Pular para o conteúdo principal

Aos professores da rede estadual de ensino.

O golpe dado pelo SINDICATO-GOVERNO no final da greve de 2011, só serviu aos interesses de Roseana. 


Em 2011 realizamos uma greve de 78 dias, que só foi encerrada mediante as manobras da diretoria do SINPROESEMMA (PCdoB/PT/CTB). Logo em seguida, a diretoria fechou um acordo com o governo do estado a revelia da nossa categoria (maio de 2011), em que nele constava basicamente o seguinte:

O governo colocaria em prática o piso salarial da categoria determinado pelo Supremo Tribunal Federal, no prazo de até 30 dias, após o STF emitir o acórdão da sua decisão e o Ministério da Educação dar cumprimento ao disposto no art. 4º da Lei 11.738, de 16/07/2008.

Estabeleceu-se um prazo de 60 dias para o envio do Projeto de Lei do Estatuto do Educador à Assembleia Legislativa, contatos a partir da publicação do acórdão do Supremo Tribunal Federal (STF);

Esse acordo só serviu para o governo ganhar tempo, dia 05 de outubro de 2011 chega a ASSEMBLEIA LEGISLATIVA o PL nº 248/11 que promoveu significativas alterações em nossa política salarial, na medida em que, sua aprovação no dia 17 de novembro/11 deu origem a Lei nº 9.506/11 que alterou o ESTATUTO DO MAGISTÉRIO e nossa GAM foi reduzida para 75% (classes I e II) e para 104% (classes III e IV). Registra-se também que o reajuste parcelado de 20%, prometido aos professores com formação superior não está sendo cumprido. Como se isso não bastasse, governo e diretoria do SINPROESEMMA fazem pouco caso do que determina a lei federal nº 11.738/08 nos aspectos: do pagamento do PISO como vencimento inicial do magistério da educação básica e da redução da jornada em sala de aula, com a garantia do 1/3 para hora atividade.

Ressaltamos ainda que a lei do PISO determina: Art. 6o A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão elaborar ou adequar seus Planos de Carreira e Remuneração do Magistério até 31 de dezembro de 2009, tendo em vista o cumprimento do piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica, conforme disposto no parágrafo único do art. 206 da Constituição Federal.

 O governo do estado com a conivência da diretoria do SINPROESEMMA descumpre essa determinação legal desde 2009. Agora, em 2012 o governo pretende aprovar o Plano Geral de Cargos do Estado-PGCE incluindo os profissionais da educação básica em um conjunto que engloba mais 16 outras categorias de servidores estaduais das mais diferentes matizes. Aqui, mais uma vez seremos prejudicados, na medida em que, temos financiamento específico, uma carreira diferenciada dos demais servidores estaduais e sendo assim, deveremos rejeitar essa manobra governamental e lutar para conquistar um plano de carreira específico, conforme estabelece a lei federal nº 11.738/08.   A governadora Roseana, desta forma  evidencia todo seu desprezo pela educação e pelos educadores. Reagir é preciso!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …