem escolas privadas nos povoados e assentamentos. Os poucos que conseguiram uma vaga na Casa Familiar Rural (uns 40) estão ameaçados também de não chegar ao fim do ano, pois até hoje não foi pago um centavo para os professores, que nem assinaram contratos ainda.

E isto não é fato isolado. Ele fez isso no Estado todo. E olha que a contrapartida do MEC é alta. O pior é que na zona rural os números de alunos, apesar das escolas fechadas, servem apenas para aumentar o volume de recursos repassados e o dinheiro, quase na sua totalidade, vai para os centros urbanos. Uma lástima!

Fonte:http://www.luiscardoso.com.br/politica/bringel-causou-enorme-prejuizos-ao-setor-da-educacao/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …