Pular para o conteúdo principal

Aos Professores da Rede Municipal de Ensino de São Luís

 Companheir@s, historicamente o SINDEDUCAÇÃO é dirigido por um grupo de pessoas que sempre o atrelou ao poder público municipal. E o resultado disso, são os muitos prejuízos que têm vitimado os profissionais do magistério e milhares de educandos que só contam com a escola pública para ter acesso à educação formal. Isto ocorre porque o SINDEDUCAÇÃO nunca possuiu, efetivamente, uma real política em defesa da educação pública municipal, tampouco dos direitos dos educadores.  Como consequência e maior exemplo temos o notório caos educacional instalado na rede de ensino. Há escolas que em pleno meio do ano, sequer funcionaram um único dia e os alunos vivenciam, assim, um verdadeiro estado de abandono e negação dos seus direitos. Aliás, prática recorrente não apenas nesta como nas administrações municipais anteriores que nunca priorizaram a educação e com a inoperância do sindicato, somam-se prejuízos a alunos e professores (tanto em início de carreira quanto em processo de aposentadoria).
Para tentarmos reverter esse quadro, o primeiro passo que precisa ser dado consiste em nossa participação efetiva no processo eleitoral que se aproxima:
1. VOTO DOS PROFESSORES SINDICALIZADOS;
2. MOBILIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DO PROCESSO POR PARTE DOS NÃO SINDICALIZADOS e SINDICALIZADOS.
Só assim é que poderemos dizer NÃO ao CONTINUÍSMO e retomarmos das mãos dos que não nos representam (Atual diretoria + Políticos aliados) o comando da nossa ESTRUTURA SINDICAL, para que a partir daí possamos coletivamente (Base + Diretoria) delinearmos verdadeiras políticas sindicais de luta em defesa da escola pública municipal, bem como, pela ampliação e manutenção dos direitos dos profissionais do magistério local.
Tal estrutura torna-se necessária porque a diretoria do SINDEDUCAÇÃO insiste em realizar a eleição em um único dia, num só local (sindicato): uma tática clara que objetiva excluir do processo eleitoral o maior número de professores possível, assim como ocorreu na eleição de 2008, na qual mais de 40% dos professores sindicalizados deixaram de votar, por conta dessa manobra.
De forma proporcional ao nosso crescimento habitacional, houve o necessário aumento da rede municipal de ensino com a nefasta política de ampliação do número de anexos escolares e, consequentemente, provavelmente ocorreu um aumento considerável da nossa base sindical.  Em 2008 éramos quase 4 mil sindicalizados, hoje certamente somos muito mais.
Como fazer todo esse contingente participar do PROCESSO ELEITORAL sem descentralizá-lo?  O que teme a atual diretoria? Ainda se pode esperar algo daqueles que integram esse grupo, na medida em que, sequer garantem ao professor o direito de escolher seus representantes sindicais através do voto?

Abaixo artigos importantes sobre o processo eleitoral de acordo com o estatuto do SINDEDUCAÇÃO.

1 - Quem pode votar nesse processo?

Art. 45. É eleitor todo associado que:

a)  Na data da eleição tiver ao menos 6 meses de inscrição no quadro social;

b)  Estiver no gozo dos direitos sociais conferidos neste Estatuto.

2 - Quem pode integrar uma chapa (ser candidato)?

Art. 46. Poderá ser candidato o associado que na data da realização da eleição, tiver mais de um ano de inscrição no quadro social do sindicato e pelo menos 3 anos na profissão no sistema de educação, estar em dia com as mensalidades sindicais e contar com a idade mínima de 18 anos.

3 – As chapas serão registradas na sede do sindicato até o dia 15 de agosto de 2012.

4 – A eleição está prevista para acontecer dia 14 de setembro de 2012.

Antonísio Furtado, professor das redes municipal  e estadual de ensino.
Fonte:http://www.facebook.com/#!/antonisio.lopesfurtado






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…