Pular para o conteúdo principal

Aos professores da rede municipal de ensino de São Luis-MA

Burocratas ou lutadores: quem desses deve dirigir um sindicato?

                    A eleição para a direção do SINDEDUCAÇÃO (Sindicato dos Profissionais do Magistério do Ensino Municipal de São Luís) se aproxima e com ela a expectativa dos milhares de educadores sobre os rumos que nossas vidas profissionais tomarão depois do dia 14 de setembro, data marcada para o pleito. Nós também ficamos apreensivos e por isso mesmo queremos fazer algumas reflexões com você leitor sobre esse processo que se avizinha.
                    Os sindicatos devem funcionar como escola de governança. É nele que nossa classe social fará as experiências mais básicas e mais duras para mostrar ao conjunto da sociedade que são os trabalhadores que devem administrar as riquezas materiais e culturais produzidas, já que somos nós que as produzimos. Por esse motivo, os sindicatos não devem reproduzir a lógica do vale-tudo das eleições burguesa e nem funcionar como um miniparlamento de burocratas que se distanciam das suas bases sociais assim como o diabo se distancia da cruz. Os sindicatos devem ser espaços democráticos, onde seus filiados sintam-se parte fundamental das decisões e não como um apêndice desprezível. A relação dos diretores dessa “escola de governança” com seus filiados não podem igualar-se a relação que a maioria dos diretores de nossas escolas mantém conosco, de puro autoritarismo.
                 Nenhum sindicato democrático consegue funcionar sem ser pela base; um representante de uma escola tem uma visão privilegiada do seu local de trabalho e nesse aspecto pode ter uma importância política superior ao de um dirigente de um sindicato burocratizado que não pisa, e, portanto, não sente o drama do que significa ser professor de uma escola sem estrutura. Geralmente na luta são os trabalhadores da base que se lançam ao sacrifício e alimentam as esperanças da vitória, enquanto os burocratas fazem de tudo para amedrontar e desanimar a categoria.
                   A vitória de uma categoria pode significar a perda de privilégios institucionais que diretores pelegos e burocráticos estabelecem com os governos e patrões, por isso, preferem “organizar” a derrota da categoria para garantir seus privilégios mesquinhos. 
                  Para as eleições do SINDEDUCAÇÃO esse desafio estará colocado. João Castelo e os vereadores de São Luís de tudo farão para que nosso sindicato continue não mãos de burocratas e, nesse caso, aos educadores da base está lançado o desafio de depurar nosso sindicato do burocratismo e o peleguismo. 
                   Tendo por base esta constatação, a CSP Conlutas, o MRP (Movimento de Resistência dos Professores) e o MOPE (Movimento de Oposição dos Profissionais da Educação), resolveram unir forças em torno de uma Chapa de luta, autônoma e classista para disputar as eleições do SINDEDUCAÇÃO.
 P/ Hertz Dias- Professor de História e militante da CSP Conlutas do Maranhão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Baixaria na Assembleia de Prestação de Contas do Sinproesemma

Dia 24/06 (sábado), aconteceu no Praia Mar Hotel em São Luís a assembleia de prestação de contas do Sinproesemma.
O auditório em que aconteceu a assembleia comportava 120 assentos e cerca de 90% deles foram ocupados por educadores que estavam hospedados no hotel, pois vieram de alguns municípios localizados no continente. Poucos educadores eram da capital e isso se deu por que a diretoria do sindicato (SUB JUDICE) não divulgou a realização da assembleia nas escolas da grande ilha e nem convocou os trabalhadores nos seus  meios de comunicação.
O debate foi iniciado e ao longo dele, chamou bastante atenção o embate  entre os membros da diretoria, que se alfinetaram e também fizeram acusações graves. O presidente Raimundo Oliveira tentou cercear a fala da ex- presidente Benedita, mas foi reprovado por alguns professores.


Veja abaixo vídeos e os dois balancetes apresentados aos educadores. Neles, dentre outras coisas, chama atenção o volume de recursos que a diretoria do sindicato diz ter…