Pular para o conteúdo principal

A votade do professor na eleição do SINDEDUCAÇÃO prevalecerá!


VITÓRIA DA CHAPA 1

SINDICATO NAS MÃOS DA CATEGORIA 
 
No dia 14 de setembro de 2012 houve a eleição para escolha da nova direção do SINDEDUCAÇÃO, na qual foi vitoriosa a Chapa 1 – Unidade para mudar, formada pelas oposições (CSP Conlutas, MOPE e MRP), que trouxe para a disputa um programa democrático, pautado na defesa da educação pública, gratuita, de qualidade e dos direitos dos educadores. Nossas principais bandeiras de campanha foram o aumento do investimento na manutenção e desenvolvimento do ensino de 25% para 35% dos recursos municipais, a defesa de 1/3 hora atividade, colegiar a diretoria do sindicato, a reformulação do estatuto e eleição direta para diretores de escola. O resultado do pleito confirma que a categoria, cansada de ter seus direitos negados e usurpados, mostra elevação da consciência política e volta a acreditar no sindicato como instrumento de luta. Neste sentido, queremos agradecer o voto de confiança de cada educador e de tod@s aqueles que contribuíram decisivamente para a vitória da oposição.
Apesar da vitória da chapa 1 com 49,2% dos votos, a chapa 3 insiste em não reconhecer a decisão da maioria dos votantes e ingressou com um pedido de anulação do resultado da eleição junto à Comissão Eleitoral, alegando entre outras questões: o abuso do poder político-econômico por parte da Chapa 1; desrespeito ao estatuto do SINDEDUCAÇÃO e abstenção dos aposentados por conta de tumulto na entrada do sindicato e do grande calor que fazia no dia.  A respeito de tais colocações esclarecemos:
Com relação à acusação de abuso de poder econômico, afirmamos que um dos princípios que nortearam a campanha da Chapa 1 foi a independência político-financeira perante a prefeitura e quaisquer partidos políticos, de maneira que todas as atividades e materiais de campanha foram fruto de uma política de finanças baseada nas contribuições dos componentes da chapa e dos apoiadores, sobretudo a CSP-Conlutas-PI, CSP-Conlutas-RJ, CSP-Conlutas-MA, Sindicato dos Bancários, Sintrajufe, Sintrap-Caxias, APRUMA e ANEL.
Não procede a alegação de que o estatuto não foi respeitado no tocante ao horário de votação, tendo em vista que o alargamento deste período para as 20 horas constitui-se em acordo firmado pelas chapas 1 e 2, tendo a chapa 3 delegado seu voto à Comissão Eleitoral e acatando o que a mesma decidisse. Destacamos que essa mudança objetivou a maior participação dos associados no pleito. Entendemos que o estatuto vigente é, em vários aspectos, antidemocrático e restringe a participação da categoria nos rumos do sindicato. Lembremos que a Profª Lindalva Lopes, candidata a presidente da Chapa 3, é secretária de assuntos educacionais da atual Direção do Sindicato e aprovou esse mesmo estatuto, que serviu para legitimar seu grupo nas eleições de 2008.
No que se refere ao tumulto citado, na ata redigida e assinada pela Comissão Eleitoral que, diga-se de passagem, foi minuciosamente escolhida pela atual Direção, o único incidente registrado foi a agressão praticada pelo professor César Augusto, atual vice-presidente e candidato a presidente na Chapa 2, contra o professor Antonísio Furtado, candidato a presidente pela Chapa 1. Essa agressão ocorreu minutos antes do encerramento da votação, não tendo qualquer influencia em seu resultado. A verdade é que os aposentados resolveram dizer NÃO ao continuísmo da pelegada que alugou em torno de 100 carros para tentar ludibriá-los.
A atual gestão do SINDEDUCAÇÃO, o prefeito João Castelo, vereadores aliados e os diretores do SINPROESEMMA não querem que este sindicato seja dirigido por um grupo de professores que ganhou a confiança da categoria na luta e que pretende fazer deste sindicato uma ferramenta a serviço das conquistas da classe trabalhadora. Por isso, reafirmamos a vitoria da Chapa 1 e convidamos a todos e todas para a posse da nova direção no dia 31 de outubro de 2012 (quarta-feira), na sede do sindicato.

ELES SE APOIAM NO APARATO POLÍTICO E
FINANCEIRO DOS PODEROSOS. NÓS APOSTAMOS NO APOIO DA CATEGORIA PARA REPUDIAR ESSA TENTATIVA DE GOLPE. 

RESULTADO DA ELEIÇÃO DO SINDEDUCAÇÃO
 
CHAPA 1
CHAPA 2
CHAPA 3
BRANCOS
NULOS
Urna 1
6
15
62
0
1
Urna 2
10
12
84
1
5
Urna 3
105
22
43
0
4
Urna 4
94
20
56
1
1
Urna 5
100
28
54
0
3
Urna 6
155
33
73
2
5
Urna 7
121
40
68
0
4
TOTAL
591
170
440
4
23
 
Observação: As urnas 1 e 2 coletaram os votos dos aposentados e somente nelas a Chapa 3 foi vencedora.
Cordialmente: CHAPA 1: UNIDADE PARA MUDAR!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PERDAS SALARIAIS DOS PROFESSORES NO GOV. FLÁVIO DINO

GOV. FLÁVIO DINO DESCUMPRE LEIS e  APLICA NOVO CALOTE NOS EDUCADORES
Ao não conceder, em janeiro de 2018, o reajuste de 6,81% no vencimento dos integrantes do magistério da educação básica, mais uma vez o governador Flávio Dino insiste em descumprir a lei do PISO NACIONAL e o art. 32 do ESTATUTO DO MAGISTÉRIO. Por 3 anos consecutivos temos sido vitimados por uma política de profundo ARROCHO SALARIAL que tem como consequência a diminuição permanente do poder de compra dos educadores, comprometendo de forma direta a qualidade da educação pública e a dignidade dos trabalhadores. Em 2016, embora a lei garantisse um reajuste de 11,36% para os Professores, não foi concedido nenhum percentual de recomposição salarial. Em 2017, governo descumpre novamente a legislação, através de uma manobra parlamentar, aplica um pequeno reajuste em cima da GAM.  Em 2018, o governo reedita o calote e outra vez, agindo na ILEGALIDADE, não concede o reajuste na tabela de vencimentos dos educadores, em uma clara …

Gov Flávio Dino passa a perna nos professores, vende gato por lebre e chama isso de valorização

Quem vê a megacampanha midiática do governo Flávio Dino (PCdoB)  sobre a realidade salarial dos professores da rede estadual maranhense, nem de longe imagina o que de fato vem acontecendo com esses educadores.  Primeiro é preciso explicitar que o governador, apesar de ser professor, não teve pudor algum ao optar, em 2016, por descumprir as Leis do Piso e o Estatuto do Magistério e deixar toda a categoria de professores sem reajuste salarial algum. No ano seguinte, o avanço do governo sobre os direitos dos professores continuou. Numa manobra envolvendo sua base aliada no poder legislativo, o governador Flávio Dino (PCdoB) usa uma Medida Provisória para violar o Estatuto do Magistério, promove o desmonte da carreira ao extinguir 9 referências de um total de 19 existentes e realiza uma pequena elevação na Gratificação de Atividade do Magistério – GAM, de forma parcelada e progressiva, entretanto, manteve CONGELADO o piso salarial de todos os professores, com valores referentes ao ano de 2…

Governo Flávio Dino aplica novo GOLPE nos PROFESSORES

Companheir@, demonstraremos aqui, os prejuízos causados pela aprovação da  Medida Provisória nº 272/18. Ela modifica a estrutura da tabela de vencimentos que integra o Estatuto do Magistério e trata da concessão de reajustes diferenciados para os educadores:

 Prof. I - 10,47% - INTEGRAL  Prof. II - 6,81% - INTEGRAL  Prof. III- 6,81% - P A R C E L A D O
O governo do estado incorreu em ato ILEGAL ao violar o artigo 32 da Lei 9.860/13, e conceder percentuais de reajustes diferenciados para os integrantes do subgrupo  Magistério. Como se isso não bastasse, os valores dos vencimentos dos professores nas tabelas que acompanham a MP 272/18, foram definidos à revelia da tabela que acompanha o Estatuto do Magistério, desde sua aprovação em 2013. Governo e sinproesemma acharam que os professores não perceberiam a manobra matemática feita por eles. A ideia visa reduzir o volume de recursos financeiros do FUNDEB, que é usado para remunerar anualmente, os profissionais do magistério. 

Observe na imagem …